Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Carlos Arthur Thiré

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 10.08.2022
09.10.1917 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
11.03.1963 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Carlos Arthur Thiré (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1917 - idem, 1963). Artista plástico, quadrinista, cenógrafo. Apesar da formação em Direito, direciona sua trajetória profissional para as artes se destacando no universo dos quadrinhos e da cenografia.

Texto

Abrir módulo

Carlos Arthur Thiré (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1917 - idem, 1963). Artista plástico, quadrinista, cenógrafo. Apesar da formação em Direito, direciona sua trajetória profissional para as artes se destacando no universo dos quadrinhos e da cenografia.

Inicia sua carreira colaborando, de 1936 a 1940, no Suplemento Juvenil do jornal carioca A Noite, em que publica diversas histórias em quadrinhos. Nessas produções, introduz um dos seus principais personagens de HQs, o ladrão Raffles. Para o editor Naumim Aizen, o traço de Thiré, “simples mas elegante, fino e requintado, tornou-o um dos desenhistas mais apreciados daquele período”. 

Em 1947, viaja para a Europa onde estuda pintura com André Lhote (1885-1962). Durante sua passagem pelo continente, expõe desenhos na Galeria du Dragon em Paris, na França. De volta ao Brasil em 1948, apresenta suas obras no Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB-RJ), no Rio de Janeiro, e na Sociedade dos Amigos da Arte, em São Paulo. Em 1950, expõe desenhos e pinturas a óleo no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM-SP).

Além da carreira como quadrinista, se destaca como cenógrafo e figurinista em peças como Um Deus dormiu lá em casa (1949), pela qual foi eleito melhor cenógrafo do ano pela Associação Brasileira de Críticos Teatrais (ABCT), e Helena fechou a porta (1950), ambas estreladas por Tônia Carrero (1922-2018), sua então esposa.

Demonstrando seu interesse por múltiplas linguagens, trabalha como diretor nos longas Nadando em Dinheiro (1952), em parceria com Abílio Pereira de Almeida (1906-1977), e Luz Apagada (1953), os dois filme pela Companhia Cinematográfica Vera Cruz. Na televisão, dirige programas de auditório e variedades na TV Tupi e na TV Rio.

Obras 1

Abrir módulo

Espetáculos 8

Abrir módulo

Exposições 2

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo
  • 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989. R703.0981 P818d
  • AIZEN, Naumim. Alguns desenhistas brasileiros do “Suplemento juvenil”. Folha de S. Paulo, São Paulo, 11 mar. 1984. Folhetim, p. 8-9.
  • CARVALHO, Tânia. Tônia Carrero: movida pela paixão. São Paulo: Imprensa Oficial, 2009. 276 p. (Coleção Aplauso).
  • INTERNET Movie Database (IMDb). Disponível em: https://www.imdb.com/name/nm0858251/?ref_=nmbio_bio_nm. Acesso em: 29 ago. 2022.
  • LAUS, Harry. Desaparece Carlos Thiré. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 14 mar. 1963. Caderno B, p. 2.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: