Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Cláudio Botelho

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 28.08.2017
20.11.1964 Brasil / Minas Gerais / Araguari
Cláudio Botelho (Araguari MG 1964). Diretor, ator, compositor e autor teatral. Um dos nomes mais requisitados na área do teatro musical. Destaca-se por suas versões de musicais americanos e pela criação de espetáculos biográficos de grandes intérpretes da música brasileira.

Texto

Abrir módulo

Biografia
Cláudio Botelho (Araguari MG 1964). Diretor, ator, compositor e autor teatral. Um dos nomes mais requisitados na área do teatro musical. Destaca-se por suas versões de musicais americanos e pela criação de espetáculos biográficos de grandes intérpretes da música brasileira.

Nascido em Minas Gerais, muda-se para o Rio de Janeiro e, em 1983, se forma como ator na CAL - Casa das Artes de Laranjeiras.

Antes de começar a criar seus próprios musicais, Cláudio Botelho integra o elenco de uma série de espetáculos do gênero: Hello Gershwin, de George Gershwin, 1991, De Rosto Colado, de Irvin Berlin, 1993, dirigidos por Marco Nanini; Fred e Judy (As Canções de Fred Astaire e Judy Garland), 1995; Os Fantástikos, de Schmidt & Jones, 1996; Sondheim Tonight - show com as canções do grande gênio da Broadway, Stephen Sondheim; Na Bagunça do Teu Coração, de João Máximo e Luiz Fernando Vianna, 1997. Em 2000, atua em Musicais in Concert - espetáculo comemorativo de 10 anos da dupla Cláudio Botelho e Claudia Netto. Trabalha como ator em vários dos espetáculos de que participa como compositor, diretor ou produtor.

Sobre Na Bagunça do Teu Coração, a crítica Barbara Heliodora escreve em O Globo: "Após cerca de 6 anos de viagem por vários compositores americanos, finalmente Claudia Netto e Cláudio Botelho realizam seu sonho de chegar a um musical de bolso com canções de Chico Buarque (...) O musical de bolso Na Bagunça do Teu Coração (uma história de amor contada pelas canções de Chico Buarque) é mais um passo vitorioso dado a caminho de um teatro brasileiro que faça bom uso de nossa grande riqueza musical (...) com gosto de delicioso ineditismo".¹

Cláudio Botelho estréia como diretor musical em As Malvadas, 1997, um tributo ao repertório das comédias musicadas no espírito do show business, que inclui de Gershwin a Roberto Carlos, com roteiro de Charles Möeller. Em seguida vem O Abre Alas, de Maria Adelaide Amaral, 1998, em que Rosamaria Murtinho vive Chiquinha Gonzaga; Cole Porter - ele nunca disse que me amava, 1999; Um Dia de Sol em Shangrilá, 2001; e Cristal Bacharach, 2004, todos escritos e dirigidos por Möeller.

Como tradutor de musicais, assina Candide, opereta de Leonard Bernstein, 2000, com direção de Jorge Takla; O Fantasma do Teatro, adaptação da obra de Justin Locke, 2002; Tudo É Jazz (The World Goes Round), concebido por Scott Ellis, Susan Stroman e David Thompson, 2004; Lado a Lado com Sondheim, músicas e letras de Stephen Sondheim, 2005; Sweet Charity, de Neil Simon, baseado no filme Noites de Cabíria, de Federico Fellini, encabeçado por Claudia Raia, 2006, todos com direção de Charles Möeller.

A crítica de O Globo, Barbara Heliodora, escreve a respeito de Tudo É Jazz: "Adotando o mesmo critério usado em seu espetáculo sobre Cole Porter, a notória facilidade de Cláudio Botelho para traduzir letras de música é posta para trabalhar, em todos os casos de músicas menos conhecidas (...) que são cantadas em português, e sempre com a surpreendente habilidade de servir o que diz o original, em termos de emoção, humor, ironia ou o que seja".²

Botelho também faz a versão musical de O Beijo da Mulher Aranha, baseado no romance homônimo de Manuel Puig, adaptação de Terrence McNally, 2000; realiza a pesquisa do repertório de Suburbano Coração, de Naum Alves de Souza, 2002; traduz Magdalena, para a primeira montagem brasileira do musical de Heitor Villa-Lobos, 2003; elabora o roteiro e texto de Lupcínio e Outros Amores, 2004.

Recebe os prêmios Sharp de melhor musical por As Malvadas e Mambembe pelo conjunto de seus trabalhos em 1999; Governo do Estado do Rio de Janeiro por Cole Porter, 2000; e Shell 2004 pelas versões para o português do musical Tudo É Jazz! (The World Goes Round), de John Kander e Fred Ebb. O musical Sweet Charity recebe o Prêmio Qualidade Brasil 2006 como melhor espetáculo teatral musical e melhor direção de espetáculo teatral musical para Charles Möeller e Cláudio Botelho.

Em 2007 estréia o musical Sassaricando, de Sérgio Cabral e Rosa Maria Araújo, sob a sua direção cênica e com cenografia de Charles Möeller, espetáculo de sucesso em que 102 marchinhas de carnaval, compostas entre 1920 e 1970, contam a história do Rio de Janeiro.

Notas

1. HELIODORA, Barbara. Desencontros Amorosos em Sintonia. O Globo, 23 jan. 1998.

2. HELIODORA, Barbara. Da Broadway para o Leblon, as décadas de ouro do Jazz. O Globo, 21 jan. 2004.

Espetáculos 70

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 11

Abrir módulo
  • ANUÁRIO de teatro 1994. São Paulo: Centro Cultural São Paulo, 1996. R792.0981 A636t 1994
  • AXION Produtores Associados. Disponível em: [http://www.axion.com.br]. Acesso em: 05/04/2007.
  • BOTELHO, Cláudio. (Dossiê Personalidade Artes Cênicas) Rio de Janeiro: Cedoc/Funarte.
  • BOTELHO, Cláudio. Currículo enviado pelo artista.
  • Company, o Musical. [Rio de Janeiro]: [2001]. Programa do Espetáculo. Não catalogado
  • HELIODORA, Barbara. Da Broadway para o Leblon, as décadas de ouro do Jazz. O Globo, 21 jan. 2004.
  • HELIODORA, Barbara. Desencontros Amorosos em Sintonia. O Globo, 23 jan. 1998.
  • Programa do Espetáculo - Chicago - o musical - 2004. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Cole Porter - Ele Nunca Disse que Me Amava - 2000. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Ópera do Malandro - 2003. Não catalogado
  • UOL. Disponível em: < http://entretenimento.uol.com.br/ultnot/2011/08/10/toda-mulher-esta-procurando-homem-diz-maria-clara-gueiros-que-estreia-musical-as-bruxas-de-eastwick-em-sp.jhtm>. Acesso em :17 de agosto de 2011. Não catalogado

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: