Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Lobão

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
11.10.1957 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
João Luiz Woerdenbag Filho (Rio de Janeiro RJ 1957). Cantor, compositor, baterista e guitarrista. Começa a tocar bateria na infância e se interessa pelo rock ouvindo bandas como Led Zeppelin, Grand Funk Railroad e Jimi Hendrix Experience no programa do radialista Big Boy, pseudônimo de Newton Alvarenga Duarte. Monta sua primeira banda ainda na e...

Texto

Abrir módulo

Biografia

João Luiz Woerdenbag Filho (Rio de Janeiro RJ 1957). Cantor, compositor, baterista e guitarrista. Começa a tocar bateria na infância e se interessa pelo rock ouvindo bandas como Led Zeppelin, Grand Funk Railroad e Jimi Hendrix Experience no programa do radialista Big Boy, pseudônimo de Newton Alvarenga Duarte. Monta sua primeira banda ainda na escola, com o divertido nome Nádegas Devagar. Começa a estudar violão clássico aos 14 anos, sendo aluno de Guerra-Peixe. Aos 17, substitui o baterista Candinho na banda de rock progressivo Vímana, que divide com Ritchie (voz e flauta), Lulu Santos (guitarra), Fernando Gama (baixo) e Luiz Paulo Simas (teclados), e com ela lança o compacto Zebra, em 1976. Grava como músico de estúdio com Walter Franco e Fagner. Integra o grupo Blitz, cujo título diz ter criado, e participa do álbum de estreia da banda, As Aventuras da Blitz, como baterista convidado. Deixa a banda em 1981 para lançar o primeiro disco solo com composições próprias, Cena de Cinema, bancado pelo amigo e incentivador Ignácio Machado com participação de Lulu Santos, Marina, Celso Blues Boy e Ritchie. Como vocalista e guitarrista à frente da banda Lobão e os Ronaldos, lança Ronaldo Foi pra Guerra, em 1984, com o sucesso Me Chama, que se consagra campeão de execuções nas rádios desse ano. É preso por porte de drogas após lançar O Rock Errou, em 1986, e conclui o disco seguinte, Vida Bandida, em 1987, com a ajuda de vários habeas corpus. O álbum se torna seu maior sucesso. No Carnaval de 1988 toca tamborim na bateria da escola de samba Mangueira, a convite da cantora Elza Soares. Abraça a carreira independente e vende o disco A Vida É Doce, de 1999, em bancas de jornais. Em 2003, lança a revista Outracoisa, que leva para as bancas discos inéditos como o seu Canções Dentro da Noite Escura, em 2005, e de artistas como B. Negão, Cachorro Grande, Arnaldo Baptista e Quinto Andar. Com o Acústico MTV - Lobão, retorna a uma grande gravadora, a Sony, em 2007. No mesmo ano, torna-se apresentador do programa MTV Debate, da MTV. Em 2010, lança a autobiografia Lobão: 50 Anos a Mil, escrita em parceria com o jornalista Claudio Tognolli, e a caixa-coletânea Lobão 81/91.

 

Comentário crítico

Desde o início da carreira, Lobão passa por várias metamorfoses musicais. A primeira acontece em seu disco de estreia, Cena de Cinema, de 1982. Nesse disco, Lobão une a canção brasileira a sonoridades ligadas ao punk e à música new wave. Não se reconhece aí o baterista fã de rock progressivo que, cinco anos antes, integra a banda Vímana e divide estúdios com Patrick Moraz, ex-tecladista do grupo inglês Yes. Essas características são claras nas canções Cena de Cinema, Scaramuça, Robô, Robôa.

As raízes sonoras de Lobão estão inseridas no rock mais clássico, e o mergulho no som típico da década de 1980 aparece mais definido quando funda a banda Lobão e os Ronaldos. Mesmo que o maior sucesso do disco Ronaldo Foi pra Guerra seja uma balada, Me Chama, há sons que podem ser definidos como new wave, em Bambina, Abalado, Tô à Toa Tokio e Corações Psicodélicos.

No LP O Rock Errou, de 1986, o trabalho de Lobão aponta em direção à MPB sem deixar de lado a faceta pop-rock, e o título desse disco provoca uma ambígua crítica ao BRock dos anos 1980. Na capa, vestido de padre, Lobão segura um terço enquanto Danielle, sua mulher na época, aparece nua. O disco une rock a baladas que se diferenciam no rádio, como Revanche e Noite e Dia. Acompanhado de amigos letristas como Bernardo Vilhena, Julio Barroso, Cazuza e Tavinho Paes, se volta para uma poética que funde romantismo e o estilo de vida rock'n'roll - não dispensando canções críticas como Revanche (que é considerada "música de protesto" por sua gravadora, mas faz bastante sucesso nas rádios) e A Voz da Razão, samba que canta com Elza Soares. No ano seguinte, sua canção Me Chama é gravada por João Gilberto, cristalizando-se assim uma face MPB do "roqueiro". Lobão, no entanto, não fica satisfeito com a interpretação bossa-novista de João Gilberto, que exclui da canção o trecho "Nem sempre se vê / mágica no absurdo".

Vida Bandida, de 1987, traz vários subtextos em letra e música. A começar pela prisão do cantor por porte de drogas, o que dá novo sentido a todo o seu repertório. Ausente dos trabalhos de estúdio, quem assume a produção é Marcelo Sussekind, então guitarrista da banda Herva Doce, que guia o som para o hard rock, estilo de rock em voga na época. O disco lança dois clássicos, Vida Louca Vida, parceria com Bernardo Vilhena, e Blá Blá Blá... Eu Te Amo (Rádio Blá), parceria com Arnaldo Brandão e Tavinho Paes. A transformação de Lobão como compositor é nítida em canções como o folk Chorando no Campo. Nos discos seguintes, até 1991, mantém a tradição de baladas e rocks, mas a parceria com o mangueirense Ivo Meireles o faz investir mais ainda numa fusão do rock com o samba em músicas como Cuidado (faixa-título de seu disco de 1988) e Bangu 1 Polícia 0.

De 1991 a 1995, após um acidente de moto, fica sem gravar e aprofunda seus estudos de violão. Tais estudos geram a sonoridade de seu disco Nostalgia da Modernidade, de 1995, que traz o samba Luz da Madrugada e orquestra na música A Queda. O lado cáustico das letras continua no LP Noite, de 1998, disco voltado para os sons eletrônicos. Canções dançantes e pop como Me Beija, 24 Horas e Noite misturam-se aos rocks Véspera e Hora Deserta.

Engaja-se na militância pela numeração dos discos, participando de debates sobre o assunto e discutindo diretamente com as gravadoras. Como artista independente, lança A Vida É Doce, em 1999. Feito após uma tentativa de suicídio, o disco traz canções com sonoridade eletrônica e ares de trip-hop, ou seja, o andamento mais lento somado a uma textura sonora sombria. No álbum Canções Dentro da Noite Escura, de 2005, volta a um estilo mais rock e traz parcerias póstumas com Júlio Barroso (Não Quero o Seu Perdão e Quente) e Cazuza (Seda), e uma homenagem a Cassia Eller com a canção Boa Noite, Cinderela.

Embora o compositor demonstre ser credor da MPB, em particular a bossa nova e o tropicalismo, Lobão não poupa críticas e polêmicas aos músicos representantes desses gêneros, em especial Caetano Veloso, para quem compõe a música Para o Mano Caetano, do disco ao vivo Lobão 2001 - Uma Odisseia no Universo Paralelo: "Amado Caetano: chega de verdade / viva alguns enganos / viva o samba, meio troncho, meio já cambaleando / a bossa já não é tão nova como pensam os americanos / a tropicália será sempre o nosso Sargeant Pepper pós-baiano".

Debates 1

Abrir módulo

Espetáculos 1

Abrir módulo

Shows musicais 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo
  • ALEXANDRE, Ricardo. Dias de luta: o rock e o Brasil dos anos 80. São Paulo: DBA Artes Gráficas, 2002.
  • CAVALCANTI, Augusto de Guimaraens. Arte e Vida: Lobão, Arnaldo Antunes e Cazuza. Dissertação de mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da PUC/Rio. Orientadora Profa. Santuza Cambraia Naves. Rio de Janeiro, 30 de abril de 2010.
  • DAPIEVE, Arthur. BRock: o rock brasileiro dos anos 80. São Paulo: Editora 34, 1995.
  • LOBÃO; TOGNOLLI, Cláudio Júlio. 50 anos a mil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2010.
  • RODRIGUES, Rodrigo. As aventuras da Blitz. Ediouro, 2009.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: