Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Lúcia Murat

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 07.01.2020
1949 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Lúcia Murat (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1949). Cineasta. Sua carreira cinematográfica é marcada por filmes que tratam da ditadura no Brasil, da repressão militar e da tortura. Em 1967, ingressa na faculdade de economia e torna-se militante do movimento estudantil. Em 1968, é presa pela primeira vez no congresso da União Nacional dos Estudan...

Texto

Abrir módulo

Lúcia Murat (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1949). Cineasta. Sua carreira cinematográfica é marcada por filmes que tratam da ditadura no Brasil, da repressão militar e da tortura. Em 1967, ingressa na faculdade de economia e torna-se militante do movimento estudantil. Em 1968, é presa pela primeira vez no congresso da União Nacional dos Estudantes (UNE), em Ibiúna, São Paulo. Após a promulgação do Ato Institucional nº 5 (AI-5), em dezembro deste mesmo ano, entra na clandestinidade e parte para a guerrilha. Em 1971, é presa novamente sendo torturada no Destacamento de Operações de Informação – Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-CODI). Sai da prisão em 1974 e passa a escrever artigos para periódicos como o Jornal do Brasil e as revistas Opinião e Movimento. Em 1978, capta as imagens do documentário Pequeno Exército Louco (1984) sobre a luta da guerrilha na Nicarágua. Após sair da prisão, é  processada  pelo Estado por suas atividades como militante até ser anistiada em 1979.

No início dos anos 1980, dirige documentários para a TV Educativa e Bandeirantes. No final da década, dirige Que Bom Te Ver Viva (1989), sobre ex-presas políticas torturadas na ditadura.  Durante a década de 1990, dirige documentários em curta e média metragens para a TV Manchete, sempre tematizando a problemas do Brasil, como Reforma Agrária (1991) e 18 do Forte (1995). Após o fim da Embrafilme, na retomada do cinema brasileiro, dirige Doces Poderes (1996). A partir de então, dedica-se integralmente a realização de longas-metragens para o cinema, tais como Brava Gente Brasileira (2000) que retrata a relação conflituosa entre portugueses e índios no século XVIII, Quase Dois Irmãos (2004), Uma Longa Viagem (2011), A Memória que me Contam (2012). 

Análise

A filmografia de Lúcia Murat trata de temas autobiográficos, relacionando sua trajetória de vida com fatos históricos do país. As obras apresentam temas políticos de caráter humanista, referidos a sua  formação cultural e política de esquerda nos anos 1960. O tema da memória é marcante e baseia-se na relação entre sua experiência, a história contada em retrospectiva e o tempo presente. Que Bom Te Ver Viva, por exemplo, articula depoimentos de ex-presas políticas torturadas, e comentários ficcionais de uma ex-presa  [Irene Ravache (1944)], para condensar na personagem o que se assiste nos depoimentos: a experiência traumática vivida na ditadura, as marcas desse passado no tempo presente, e os projetos de futuro. 

O vínculo entre a época da ditadura e a da democracia, retorna na ficção Quase Dois Irmãos. O filme centra-se na amizade entre Jorginho, negro e morador da favela, e Miguel, branco de classe média, e suas famílias no Rio de Janeiro. A narrativa aborda a atuação da militância de esquerda durante o regime militar, estabelecendo as consequências no presente. Nesse sentido, Quase Dois Irmãos chama a atenção para os valores que separam esta militância das classes pobres, e o machismo cultural que os aproxima. A distância entre as classes e seus efeitos, aparece simbolizada no reencontro e convívio de Miguel, um dos presos políticos, com Jorginho, um dos comuns, na prisão de Ilha Grande nos anos 1970. A classe média entra em contato com as drogas e a marginalidade ao mesmo tempo em que a população do morro aprende a se organizar. Após conflitos de valores entre as duas classes na prisão, o grupo de Miguel constrói um muro que o separa dos presos comuns. Jorginho escolhe ficar ao lado destes e funda a facção criminosa “Comando Vermelho”. A opressão de gênero perpassa todo o filme, com foco no conflito de classe.

Exposições 1

Abrir módulo

Mostras audiovisuais 3

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 8

Abrir módulo
  • BERGER, Christa. A contribuição do cinema para a memória da ditadura brasileira. Comunicação e Educação: revista do Departamento de Comunicações e Arte da USP, São Paulo, v. 14, n. 3, p. 30-36, 2009. Disponível em: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9125.v14i3p29-36. Acesso em: 14 jun. 2016.
  • CALEGARI, Lizandro Carlos. Testemunho, trauma e identidade em Que bom te ver viva, de Lúcia Murat. Amerika - Mémoires, Identités, Territoires, Rennes, n. 8, 2013. Disponível em: http://amerika.revues.org/4054. . Acesso em: 14 jun. 2016.
  • MURAT, Lúcia. Informar o coração sem anestesia. (entrevista). Cinemais, Rio de Janeiro, n. 3, p. 67-74, jan./ fev. 1997.
  • MURAT, Lúcia. Quase Dois Irmãos. (entrevista). Revista de Cinema, São paulo, v. 9, n. 91, p. 46, nov./ dez. 2008.
  • NAGIB, Lúcia. O cinema da retomada: depoimentos de 90 cineastas dos anos 90. São Paulo: Editora 34, 2002.
  • PEREIRA, Miguel. Carri e Murat: memória, política e representação. Significação: revista de cultura audiovisual, v. 36, n. 32, p.189-201, 2009. Disponível em: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2009.68098. Acesso em: 14 jun. 2016.
  • RAMOS, Fernão Pessoa; MIRANDA, Luiz Felipe (Orgs.). Enciclopédia do cinema brasileiro. São Paulo: Senac, 2012. 3. ed. ampliada e atualizada.
  • XAVIER, Ismail. Cinema nacional: táticas para um tempo sem estratégias. Comunicação e Educação (Revista do Departamento de Comunicações e Arte da USP) - n.18(2000), p. 82- 86. Disponível em: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9125.v0i18p81-86. Acesso em: 14 jun. 2016.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: