Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Dança

Maria Esther Stockler

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 26.08.2021
1939 Brasil / São Paulo / São Paulo
2006 Brasil / Rio de Janeiro / Paraty
Maria Esther Stockler (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1939 – Paraty, Rio de Janeiro, 2006), bailarina, coreógrafa e preparadora corporal. Trabalha com base na improvisação, desapegada de escolas ou técnicas formais de dança, fugindo da espetacularização e propondo reverberações energéticas e ritualísticas.

Texto

Abrir módulo

Maria Esther Stockler (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1939 – Paraty, Rio de Janeiro, 2006), bailarina, coreógrafa e preparadora corporal. Trabalha com base na improvisação, desapegada de escolas ou técnicas formais de dança, fugindo da espetacularização e propondo reverberações energéticas e ritualísticas.

Frequenta aulas de balé desde os 10 anos, depois pratica ioga. Em 1954, a família se muda para São Paulo depois de um período nos Estados Unidos, e Stockler entra para a segunda turma de alunos de Maria Duschenes (1922-2014), bailarina húngara radicada em São Paulo, expoente da dança moderna paulista.

Começa a carreira profissional com a fundação do Grupo Móbile, em São Paulo, logo após outra passagem pelos Estados Unidos, onde frequenta estúdios de expoentes da dança moderna, como os coreógrafos americanos Martha Graham (1894-1991), Merce Cunningham (1919-2009) e Allan Wayne (1906-1978).

O Móbile é formado por bailarinas do grupo de Duschenes. Sem seguir uma linha técnica específica, o grupo busca a pesquisa, com referências à dança moderna, improvisação e ioga, estudos de respiração e postura, colocados em cena ao lado de elementos como o canto gregoriano e a música clássica hindu. Stockler começa a construir sua proposta de afastamento das escolas técnicas reconhecidas e a busca por intersecções em outras áreas.

Stockler vê os trabalhos do grupo como eruditos e de difícil comunicação com o público, e passa a atuar como preparadora corporal e coreógrafa para teatro, participando da montagem do Teatro Oficina de O Rei da Vela (1967). Começa a trabalhar com o romancista e dramaturgo José Agrippino de Paula (1937-2007), um dos precursores do movimento tropicalista. Juntos, criam o Grupo Sonda, que produz três espetáculos. O último deles, Rito do Amor Selvagem (1969), torna-se um marco da cena paulistana. Originalmente criado para o 2º Festival de Dança de São Paulo, a obra faz temporada de quase seis meses no Theatro São Pedro.

Rito trabalha técnicas de mixagem entre mídias, ao sobrepor e editar elementos visuais, textuais, sonoros, e a atuação, em ordens e dominâncias variáveis. A obra constrói cenas com os atores aparecendo como figuras reconhecidas, em caráter tipificado, como Hitler (1889-1945) e Marlon Brando (1924-2004), e em tipos genéricos, como Rei, Louco e Super-herói.

Seguindo a proposta que Agrippino chama de “arte-soma”, o texto faz colagem de várias fontes, sem construir exatamente um sentido lógico, trabalhando uma atmosfera sensorial, para atingir o inconsciente coletivo. A busca pelo sensorial se insere na prática de Stockler e se torna uma tônica de seu trabalho.

O Rito levanta questionamentos dos críticos, que observam sua difícil compreensão, e alguns a classificam como vanguarda. O trabalho de Stockler com os corpos dos intérpretes é elogiado pela capacidade em desenvolver plasticidade num grupo que chamam de “bisonho”, dada a formação tão distinta entre os intérpretes. 

Em 1970, com Agrippino, a coreógrafa viaja por países da África e participa de danças sociais, rituais e festivas em uma aldeia de pescadores, e também do Candomblé, em Togo e Dahomey – experiências registradas em filme por Agrippino. 

No retorno da África, faz uma parada em Londres, onde acompanha workshops e apresentações de outras linguagens, como a mímica, a dança indiana Kathakali, e o Kabuki, forma teatral mista japonesa. Assim, alimenta as referências às formas não tradicionais, não ocidentais, ou não espetaculares, que se tornam o foco de seu trabalho, buscando formas mais ritualísticas de realização artística.

Depois de passar por essas experiências ritualísticas, deixa de vez a dança cênica. Seu trabalho foca os aspectos rituais, sociais e pessoais da dança, e se expressa em improvisações e numa rejeição às técnicas estruturadas. Suas propostas vanguardistas marcam e influenciam a cena da dança moderna de São Paulo, que passa a se estabelecer no Teatro de Dança Galpão (1974-1981).

Vivencia essas propostas quando mora na aldeia hippie de Arembepe, na Bahia, antes de retornar ao Rio de Janeiro, onde trabalha com o Grupo União do Vegetal. Com o grupo, segue sua pesquisa com a ayahuasca, depois de uma passagem pela Amazônia peruana, onde acompanha rituais religiosos e de medicina indígena, com foco na ampliação de contatos espirituais.

Essa ampliação também se expressa artisticamente em suas danças improvisadas, caracterizadas como experiências antropológicas desenvolvidas no próprio corpo, e que trabalham com referências que busca em outras culturas.

Como abandona os trabalhos do palco desde Rito, o registro de sua pesquisa se encontra em poucos vídeos. Agrippino a filma dançando na África e em dois momentos em Arembepe. Duas improvisações integram o filme-documentário Cinema Falado (1986), do músico Caetano Veloso (1942).

No longa-metragem, Stockler aparece improvisando em meio à natureza. Explora a dança livre, desapegada de estruturas formais de coreografia, e com a proposta de um corpo que reage ao espaço e evita o espetáculo, inspirada em dois temas: os elementos da natureza terra e ar.

Na década de 1990, a bailarina se fixa em Paraty, onde realiza estudos sobre florais de Bach e radiestesia, numa busca pela ampliação de canais energéticos e ao encontro da natureza, caminho que observa como perpetuação de seu pensamento em dança.

O trabalho corporal de Maria Esther Stockler tem raízes em sua formação diversa, desde o balé e a ioga, e com foco nas danças modernas, revelando sua proposta de interpretação que foge de escolas ou técnicas formais e reflete sobre a própria existência.

Espetáculos 6

Abrir módulo

Exposições 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 15

Abrir módulo
  • AMARO, André. Documentário resgata obra de José Agrippino de Paula. Rádio Câmara. Programa Trilha das Artes. Disponível em: https://www.camara.leg.br/radio/programas/585684-documentario-resgata-obra-de-jose-agrippino-de-paula/. Acesso em: 2 jun. 2020.
  • APRESENTAÇÃO do Grupo Móbile de Dança Moderna. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 8 dez. 1965.
  • BALÉ pelo Grupo Móbile dia 19 no T. Ruth Escobar. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 14 ago. 1965.
  • FRAGOSO, Myriam Xavier. Dança Moderna para criança e adolescente. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 3 jun. 1966.
  • FRASER, Etty. Etty Fraser. São Paulo: [s.n.], s.d. Entrevista concedida a Rosy Farias, pesquisadora da Enciclopédia Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileira.
  • GIANETTI, Julia Corrêa. A dança marginal de Maria Esther Stockler: um dançar imagético. 2015. Dissertação (Mestrado em Artes da Cena) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2015.
  • MADAZZIO, Irlainy Regina. O Vôo da Borboleta: a obra cênica de José Agrippino de Paula e Maria Esther Stockler. 2005. Dissertação (Mestrado em Artes) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.
  • MEIRELLES, Lucila. Rito do Amor Selvagem. Documentário. Sesc TV, 2019. Disponível em: https://youtu.be/vODvQVAkZW0. Acesso em: 06 jun. 2020.
  • NAVAS, Cássia; DIAS, Linneu. “As Mães da Modernidade”. In: ______. Dança Moderna. São Paulo: Secretaria Municipal de Cultura, 1992.
  • O REI da Vela. São Paulo: Teatro Oficina Uzyna Uzona, [1967]. 1 programa do espetáculo realizado no Teatro Oficina.
  • PAULA, José Agrippino de. Céu Sobre Água. Curta-metragem em Super-8 (1972-1978). Disponível em: https://youtu.be/8eoZulLTgGI. Acesso em: 6 jun. 2020.
  • PAULA, José Agrippino de. Maria Esther: Danças na África. Média-metragem em Super-8 (1972). Disponível em: https://youtu.be/76NRWeWhiwU. Acesso em: 6 jun. 2020.
  • Planilha enviada pelo pesquisador Edélcio Mostaço.
  • TERRON, Joca Reiners. Livro e filme resgatam legado caótico e tropicalista de José Agrippino de Paula. Folha de S.Paulo, São Paulo, 10 set. 2019.
  • UM RITO selvagem de amor para o público de S. Paulo. Folha de S.Paulo, São Paulo, 9 jan. 1970.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: