Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Andrei Thomaz

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 02.09.2019
29.05.1981 Brasil / Rio Grande do Sul / Porto Alegre
Entre suas exposições, destacam-se as individuais Dédalo e Ariadne, de 2005, realizada no Centro Cultural Brasil-Espanha, em Porto Alegre. Começa a apresentar-se em mostras coletivas internacionais desde 2003, ano em que participa do Thailand's First New Media Art Festival. Em 2004, exibe obras no 404 International Festival of Electronic Art, na...

Texto

Abrir módulo

Andrei Rubina Thomaz (Porto Alegre, Rio Grande do Sul, 1981). Artista visual, web designer, professor. Em 2004, forma-se em artes plásticas, com ênfase em escultura, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e, em 2009, conclui o mestrado em artes visuais pela Universidade de São Paulo (USP).

Entre suas exposições, destacam-se as individuais Dédalo e Ariadne, de 2005, realizada no Centro Cultural Brasil-Espanha, em Porto Alegre. Começa a apresentar-se em mostras coletivas internacionais desde 2003, ano em que participa do Thailand's First New Media Art Festival. Em 2004, exibe obras no 404 International Festival of Electronic Art, na Argentina, no VI Salón Internacional de Arte Digital, em Cuba. Em 2005, integra a mostra The Art of the Overhead, na Dinamarca. Em 2006, volta ao festival de Cuba. No Brasil, participa de mostras e festivais, como o Festival Internacional da Linguagem Eletrônica (File), no qual exibe obras em diversas edições, e o Videobrasil, em 2011.

Recebe prêmios e incentivos de editais, como a Bolsa Funarte de Estímulo à Produção em Artes Visuais, em 2004; o prêmio Ocupação dos Espaços da Funarte, em 2010 – em parceria com Daniel Escobar (1982) e Marina Camargo (1980); o Estímulo à Produção Audiovisual, do Espaço do Conhecimento, na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em 2012.

Análise

O artista trabalha com aproximações entre meios digitais e analógicos. A versão de 2012 do jogo digital Labirintos Invisíveis, lançado em 2008, é adaptada para smartphones e tablets. Nessa versão,  aproxima-se a experiência de brincar com labirintos analógicos ao game digital, explorando sensores de reconhecimento de movimento (acelerômetros e giroscópios), com os quais os dispositivos estão equipados. A brincadeira de percorrer um labirinto com bolinhas digitais imita as peças analógicas do tabuleiro de madeira, que precisa ser inclinado em diferentes posições para que a bolinha encontre a saída.

O tema do labirinto é recorrente na obra de Thomaz e explorado em Autorretrato no Labirinto (2008), Labirinto Zero (2007), Dédalo e Ariadne (2006) e Pacman e o Minotauro (2004). Como elemento composicional, o uso de linhas também é marca frequente em seus trabalhos.

Entre os trabalhos mais recentes, está Matryoshkas (2015), instalação que mescla webart a um game para iPad: o participante tem que combinar diferentes formas de objetos recicláveis e descartar os não recicláveis – trabalho com caráter claramente educativo. Realiza, em parceria com outros artistas, instalações interativas e performances sonoras e participa do Grupo Poéticas Digitais.

Exposições 13

Abrir módulo

Festivais 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 3

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: