Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Ademar Manarini

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 23.05.2017
05.04.1920 Brasil / São Paulo / Campinas
12.04.1989 Brasil / São Paulo / São Paulo
Iara Venanzi/Itaú Cultural

Sem Título, 1950
Ademar Manarini
Gelatina e prata sobre papel

Ademar Heitor Manarini (Campinas, São Paulo, 1920 – São Paulo, São Paulo, 1989). Fotógrafo, industrial. Premiado em concurso oferecido pela Companhia Melhoramentos no fim da década de 1940, Manarini aprofunda seu interesse pela fotografia na década seguinte. Associa-se ao Foto Cine Clube Bandeirantes (1939), centro da fotografia experimental que...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Ademar Heitor Manarini (Campinas, São Paulo, 1920 – São Paulo, São Paulo, 1989). Fotógrafo, industrial. Premiado em concurso oferecido pela Companhia Melhoramentos no fim da década de 1940, Manarini aprofunda seu interesse pela fotografia na década seguinte. Associa-se ao Foto Cine Clube Bandeirantes (1939), centro da fotografia experimental que promove panorama da produção da fotografia local e mundial por meio de publicações como a Revista Boletim do Foto Cine Clube Bandeirante (1946-1981), editada em São Paulo.

Nos anos 1950, filia-se ao movimento Escola Paulista, cujo interesse é a pesquisa geométrica na formação das imagens e a decodificação do processo fotográfico. Em 1953, como integrante do grupo Ruptura, coordenado por Waldemar Cordeiro (1925-1973), participa da 2a Bienal Internacional de São Paulo, no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM/SP). Nesse mesmo ano, na Argentina, recebe por sua obra fotográfica o prêmio Homenagem a Alejandro C. Del Conte. Em 1954, seus trabalhos são expostos pela pela primeira vez em uma  mostra individual no MAM/SP, organizada em colaboração com o Foto Cine Clube Bandeirante.

Em 1960, funda com o pai a empresa Equipesca, precursora na pesquisa de matérias-primas e tecnologia na confecção de redes para a indústria pesqueira. O logotipo da empresa é desenvolvido em 1957 pelo colega do Grupo Ruptura, Alexandre Wollner (1928). A partir de 1962, Manarini passa a viver em Campinas, onde funda, em 1970, a empresa Equilab, pioneira no desenvolvimento de culturas de orquídeas por micropropagação a partir de biotecnologia vegetal.

Em 1985, o Museu da Imagem e do Som de São Paulo (MIS/SP) organiza a retrospectiva Manarini, 35 Anos de Fotografia. Em 1989, recebe o título de sócio-honorário do Foto Cine Bandeirante e, na década de 1990, o designer e professor universitário Freddy van Camp (1946) organiza textos críticos no livro Ademar Manarini: fotografia (1992).

Análise 

Antes dos anos 1950, a tradição fotográfica no Brasil organiza-se em duas grandes vertentes: a foto documental, que registra a informação histórica das transformações sofridas pelas cidades, e o pictorialismo, que pretende aproximar a fotografia das artes, especialmente da pintura.
O trabalho de Ademar Manarini deve ser percebido no contexto dos fotoclubes, associações organizadas para a divulgação de fotografia em termos técnicos e subjetivos. Organizam cursos, palestras, salões, exposições e concursos, além de editar revistas. O Foto Cine Clube Bandeirante (FCBB) é um dos mais antigos, fundado em 1939, em São Paulo, com atuação reconhecida na formação dos fotógrafos chamados “modernos”. Ele abriga a Escola Paulista, denominação da crítica da época para o grupo de fotógrafos foto clubistas a que Manarini associa-se a partir de 1952. 

Profissionais liberais adotam a fotografia como modo de expressão artística. Empresário com sólida formação e repertório cultural, Manarini é um dos pioneiros do Foto Cine Clube Bandeirante com outros fotógrafos de áreas variadas. Entre eles, o engenheiro José Oiticica Filho (1906-1964), o bacharel em contabilidade German Lorca (1922), engenheiro civil José Yalenti (1895-1967) e o advogado Eduardo Salvatore (1914-2006). 

A estreita relação entre o Foto Cine Clube Bandeirante e os museus paulistas possibilita que artistas veiculem seus trabalhos em exposições. Em 1953, Manarini participa com alguns trabalhos na Mostra Especial de Fotografias da 2a Bienal Internacional de São Paulo. O diretor da Bienal, Wolfgang Pfeiffer (1912-2003), escreve sobre a estranheza que as fotos causam no público: “o espírito de modernidade, até com a apresentação de formas absolutas, sem muito comprometimento com o público, que até então não estava habituado à leitura de obras desse tipo”1.

Os fotógrafos da Escola Paulista interessam-se pela construção geométrica na composição de suas imagens, que se intensifica em experimentações formais e intervenções no processo laboratorial. Renovam conceitos de estilo, composição e temática – além da geometria-abstrata, incluem as transformações percebidas no espaço público da cidade. Manarini adota como fundamental referência para as questões técnicas a obra Fotoformas (1940-1950), de Geraldo de Barros (1923-1998). Neste trabalho, o artista usa a técnica de alocar objetos reais no fotograma no momento em que o filme fotográfico é sensibilizado no laboratório. Essas interferências fazem a fotografia prescindir do registro de uma cena – ela é construída a partir da ação do artista no material fotográfico. A multiexposição do negativo também é recorrente na obra de Manarini, que pausa suas atividades artísticas durante a meados da década de 1970 para retomá-las quinze anos depois, em série que investiga as formas orgânicas das plantas, em especial as orquídeas, interesse também refletido nos negócios.

Ademar Manarini produz mais de 5 mil imagens. Uma seleção de seus trabalhos é adquirida em 2016 pelo Museu de Arte Moderna (MoMA), de Nova York, e faz parte do acervo Itaú Cultural.

Nota

1 PFEIFFER, Wolfgang. Apresentação. In: CAMP, Freddy Van (Org.). Ademar Manarini: fotografia. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura, 1992, p. 3.

 

Obras 8

Abrir módulo
Iara Venanzi/Itaú Cultural

In Extremis

Gelatina e prata sobre papel
Iara Venanzi/Itaú Cultural

Janelas II

Gelatina e prata sobre papel
Reprodução fotográfica João L. Musa/Itaú Cultural

Sem Título

Tinta mineral sobre papel de algodão
Iara Venanzi/Itaú Cultural

Sem Título

Gelatina e prata sobre papel

Exposições 20

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 11

Abrir módulo
  • CAMP, Freddy Van (Org.). Ademar Manarini: fotografia. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura, 1992.
  • COSTA, Helouise, RODRIGUES, Renato. A fotografia moderna no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. da UFRJ, 1995.
  • COSTA, Helouise, RODRIGUES, Renato. A fotografia moderna no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. da UFRJ, 1995.
  • COSTA, Helouise. Da fotografia como arte à arte como fotografia: a experiência do Museu de Arte Contemporânea da USP na década de 1970. Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, São Paulo, v. 16, n. 2, jul.-dez. 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-47142008000200005.
  • GALERIA Aquarela Arte Contemporânea. Campinas : Galeria Aquarela Arte Contemporânea, 1991. il. color.
  • GIANINNI, Alessandro. SP-Arte/Foto abre ao público “no limite” do seu tamanho. O Globo, Rio de Janeiro, 26 ago. 2016. Disponível em: <http://oglobo.globo.com/cultura/artes-visuais/sp-artefoto-abre-ao-publico-no-limite-de-seu-tamanho-19989397 >. Acesso em: abril 2017.
  • HERKENHOFF, Paulo. Ademar Manarini – A fotografia entre o símbolo e o signo. In: CAMP, Freddy Van (Org.). Ademar Manarini: fotografia. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura, 1992. p. 9.
  • LIMA, Heloisa E. Rodrigues. Fotoformas: a máquina lúdica de Geraldo de Barros. Dissertação (Mestrado) – Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.
  • MANARINI, Ademar, VAN CAMP, Freddy (org. ). Ademar Manarini : fotografia. Tradução Aglen Mclauchlan e Katie Van Scherpenberg; comentário Wolfgang Pfeiffer, Paulo Herkenhoff, Heládio Brito. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura, 1992. 128p. , fotos p. b. color.
  • RODRIGUES, Meg. Um postal para um amigo. Disponível em: < https://umpostalparaumamigo.blogspot.com.br/2011/05/ademar-manarini.html >. Acesso em: abril 2017.
  • SOARES. Carolina Coelho. Coleção Pirelli-Masp de Fotografia: fragmentos de uma memória. Dissertação (Mestrado em Artes Plásticas) – Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: