Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Chacal

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 05.02.2015
24.05.1951 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Ricardo de Carvalho Duarte (Rio de Janeiro, RJ, 1951). Poeta, cronista e letrista. Um dos precursores da poesia marginal, lança em 1971, numa edição mimeografada de cem exemplares, seu primeiro livro, Muito Prazer, Ricardo, reeditado em 1997 como Muito Prazer. Em 1972, passa a colaborar para a revista Navilouca, junto aos poetas Waly Salomão (19...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Ricardo de Carvalho Duarte (Rio de Janeiro, RJ, 1951). Poeta, cronista e letrista. Um dos precursores da poesia marginal, lança em 1971, numa edição mimeografada de cem exemplares, seu primeiro livro, Muito Prazer, Ricardo, reeditado em 1997 como Muito Prazer. Em 1972, passa a colaborar para a revista Navilouca, junto aos poetas Waly Salomão (1943-2003) e Torquato Neto (1944-1972) e publica, também mimeografado, o livro-envelope Preço da Passagem, com tiragem de mil exemplares. Com o dinheiro da venda, passa uma temporada em Londres entre 1972 e 1973, ocasião em que assiste à apresentação do poeta americano Allen Ginsberg (1926-1997) no Festival Internacional de Poesia.

A experiência é aproveitada na volta ao Brasil, quando, integrante do grupo Nuvem Cigana, reinventa, com Bernardo Vilhena (1949), Charles Peixoto (1948) e Ronaldo Bastos (1948), os recitais de poesia, introduzindo bases sonoras, fundos musicais e apresentações de dança e audiovisual. Nos anos 1980 escreve crônicas para os jornais Correio Braziliense, Folha de S.Paulo e Jornal do Brasil e estabelece parcerias, como letrista, com artistas como Lulu Santos (1953), Jards Macalé (1943) e Moraes Moreira (1947). Desde 1990, dirige o projeto CEP 20.000 - Centro de Experimentação Poética, que realiza mensalmente eventos multimídia no Rio de Janeiro. Sua poesia é reunida no volume Belvedere (2007), e em 2010 é publicado Uma História à Margem, romance autobiográfico.

Comentário crítico
Identificado à poesia marginal, surgida na cena literária brasileira na década de 1970, Chacal inicia sua obra com uma provocação: “As palavras/ Novo lançamento Estrela” são os versos que abrem Muito Prazer (1971), o livro de estreia. Ao parodiar o anúncio de uma fábrica de brinquedos para referir-se ao trabalho poético, o autor afirma um dos pressupostos geracionais – apropriar-se de dados da cultura de massa como matéria-prima de uma poesia que se quer antiliterária (algo recorrente na produção artística pós-moderna como um todo); questionar as práticas excludentes do mercado editorial; e problematizar a relação entre a poesia e as questões mais ordinárias da vida comum.

No poema Prezado Cidadão, do mesmo livro, nota-se também o gosto do poeta por jogos de palavra e o desejo de estabelecer comunicação direta com o leitor: “colabore com a lei/ colabore com a Light/ mantenha luz própria”. O tratamento lúdico da linguagem começa a revelar, nos livros seguintes, a predileção pela construção fônica do poema, muitas vezes transformada em razão de ser das composições: “era uma vez oxo/ o bicho chocho/ o cara frouxo/ o moço mocho [...]”, lê-se em Oxo, de Letra Elétrika (1994).

Constrói-se assim a proposta de uma poesia falada, mais que escrita (“uma/ palavra/ escrita é uma/ palavra não dita [...]” – Uma Palavra, de América, 1975), cujas referências culturais, provindas dos mais distintos repertórios, patenteiam a necessidade de comunicação com uma gama diversificada de leitores: “new york, fratura exposta, flor obscena de henry miller,/ gothan city, babilonest de hélio oiticica, musa de/ woody allen, campos de centeio forever” (New York, da obra Belvedere, de 2007).

Também os temas revelam o desejo de diálogo com o que lhe é próximo, inclusive no que se refere ao seu tempo – seja pelo aspecto geracional, caso das “viagens” provocadas pelas drogas ou do culto ao rock and roll; seja individualmente, caso das viagens físicas e dos relacionamentos amorosos. Tudo parece convergir para que se cumpra a tarefa do artista: “um poeta se faz do sabor/ [...] de se achar de real utilidade pública/ no cumprimento de sua missão pela terra” (Um Poeta Não se Faz com Versos, do livro Nariz Anis, de 1979).

Espetáculos 5

Abrir módulo

Eventos multiculturais 1

Abrir módulo

Exposições 9

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: