Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Cleide Queiroz

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 14.01.2021
1940 Brasil / São Paulo / Santos
Cleide Eunice Queiroz (Santos, São Paulo, 1940). Atriz e professora de expressão vocal. A experiência de uma década de teatro amador em Santos precede sua longa trajetória profissional nos palcos brasileiros, que inclui musicais, peças infantis e espetáculos de dança, além de participações na televisão e no cinema. Destaca-se pela força de sua p...

Texto

Abrir módulo

Cleide Eunice Queiroz (Santos, São Paulo, 1940). Atriz e professora de expressão vocal. A experiência de uma década de teatro amador em Santos precede sua longa trajetória profissional nos palcos brasileiros, que inclui musicais, peças infantis e espetáculos de dança, além de participações na televisão e no cinema. Destaca-se pela força de sua presença cênica e de sua expressividade vocal.

Antes de iniciar a trajetória artística, Cleide, trabalha como secretária na Santa Casa de Misericórdia de Santos, ao lado da amiga Lizette Negreiros (1940), que a acompanha nos primeiros passos do percurso artístico. Juntas, ingressam no teatro amador em 1954, no Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac), e frequentam cursos gratuitos com encenadores como o polonês Zbigniew Ziembinski (1908-1978), o russo Eugenio Kusnet (1898-1975) e o diretor de teatro Ademar Guerra (1933-1993). O trabalho mais importante dessa fase amadora é uma montagem de A Invasão, de Dias Gomes (1922-1999), dirigida por Afonso Gentil, em 1968, e proibida pela censura do regime militar. 

Novamente juntas, estreiam no teatro profissional em 1969, em companhia do ator Paulo Autran (1922-2007), na peça Morte e Vida Severina, baseada no poema de João Cabral de Mello Neto (1920-1999). Cleide chama a atenção do diretor Silnei Siqueira (1934-2013), por conhecer previamente as canções, e assume o papel da Anunciação da Morte. Além disso, as duas atrizes contrapõem as feições europeias predominantes em uma peça que representa a dor causada pela seca no sertão brasileiro. Bem-sucedido, o espetáculo percorre o país e chega a ter mais de 5 mil espectadores em uma sessão.

Cleide permanece em São Paulo em busca de outros trabalhos e atua em peças como O Comprador de Fazendas (1970), musical dirigido por Dulcina de Moraes (1908-1996). Para enfrentar a falta de personagens para mulheres negras no teatro brasileiro, estuda voz e canto, frequenta aulas de dança em estilos diversos, como sapateado, balé clássico e contemporâneo, e trabalha com teatro infantil.

Em 1977, entra para o corpo de baile do Teatro Popular do Serviço Social da Indústria (TPS), dirigido por Osmar Rodrigues Cruz (1924-2007), com quem realiza um repertório focado em textos brasileiros e musicais, como O Poeta da Vila e Seus Amores (1977), do escritor Plínio Marcos (1935-1999), dedicado ao compositor Noel Rosa (1910-1937), e Chiquinha Gonzaga, Ó Abre Alas (1983), da autora portuguesa Maria Adelaide Amaral (1942). Na década de 1980, faz suas primeiras participações no cinema, em filmes como Pixote, a lei do mais fraco (1980), dirigido por Hector Babenco (1946-2016), e A Hora da Estrela (1985), de Suzana Amaral (1928-2020).

Em 2001, recebe indicação ao Prêmio Shell ao representar Joana, a protagonista da peça Gota d’Água (2001). A construção da personagem se espelha em depoimentos de mulheres vítimas de violência nos rincões do país, “que preferem ver os filhos mortos a passarem fome ou secam o choro com a raiva acumulada dos homens que lhes abandonam”1. O texto, do dramaturgo Paulo Pontes (1940-1976) e do escritor e compositor Chico Buarque (1944), tem direção de Gabriel Villela (1958). Ao tom do expressionismo requerido pelo encenador, Cleide responde com a composição de uma personagem exacerbada e feroz, de postura rígida e voz gutural, cujos olhos se arregalam e o fôlego é arquejante. Recepções críticas celebram a atuação de Cleide, a exemplo do crítico Sérgio Sálvia Coelho (1964), que reconhece uma “vivência profunda de Joana” em meio a “marcações externas e decorativas”2.

Nessa década, a atriz faz outros trabalhos para o cinema, com destaque para Domésticas (2001), dirigido por Fernando Meirelles (1955) e Nando Olival, que lhe rende o prêmio de melhor atriz no Festival de Cinema do Fortaleza, e participa ainda de telenovelas no SBT e na Globo, como A Favorita (2008-2009). 

É escolhida pelo coreógrafo Ismael Ivo (1955) para ser a única atriz entre bailarinos no espetáculo de dança Erêndira (2005), inspirado na obra do escritor colombiano Gabriel García Marquez (1927-2014) e apresentado na Bienal de Veneza daquele ano. O trabalho é retomado em Viena, na Áustria, em 2014, em versão ampliada, com três dezenas de bailarinos com os quais Cleide interage em texto e canto.

Ainda em 2014, integra o elenco de Nas Alturas – um Musical da Broadway, versão brasileira de In the Heights, dirigida por André Dias, como a “abuela” (avó) latina. Sua maturidade artística destaca-se em meio ao elenco jovem.

Em 2017 celebra cinco décadas de carreira profissional com seu primeiro monólogo, Palavra de Stela, dirigido por Elias Andreato (1955). A história de Stela do Patrocínio (1941-1992), poeta internada por 30 anos na Colônia Juliano Moreira com diagnóstico de esquizofrenia, enlaça-se à da mãe biológica da atriz, entre rememorações das alucinações maternas, de episódios alegres e violências sofridas na infância.

Ávida aprendiz, Cleide Queiroz dedica a vida a aperfeiçoar a expressão corporal e vocal para fazer do teatro a sua forma de vida, enfrentando as restrições da discriminação racial com sua intensa presença cênica. A atriz confere expressividade e densidade às personagens, parte significativa delas marcada pelo sofrimento decorrente de exclusões sociais.

 

Notas:

1. SANTOS, Valmir. Medéias sob medida. Folha de S.Paulo, São Paulo, 13 set. 2001. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq1309200106.htm. 

2. COELHO, Sérgio Sálvia. Villela faz da peça uma impostura kitsch. Folha de S.Paulo, São Paulo, 22 set. 2001. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq2209200122.htm.

Espetáculos 4

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 9

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: