Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Fernando Villar

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 18.07.2021
11.07.1959 Brasil / Rio de Janeiro / Petrópolis
Fernando Antônio Pinheiro Villar de Queiroz (Petrópolis, Rio de Janeiro, 1959). Autor, encenador, diretor e professor universitário. O contato com Helena Barcellos e o teatro marca sua graduação em artes plásticas na Universidade de Brasília (Unb)(1979-1983). Em 1981 estreia como iluminador em O Exercício, de John Lewis Carlino, na remontagem de...

Texto

Abrir módulo

Fernando Antônio Pinheiro Villar de Queiroz (Petrópolis, Rio de Janeiro, 1959). Autor, encenador, diretor e professor universitário. O contato com Helena Barcellos e o teatro marca sua graduação em artes plásticas na Universidade de Brasília (Unb)(1979-1983). Em 1981 estreia como iluminador em O Exercício, de John Lewis Carlino, na remontagem de B. de Paiva. Em 1982, inicia carreira de ator em Pequenos Burgueses, dirigido também por B. de Paiva e na adaptação de Guilherme Reis de Pedro e o Lobo, assinando, com Márcia Sant'anna, os figurinos das duas montagens. Em 1983, espetáculos com Hugo Rodas, Lúcia Sander e o Udi Grudi complementam sua formação, antes de estrear como autor, encenador e diretor em Você tem uma caneta azul pra prova?, com o Teatro dos Artistas Plásticos.

A repercussão positiva de Caneta azul atrai diferentes artistas da dança, performance e teatro de Brasília que participam de sua segunda peça, Vidas Erradas, ou Pode Vir Que Não Morde (1984). O "fenômeno cultural brasiliense"1 muda o nome de Teatro dos Artistas Plásticos para Grupo Vidas Erradas, com montagens que surpreendem pelo "grande afluxo de espectadores e quase unanimidade de opiniões positivas"2, e que marca a década como "o mais atirado grupo de teatro da cidade."3

Na segunda metade da década, Fernando Villar tem aulas de teatro e dança com Hugo Rodas e mantém um grupo de contato-improvisação com Tica Lemos, Cláudia Trajano e Sérgio Ulhoa. Em 1990 Fernando segue para Inglaterra para especialização em direção no Drama Studio London.

Na volta para Brasília, concebe e dirige Medeações (1992), primeiro trabalho do Teatro Universitário Candango (Tucan), da UnB, onde inicia carreira docente em 1993. Durante essa década, a maioria de suas montagens como ator, autor e/ou diretor são realizadas com o Tucan, ou na Europa. Em 1993 como professor visitante na University of Manchester, concebe e dirige projectØphelia, que remonta com o Tucan, em Brasília, no mesmo ano. Em 1994 volta a Londres para dirigir a primeira montagem profissional inglesa de Nelson Rodrigues, A Kiss in the Gutter (O beijo no asfalto), que estreia no Festival de Edimburgo, antes da temporada londrina. Retorna a Londres para o doutoramento na University of London (1996-2000), ao longo do qual concebe The Key to Hell, livre adaptação de HQ de Neil Gaiman, que Fernando dirige com Mônica Luni, em Oslo, em 1999 e 2000, em uma garagem de bondes abandonada, com atores e não atores de três diferentes continentes. The Key to Hell é considerada pelo Klasse Kampen, como uma das melhores montagens do teatro experimental na Noruega em 1999.4

No retorno ao Brasil em 2001, desenvolve novos trabalhos com o Tucan e com outros grupos e artistas da cidade. Durante essa década investe na visibilidade nacional do Departamento de Artes Cênicas da UnB e na pesquisa e pós-graduação em Arte.5 Em 2007, é professor visitante na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), quando, em disciplina da pós-graduação, roteiriza abstract3F28hamlet, que dirige com Renato Ferracini e Verônia Fabrini. No mesmo ano, cria na UnB o Laboratório Interdisciplinar de Investigação e Ação Artística (LIIAA), que mantêm os grupos CHIA, LIIAA! e Chia Lia Jr., uma parte de sua produção artística intensa com coletivos, eventos e universidades em todas as regiões brasileiras.

Análise

Para o crítico Severino Francisco, "Fernando Villar tem a pulsão da invenção, os saques, a intuição, o senso de espetáculo, a capacidade de tirar surpresas da cartola."6 A narrativa acelerada, fragmentada mas estruturada, pode ser vista em todos os trabalhos de Villar à frente do Grupo Vidas Erradas, servindo como uma crítica pertinente e contemporânea às mudanças comportamentais e de valores que ocorrem com a inserção de novas mídias no cotidiano brasileiro. Segundo Francisco, João e Maria, uma história de verdades e mentiras (1985-1988) exemplifica a estética contestadora de Villar, em "um vídeo-clip teatral em busca de sintonia com a percepção vertiginosa das crianças formadas na era eletrônica, uma fábula cênica com a mira em dois mitos quase indivisíveis: o da visão adulta convencional e o do clichenês teatral infantil que codifica e reforça estes mitos."7

As artes plásticas, o cinema, a televisão, a dança, a música e a performance art influenciam muito as encenações, dramaturgia e direção de Villar. Na década de 1990, nota-se o trabalho ainda mais minucioso com o elenco, com estados emocionais, com a palavra e o texto bem ditos. O experimentalismo da década anterior mantém-se nas décadas seguintes, assim como amplia-se sua indisciplinaridade artística, fortalecida pelo aprofundamento no doutorado sobre interdisciplinaridades artísticas no teatro contemporâneo, levantando hipóteses que Fernando resolve com o uso da produção ímpar do grupo barcelonês La Fura dels Baus, nos anos 1980.

A ação, a imagem, o ritmo e o movimento nas encenações de Fernando prevalecem sobre qualquer "textocentrismo", mesmo em peças em que a fala direta com a plateia permeia todo o espetáculo, como em Medeações, Adeus Inglaterra/Farewell England (1991-1993), Trajetória "X" (2010) ou em Ivan e os Cachorros (2011). Em Adeus Inglaterra, em sua abordagem sobre ser estrangeiro, pode-se ver que "uma simples cadeira pode ser o pretexto para certa coreografia em que a necessidade de decifrar o que nos é estranho é exibida e tematizada."8 No Brasília Cena Contemporânea de 2011, sua direção para Ivan e os Cachorros é comentada pelo site do festival internacional, como "montagem inovadora."9

Ivan é traduzido e dirigido por Fernando, com elenco e equipe de encenação paulistanos e participação de integrantes do CHIA, LIIAA! em 77 offs que permeiam o solo. O coletivo brasiliense tem como objetivo a montagem de somente peças inéditas no Brasil, que discutam temas contemporâneos instigantes, encenando autores como Mariano Pensotti, Caryl Churchill e Hattie Naylor, em estreias nacionais de Laura (2007-2009); Coração Partido (2009) e Ivan e os Cachorros, respectivamente. Em 2010, Fernando escreve e encena com o grupo, Trajetória "X" (2010-11), com base na pesquisa do Grupo Violes (Serviço Social/UnB), sobre exploração sexual de crianças e adolescentes no centro da capital.10

Em suas obras, a forma materializa conteúdos nos quais a aventura humana e a contemporaneidade são analisadas e criticadas, em defesa da diversidade e com o ataque bem humorado, ou ácido, ao sexismo, classismo, racismo e outros preconceitos que questionam nossa civilidade. Mesmo reconhecendo um possível anacronismo de parte da produção teatral contemporânea no império da internet, Fernando Villar celebra a marginalidade do teatro como positiva, por ser alternativa à deturpação midiática e às manipulações da informação que emperram a cultura brasileira. Para ele, o teatro "é fonte inesgotável de possibilidades, é uma linguagem plural, com forte potencial para provocar reflexão"11 e transformação.

Na UnB, Fernando leciona disciplinas de interpretação, encenação, direção e projetos de diplomação, antes de focar-se exclusivamente em interpretação e processos criativos a partir de 2001. Nas fases iniciais dos cursos, dedica-se ao embasamento técnico e criativo do intérprete, mesclando dança, música, Shakespeare e obras contemporâneas. Aborda o teatro performance com turmas intermediárias, e na pós-graduação, investiga práticas cênicas contemporâneas.

A coreógrafa e professora Silvia Geraldi descreve Fernando "como autor diretor, encenador e performador [que] investiga o teatro contemporâneo e suas manifestações interdisciplinares [...] e os diferentes desdobramentos ligados à ação corporal testemunhada."12 Sobre as suas aulas, Geraldi conta "que as intervenções de Fernando Villar eram interdisciplinares ou híbridas por excelência, caracterizando-se tanto pela pluralização das técnicas empregadas nos laboratórios, quanto pela abundância de referências, conteúdos, motivações que ele nos apresentava (indo desde fragmentos coreográficos Bauschianos até estímulos sonoro-musicais e letimotives biográficos)."13 Geraldi ressalta também o uso de improvisações e jogos, de  "poesias pessoais a partir da fricção de universos pessoais e hamletianos" e "a intensidade da corporalidade nesse tipo de processo. O emprego de procedimentos característicos de outras formas interdisciplinares, originárias de tempos/espaços diversos (a colagem/assemblage; as jigs)14 foi recurso amplamente utilizado por Villar."15

Para o jornalista Sergio Maggio, o diretor tem "espetáculos antológicos" e também "transformou-se em um conceituado pesquisador teatral, um estudioso da performance e uma referência internacional no estudo de novas teatralidades."16 A pesquisadora e professora Sílvia Fernandes lista Fernando entre realizadores de "um novo tipo de escrita cênica" contemporânea, que o teórico alemão Hans-Thyes Lehmann denomina de teatro "pós-dramático".17 Segundo Fernando Marques, Villar "realiza verdadeiros quadros vivos e móveis, de forte impacto visual, buscando com o auxílio também indispensável da música, o uso mínimo possível da palavra verbal. Assim, estabelece o trinômio que serve de base para seu processo criativo: verdade, beleza e simplicidade."18

Notas

1. GUERRA, Kido. Um fenômeno cultural brasiliense. Correio Braziliense, Brasília, 16 de jun.1984, p.19.

2. Idem.

3. FRANCISCO, Severino. O caso Greta/ Crítica. Correio Braziliense, Brasília, 9 de set.1987, p.25.

4. HOLVIK, Sigurd Ofstad. Rundtur i Helvete. Klasse Kampen, 09 de nov. 1999, p.13. O tabloide é o segundo maior jornal da Noruega.

5. Em 2001 associa-se à Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas (Abrace) e é escolhido para ser o vice-coordenador de Renato Cohen no Grupo de Trabalho Territórios e Fronteiras. Em 2002 passa a integrar o Mestrado em Arte Contemporânea do Departamento de Artes Visuais da UnB. Coordena o GT Territórios e Fronteiras, de 2003 a 2008. Integra a direção da Abrace de 2003 a 2010. É do Conselho Editorial de oito publicações artístico-científicas brasileiras, organiza três livros, entre os quais, o Histórias do Teatro Brasiliense (2004) com seu ex-orientando Eliezer Faleiros de Carvalho, e tem várias publicações em livros e periódicos a partir de 1999, com seu primeiro artigo na Romance Quarterly estadunidense.

6. FRANCISCO, Severino. O caso Greta/ Crítica. Correio Braziliense, Brasília, 9 de set. 1987, p.25.

7. FRANCISCO, Severino. João e Maria, história de verdade e mentiras. Correio Braziliense, Brasília, 4 de maio 1985, p.21.

8. MARQUES, Fernando. Um brasileiro na terra de Shakespeare. Correio Braziliense, Brasília, 15 abr. 1993, p.1, capa, Correio Dois.

9. A montagem inovadora de Ivan e os Cachorros. Cena Contemporânea. Festival Internacional de Teatro de Brasília. Disponível em: http://www.cenacontemporanea.com.br/2011/?p=1037. Acesso em: 27 nov. 2011.

10. O Violes é um grupo de pesquisa coordenado pela professora Maria Lúcia Leal do Departamento de Serviço Social da UnB. Como alternativa à apresentação de pesquisas em artigos e conferências, ela convida Fernando a encenar a pesquisa do Violes, A trajetória social de crianças e adolescentes em situação de exploração sexual, na Rodoviária e Setor Comercial Sul (2008-2009). O espetáculo abre o Seminário Nacional sobre Exploração Sexual no Museu Nacional de Brasília e apresenta-se em Brasília e no 24º. Festival Internacional de Teatro Universitário de Blumenau em 2011, com Prêmio de melhor ator para Pedro Lima Silveira. O espetáculo resultante se desdobra na outra versão, Trajetória "X -1" (2012) e na peça curta Trajetória "PL" (2012). No mesmo ano, Trajetória "PL" recebe o Prêmio de Melhor Tratamento de Temática Contemporânea na Cena, no Festival Breves Cenas 4, no Teatro Amazonas em Manaus.

11. SALUSTIANO, Mariana. Entrevista de Fernando Villar. Cena Candanga. Disponível em: http://cenacandanga.blogspot.com.br/search/label/Fernando%20Villar. Acesso em: 20 jun.2009.

12. GERALDI, Sílvia Maria. O estado de ser e não ser das artes performativas contemporâneas. Revista Científica/FAP, jan./dez. 2008, v.3, p.185-199, p.192.

13. Idem, p.194.

14. Segundo Geraldi, as "jigs eram performances típicas do período elisabetano, bastante populares, compostas por improvisos que misturavam dança, música e atuação; aconteciam ao final das apresentações teatrais principais", com deboche e constantes comentários políticos ou religiosos (p.195).

15. GERALDI, Sílvia Maria. O estado de ser e não ser das artes performativas contemporâneas. Revista Científica/FAP, jan./dez. 2008, v.3, p.194-195.

16. MAGGIO, Sérgio. Muito Prazer, Fernando Villar. Criador sem fronteiras. Correio Braziliense, Brasília, 28 de ago. 2011, p.5.

17. FERNANDES, Sílvia. Teatros Pós-Dramáticos. In GUINSBURG, J. e FERNANDES, S. (orgs.). O Pós-Dramático. São Paulo: Perspectiva, 2009, p.23-24.

18. MARQUES, Fernando. Um brasileiro na terra de Shakespeare. Correio Braziliense, Brasília, 15 de abr. 1993, p.1, capa do Correio Dois.

Eventos relacionados 25

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 16

Abrir módulo
  • A montagem inovadora de Ivan e os Cachorros. Cena Contemporânea. Festival Internacional de Teatro de Brasília. Disponível em: <http://www.cenacontemporanea.com.br/2011/?p=1037>. Acesso em: 27 nov. 2011.
  • FERNANDES, Sílvia. Teatros Pós-Dramáticos. In GUINSBURG, J. e FERNANDES, S. (orgs.), O Pós-Dramático. São Paulo: Perspectiva, 2009.
  • FESTIVALCULTURAINGLESA. São Paulo. Disponível em: < http://festival.culturainglesasp.com.br/ivan-e-os-cachorros/231 >. Acesso em : 30 de maio de 2011.
  • FRANCISCO, Severino. João e Maria, história de verdade e mentiras. Correio Braziliense, Brasília, 4 de maio 1985, p. 21.
  • FRANCISCO, Severino. O caso Greta/ Crítica. Correio Braziliense, Brasília, 9 de set. 1987. p.25.
  • GERALDI, Sílvia Maria. O estado de ser e não ser das artes performativas contemporâneas. Revista Científica/FAP, jan./dez. 2008, v. 3, pp. 185-199.
  • GUERRA, Kido. Um fenômeno cultural brasiliense, Correio Braziliense, Brasília, 16 de jun. 1984, p. 19.
  • HOLVIK, Sigurd Ofstad. Rundtur i Helvete. Klasse Kampen, Oslo, Noruega, 09 de nov. 1999, p. 13.
  • Hugo Rodas. Brasilia: Editora ARP, 2010.
  • MAGGIO, Sérgio. Muito Prazer, Fernando Villar. Criador sem fronteiras. Correio Braziliense, Brasília, 28 de ago. 2011, p. 5.
  • MARQUES, Fernando. Um brasileiro na terra de Shakespeare. Correio Braziliense, Brasília, 15 de abr. 1993, p. 1, capa, Correio Dois.
  • Planilha enviada pela pesquisadora Julia Alves Carvalhal.
  • QUEIROZ, Fernando Antonio Pinheiro Villar de. Currículo do sistema currículo Lattes. [Brasília], s.d. Disponível em: < http://lattes.cnpq.br/4514248138876111 >. Acesso em: s.d.
  • SALUSTIANO, Mariana. Entrevista de Fernando Villar. Cena Candanga. Disponível em: <http://cenacandanga.blogspot.com.br/search/label/Fernando%20Villar>. Acesso em: abr. 2012.
  • VILLAR, Fernando Pinheiro e CARVALHO, Eliezer Faleiros de (orgs.). Histórias do teatro brasiliense. Brasília: Artes Cênicas - IdA/UnB, Brasília, 2004.
  • VILLAR, Fernando. Fernando Villar. Brasília: [s.n.], 2011. Entrevista concedida a Júlia Júlia Alves Rodrigues Carvalhal.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: