Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Patrícia Melo

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 18.01.2017
1962
Patrícia Melo (Assis, São Paulo, 1962). Romancista, roteirista, dramaturga, contista. Nos anos 1980, trabalha na televisão como roteirista para a Rede Globo e para a Rede Bandeirantes, emissora para a qual escreve a novela Colônia Cecília (1989). A convite do diretor Walter Avancini (1935-2001), muda-se para Lisboa e roteiriza a novela A Banquei...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Patrícia Melo (Assis, São Paulo, 1962). Romancista, roteirista, dramaturga, contista. Nos anos 1980, trabalha na televisão como roteirista para a Rede Globo e para a Rede Bandeirantes, emissora para a qual escreve a novela Colônia Cecília (1989). A convite do diretor Walter Avancini (1935-2001), muda-se para Lisboa e roteiriza a novela A Banqueira do Povo (1993), produção do canal estatal português RTP. Também escreve roteiros para cinema.

Em busca de trabalhos autorais, persegue o caminho da criação literária em Acqua Toffana (1994), reunião de duas novelas policiais, editada pela Companhia das Letras. Pela mesma editora, publica o primeiro romance, O Matador (1995), pelo qual recebe prêmios na França e na Alemanha e reconhecimento de crítica e público no Brasil. O livro é adaptado para o cinema pelo escritor Rubem Fonseca (1925) com o título de O Homem do Ano (2003). Recebe o Prêmio Jabuti pelo romance Inferno (2000) e estreia no teatro com Duas Mulheres e um Cadáver (2000).

Pesquisas sobre os bastidores de uma orquestra sinfônica fornecem material para o romance Valsa Negra (2003). Casa-se com o maestro John Neschling (1947). Publica Mundo Perdido (2006) e Jonas, o Copromanta (2008), em que transforma o escritor Rubem Fonseca (1925) em personagem. Em meados de 2010, estabelece residência em Lugano, Suíça. A partir de um conto do autor escocês Robert Louis Stevenson (1850-1894), escreve Ladrão de Cadáveres (2010). A obra recebe o prêmio LiBeraturpreis, concedido pela Feira do Livro de Frankfurt.

Análise
Para abarcar o universo romanesco presente na obra Patrícia Melo, é preciso compreender o desenvolvimento da literatura urbana no Brasil a partir da década de 1960 e a contribuição do escritor Rubem Fonseca nesse cenário. É visível a influência do autor de Os Prisioneiros (1963) e Feliz Ano Novo (1975) sobre os textos de Patrícia Melo. Aparece na construção dos enredos, na composição das personagens e no estilo de escrita da autora. Esse jogo de intertextualidade atinge o ápice em Jonas, o Copromanta, em que Rubem Fonseca é uma das obsessões do narrador.

Apesar do parentesco literário, Patrícia Melo compõe para si uma dicção própria. Apoiados na representação da  realidade social do país nos anos 1990, elementos fundamentais em seus escritos podem ser identificados em O Matador. O livro narra a história de Máiquel, um jovem da periferia de São Paulo que se torna matador profissional, querido pelos vizinhos e pela polícia. O ambiente violento combina-se a uma narrativa em primeira pessoa, que mistura referências discursivas da publicidade, das manchetes jornalísticas, do cinema e do rap. A prosa é aberta ao coloquialismo, ao vocabulário chulo e à gíria. A obra de Patrícia Melo insere-a no panorama das tendências da literatura brasileira atual, e suas chamadas “narrativas da violência” são cultivadas por autores tão diversos como Paulo Lins (1958), Marçal Aquino (1958), Zuenir Ventura (1931), Fernando Bonassi (1962).

Espetáculos 7

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 10

Abrir módulo
  • ARRIGUCCI JR., Davi. Jornal, realismo, alegoria: o romance brasileiro recente. In: ______. Achados e Perdidos: ensaios de crítica. São Paulo: Polis, 1979.
  • CANDIDO, Antonio. A nova narrativa. In: ______. A Educação pela Noite. 5.ed. Rio de Janeiro: Ouro Sobre Azul, 2006.
  • CHIARETTI, MARCO. Patrícia Melo retrata o ‘crime artístico’. Folha de S.Paulo, São Paulo, 11 jun. 1994. Ilustrada. Disponível em: < http://www1.folha.uol.com.br/fsp/1994/6/11/ilustrada/21.html >. Acesso em: 14 dez. 2015.
  • MACHADO, Cassiano Elek. Sinfonia do adeus. Folha de S.Paulo, 13 ago. 2003. Ilustrada. Disponível em: < http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq0308200312.htm >. Acesso em: 4 dez. 2015.
  • PELLEGRINI, Tânia. A ficção brasileira hoje: os caminhos da cidade. Revista de Filología Románica, Madrid, 19, p. 355-370, 2002.
  • PELLEGRINI, Tânia. As vozes da violência na cultura brasileira contemporânea. Revista Crítica Marxista, Rio de Janeiro, p. 132-153, 2005.
  • Planilha enviada pelo pesquisador Márcio Freitas.
  • ROSA, Cecília Mariano. Personagens Marcadas pela Violência em Acqua Toffana e O Matador, de Patrícia Melo. 111 f. Tese (Mestrado História da Literatura) – Universidade Federal do Rio Grande (Furg), Rio Grande, 2009.
  • VOLPATO, Cadão. A voz humana. Folha de S.Paulo, São Paulo, 29 nov. 2009. Serafina. Disponível em: < http://www1.folha.uol.com.br/fsp/serafina/sr2911200904.htm >. Acesso em: 4 dez. 2015.
  • ZILBERMAN, Regina. Literatura brasileira contemporânea – A busca da expressão nacional. Anos 90 – Revista de Pós-Graduação em História (UFRGS), Porto Alegre, v. 2, n. 2, p. 61-76, maio 1994.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: