Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Edimilson de Almeida Pereira

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 23.10.2017
18.07.1963 Brasil / Minas Gerais / Juiz de Fora
Edimilson de Almeida Pereira (Juiz de Fora, Minas Gerais, 1963). Publica seu primeiro livro de poesia, Dormundo, em 1985. Dois anos depois gradua-se em Letras, na Universidade Federal de Juiz de Fora MG, onde posteriormente fez Mestrado em Literatura Portuguesa e Mestrado em Ciência da Religião. Entre 1983 e 1994 atua como co-autor do projeto Mi...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Edimilson de Almeida Pereira (Juiz de Fora, Minas Gerais, 1963). Publica seu primeiro livro de poesia, Dormundo, em 1985. Dois anos depois gradua-se em Letras, na Universidade Federal de Juiz de Fora MG, onde posteriormente fez Mestrado em Literatura Portuguesa e Mestrado em Ciência da Religião. Entre 1983 e 1994 atua como co-autor do projeto Minas e Mineiros, levantamento e análise da cultura popular de Minas Gerais, com a professora Nubia Pereira, em Juiz de Fora. Entre 1987 e 1994 é membro efetivo da Comissão Mineira de Folclore e membro do Conselho Editorial do Folheto Compasso. Publica os livros Negras Raízes Mineiras: os Arturos, Assim se Benze em Minas Gerais e Arturos: Ohos do Rosário, em co-autoria com a profa. Núbia Pereira, no período de 1988 a 1990. É professor assistente de Literatura Brasileira e Portuguesa da UFJF de 1988 a 1994. Conquista o primeiro lugar, em 1988, no Concurso Nacional de Literatura Editora UFMG, categoria Poesia, concedido pela Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG. Em 1989 recebe o prêmio Concurso Nacional de Poesia Carlos Drummond de Andrade, concedido pela Secretaria de Estado da Cultura do Rio de Janeiro. Sua obra poética inclui  O Livro de Falas ou Kalunbungu (1987), Ô Lapassi & Outros Ritmos de Ouvido (1990) e O Homem da Orelha Furada (1995), entre outros livros. Para o crítico Gilvan Ribeiro, Edimilson de Almeida Braga estabelece equilíbrios, em sua poesia, "entre a negritude afetiva, ancestral, num certo sentido quase cósmica, e o mundo branco, com toda a ambígua carga de opressão e atração, de cativeiro e libertação que contém; entre o menino pobre e negro e o intelectual celebrado e admirado que descobriu, para citar Drummond, que 'sua história era mais bonita que a de Robinson Crusoé' ".

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo
  • A CRIAÇÃO poética em aliança com a pesquisa cultural. Tribuna da Tarde, Juiz de Fora, 7 jun. 1990. TT2.
  • ALEIXO, Rique. Ô Lapassi & Outros ritmos de ouvido: modo de usar. Revista Literária do Corpo Discente da UFMG. Belo Horizonte, ano 22, n.22, p.147-149, dez. 1989/jan. 1990.
  • DIAS, Renato Henrique. Enfim, um livro para salvar o ano. Tribuna da Tarde, Juiz de Fora, 19 dez. 1987.
  • EDIMILSON Pereira... reencontro dos mitos. Tribuna da Tarde, Juiz de Fora, 17 dez. 1987.
  • LUCAS, Fábio. Opiniões sobre Corpo vivido. Carta a Edimilson de Almeida Pereira. São Paulo, s.d.
  • RIBEIRO, Gilvan P. Dois poetas de Minas. Tribuna da Tarde, Juiz de Fora, 16 jun. 1990. TT2. p. 4

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: