Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Alice Miceli

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 20.02.2019
25.03.1980 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Reprodução fotográfica Amilcar Packer

Strange Fruit, 2005
Alice Miceli

Alice Miceli Araújo (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1980). Videoartista e fotógrafa. Em 2001, forma-se em artes e mídias eletrônicas na Ecole Supérieure d’Études Cinématographiques de Paris (Esec). Em 2003, ingressa no Grupo de Estudos e Discussão de Projetos do professor Charles Watson (1951), na Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Entre 2...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Alice Miceli Araújo (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1980). Videoartista e fotógrafa. Em 2001, forma-se em artes e mídias eletrônicas na Ecole Supérieure d’Études Cinématographiques de Paris (Esec). Em 2003, ingressa no Grupo de Estudos e Discussão de Projetos do professor Charles Watson (1951), na Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Entre 2004 e 2005, realiza residência artística na Cable Factory, em Helsinque, na Finlândia, como bolsista do programa Unesco/Aschberg Bursaries for Artists/Hiap.

Em 2005, seu vídeo 88 de 14.000 – com imagens de 88 entre os 14 mil mortos numa prisão de extermínio do Camboja sob o regime do Khmer Vermelho, na década de 1970 – é selecionado como finalista do Transmediale/International Media Art Festival (Berlim). Desde então, Miceli tem participado de dezenas de exposições coletivas no Brasil e no exterior, incluindo: Festival VideoBrasil (2005 e 2007); Festival Videoformes, em Clermont-Ferrand, França (2005); Documenta de Kassel (2007); Sidney Film Festival (2008); mostra Nova Arte Nova, no Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB), no Rio de Janeiro (2008); e Mediations Biennale, em Poznan, na Polônia (2012).

Em 2007, muda-se para Berlim a fim de se dedicar ao Projeto Chernobyl, que se estende até 2010. Realizado na zona de exclusão da usina nuclear soviética que explodiu em 1986, o projeto inclui imagens captadas por dispositivos sensíveis à radiação gama do ambiente, especialmente desenvolvidos pela artista. O projeto, um dos vencedores do 6º Prêmio Sérgio Motta de Arte e Tecnologia (2005-2006), rende a Miceli sua primeira participação na Bienal de São Paulo (2010). Em 2011, ocorrem suas primeiras exposições individuais, na Galeria Nara Roesler, em São Paulo, e na Meulensteen Gallery, em Nova York.

Análise

Após trabalhar com os cineastas Silvio Tendler (1950) e Sandra Kogut (1965), Miceli envereda pela investigação visual com uma peculiar combinação entre arte, história e tecnologia. Esses campos se fertilizam mutuamente para engendrar vídeos, fotografias e instalações estruturados em torno da crise da representação como sintoma da crise da sociedade contemporânea.

Nas palavras da crítica Giselle Beiguelman (1962), os trabalhos de Miceli obrigam o espectador a “repensar as estratégias correntes de lidar com a história e com a memória, nos assaltando, sem terror, com vestígios por vezes mórbidos, por vezes imponderáveis, muitas vezes trágicos, da ação humana, na política e na ciência”.1 Investigando um arquivo fotográfico de vítimas do Khmer Vermelho, percorrendo campos e cidades vazios em torno da usina de Chernobyl, apropriando-se de frames de vídeos prosaicos para os quais propõe intrigantes releituras, ou mesmo quando se debruça sobre seu próprio rosto, o foco da artista é pesquisar as interseções entre registro documentário e invenção visual por meio de uma reflexão sobre a natureza processual da produção da imagem.

Diversos lugares despovoados, inacessíveis ou labirínticos, muitas vezes reconstruídos pela virtualidade do loop, permeiam as obras de Miceli e servem de cenário para a pesquisa de temas recorrentes, como a relatividade entre tempo e espaço, identidade e memória. Segundo a própria artista afirma: “[...] tenho interesse por esses lugares não vistos, ou inacessíveis. As fronteiras, as terras de ninguém. [...]. Nos meus trabalhos, há várias imagens que remetem ao impenetrável”.2

Notas

1 BEIGUELMAN, Giselle. Irretratáveis anos-luz. São Paulo, 2009. Disponível em: http://www2.sescsp.org.br/sesc/videobrasil/up/arquivos/200703/20070328_120414_ensaio_AMiceli_P.pdf. Acesso em: 15 out. 2013.
2 MICELI, Alice. Entrevista no dossiê sobre a artista no sítio do Projeto VideoBrasil, n. 27. Disponível em: http://www2.sescsp.org.br/sesc/videobrasil/site/dossier027/apresenta.asp. Acesso em: 17 out. 2013.

Obras 1

Abrir módulo

Exposições 20

Abrir módulo

Festivais 1

Abrir módulo

Mostras audiovisuais 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 8

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: