Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Emílio Moura

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
14.08.1902 Brasil / Minas Gerais / Dores do Indaiá
28.09.1971
Emílio Guimarães Moura (Dores do Indaiá MG, 1902 - Belo Horizonte MG, 1971). Forma-se bacharel, em 1928, pela Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais, em Belo Horizonte. Desde 1924 integra o grupo de A Revista, primeiro órgão modernista mineiro, com Carlos Drummond de Andrade (1902 - 1987), João Alphonsus e Pedro Nava (1903 ...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Emílio Guimarães Moura (Dores do Indaiá MG, 1902 - Belo Horizonte MG, 1971). Forma-se bacharel, em 1928, pela Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais, em Belo Horizonte. Desde 1924 integra o grupo de A Revista, primeiro órgão modernista mineiro, com Carlos Drummond de Andrade (1902 - 1987), João Alphonsus e Pedro Nava (1903 - 1984), entre outros. Entre 1928 e 1931 colabora nos jornais Diário de Minas, Estado de Minas, A Tribuna e Minas Gerais. Do início dos anos de 1930 a meados da década de 1940 é professor de Literatura Brasileira da Faculdade de Filosofia da UFMG, além de fundador, diretor e professor catedrático de História das Doutrinas Econômicas, da Faculdade de Ciências Econômicas da mesma universidade. Na época também exerce os cargos de diretor do Departamento de Ensino da Secretaria da Educação do Estado, secretário do Conselho Administrativo do Estado, diretor da Imprensa Oficial do Estado e secretário do Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais. Seu primeiro livro de poesia, Ingenuidade, é publicado em 1931. Seguem-se Canto da Hora Amarga (1936), Cancioneiro, 1944/1945 (1945), Poemas (1949), O Instante e o Eterno (1953), Itinerário Poético (1969), entre outros. A poesia de Emílio Moura filia-se à segunda geração do Modernismo. Sobre ela, escreve o crítico Fábio Lucas: "Sua lírica empenha-se na mescla da mulher amada com o mito e na formalização do mito em poesia. Sonho, mulher e mito alimentam a expressão dramática do poeta, no sofrido tributo de captar a amada ausente".

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: