Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Keyla Sobral

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 07.11.2022
Brasil / Pará / Belém
https://enciclopedia.itaucultural.org.br/termo3854/videoarteKeyla Cristina Tikka Sobral (Belém, Pará, 1975). Artista visual, editora, comunicóloga. Sua produção artística apresenta uma trajetória consistente, em que o desenho emerge como forma de relação com o ambiente, como um reflexo de seu estar no mundo e como resposta política a ele. Essa l...

Texto

Abrir módulo

https://enciclopedia.itaucultural.org.br/termo3854/videoarteKeyla Cristina Tikka Sobral (Belém, Pará, 1975). Artista visual, editora, comunicóloga. Sua produção artística apresenta uma trajetória consistente, em que o desenho emerge como forma de relação com o ambiente, como um reflexo de seu estar no mundo e como resposta política a ele. Essa linguagem é posteriormente expandida para instalações e vídeos, sempre envolvendo a palavra escrita. 

Mestre e doutoranda em Artes Visuais pela Universidade Federal do Pará (UFPA), é fundadora da revista eletrônica Não-Lugar, em 2008, em parceria com as artistas visuais Danielle Fonseca (1975) e Roberta Carvalho (1980). A revista publica três edições e encerra as atividades em 2010.

Em 2012, recebe convite do artista visual, curador e professor Orlando Maneschy (1968) para atuar como curadora-adjunta no projeto Amazônia, lugar da experiência. O convite surge como consequência de projetos anteriores realizados com o curador, como a exposição individual Mínimo, múltiplo, incomum, no Museu da Universidade Federal do Pará (Mufpa), em 2010; a mostra coletiva Outra natureza, que recebeu o Prêmio Banco da Amazônia em 2013, entre outros. Amazônia, lugar da experiência recebe o Prêmio de Artes Plásticas Marcantonio Vilaça / Prêmio Procultura de Estímulo às Artes Visuais 2010, da Fundação Nacional de Artes (Funarte), e é aprovado no edital de Circulação | Mediação do Instituto de Arte do Pará 2012 (IAP), ampliando as perspectivas de ação do projeto.

Em processo dialogal com o curador, Keyla Sobral reúne 31 artistas que, por meio de trabalhos de cunho político e poético, compõem diversos olhares subjetivos e contundentes sobre a região amazônica. É esse processo que encaminha os dois curadores para a constituição da Coleção Amazoniana, idealizada por Maneschy, que pretende reunir no próprio território amazônico as experiências artístico-estéticas realizadas na região Norte do Brasil. A coleção encontra-se no Museu da Universidade Federal do Pará (Mufpa) e Keyla Sobral é, desde 2019, pesquisadora-colaboradora.

Outra parceria entre os dois curadores é a dissertação de mestrado defendida na Universidade Federal do Pará, intitulada Fluxo norte: sobre diários de bordo e cartografia poética de determinada produção de artes visuais na Amazônia, que teve a participação de Maneschy como orientador. A experiência da Coleção Amazoniana influencia a pesquisa acadêmica e a produção artística de Sobral: para desenhar a cartografia poética de artistas visuais que pensam e trabalham na Amazônia Legal, a artista viaja para Porto Velho, Belém, Boa Vista, São Luís, Palmas, Cuiabá, Manaus, Macapá e Rio Branco, durante os anos de 2013 e 2014, com o objetivo de conhecer mais de perto o Norte do Brasil. Ao observar similitudes e diferenças entre essas cidades, sente-se por vezes uma espécie de estrangeira dentro de seu próprio território. Como metodologia de pesquisa, utiliza “diários de bordo” para a escritura sobre a região, os desenhos realizados dentro dos aviões e o registro de sensações imediatas. Esse espaço de prática poética sobre o deslocamento do corpo na região amazônica depois se transforma em livros de artista.

O som do rio diz o que eu penso (2018) é um projeto decorrente das investigações de bordo. A artista cria letreiros luminosos acoplados a embarcações que navegam pelos rios circundantes de Belém, apresentando narrativas curtas sobre o que é visível e invisível naquele ambiente. Keyla Sobral trabalha no cruzamento entre poesia e artes visuais desde 2009, mas no projeto de 2018, premiado pela Fundação Cultural do Pará, consegue inserir pela primeira vez anotações e sensações sobre as derivas pelo Norte do Brasil na própria paisagem geradora dessas reflexões. 

Uma amostra de suas pesquisas artísticas com audiovisual é selecionada pelo curador Paulo Herkenhoff (1949) para o panorama de videoarte da Amazônia do Arte Pará 2021, com as obras A praia (2013), Minutos de silêncio (2005), parceria com Roberta Carvalho, e Entre pombos (2008), parceria das duas artistas com o artista visual Acácio Sobral (1943-2009).

Artista engajada nas narrativas sobre a cultura amazônica, Keyla Sobral se dedica a pesquisas sobre o amplo território da Amazônia Legal. Por meio de frases, desenhos e anotações, suas obras evidenciam aspectos pouco visíveis da região. Além disso, a artista operar no cruzamento entre curadoria e pesquisa, ao lado de Orlando Maneschy, à frente da Coleção Amazoniana, com sede no Museu da Universidade Federal do Pará.

 

Exposições 28

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: