Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Carlo Tamagni

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
08.05.1900
1966 Brasil / São Paulo / São Paulo
Carlo Alessandro Tamagni (Viaduna, Itália 1900 - São Paulo SP 1966). Empresário e colecionador. Desde jovem, interessa-se por questões políticas e envolve-se com os camponeses que trabalham na propriedade de seu pai. Ainda na Itália, aproxima-se do radicalismo de esquerda, o que o obriga a deixar o país na década de 1930, devido à ascensão do fa...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Carlo Alessandro Tamagni (Viaduna, Itália 1900 - São Paulo SP 1966). Empresário e colecionador. Desde jovem, interessa-se por questões políticas e envolve-se com os camponeses que trabalham na propriedade de seu pai. Ainda na Itália, aproxima-se do radicalismo de esquerda, o que o obriga a deixar o país na década de 1930, devido à ascensão do fascismo.

Vem para o Brasil e, no Rio de Janeiro, seu envolvimento com a política prossegue. Em 1942, liga-se ao movimento Italianos Livres, dedicado a combater o fascismo, e convive com outros anarquistas, trotskistas e antifascistas residentes no país, como Pasquale Petraccone, editor do jornal antifascista Italia Libera. Com a perseguição aos movimentos de esquerda durante a ditadura do Estado Novo (1937-1945), Tamagni é preso no Rio de Janeiro. Após um ano na cadeia, transfere-se para São Paulo, e funda uma indústria gráfica voltada para a publicação de autores clássicos. A atuação no setor gráfico e editorial proporciona-lhe prosperidade financeira.

Graças a seu papel como incentivador do meio editorial, aproxima-se de intelectuais e artistas da cena paulistana do período. Possivelmente por suas inclinações políticas e por afinidade cultural, estreita relações com artistas da Família Artística Paulista - FAP, de origem proletária e italiana. No fim dos anos 1940, envolve-se no projeto de criação do Museu de Arte Moderna de São Paulo - MAM/SP.

Na primeira metade dos anos 1950, integra, com outros intelectuais e militantes comunistas como Caio Prado Júnior, David Rosemberg, Elias Chaves Neto, Paulo Alves Pinto e Salomão Schattan, um grupo de discussões que dá origem à Revista Brasiliense, publicada pela editora de mesmo nome.

Nos anos 1960, após a tumultuada assembleia geral do MAM/SP, da qual resulta a dissolução do museu e a doação do acervo por Ciccillo Matarazzo à Universidade de São Paulo - USP, une-se a outros associados na tentativa de reaver o acervo, o que não se efetiva. Em seguida, toma providências para preservar o nome Museu de Arte Moderna de São Paulo e reestruturá-lo. Torna-se tesoureiro da instituição entre 1964 e 1965, durante a presidência do jurista Oscar Pedroso Horta. Desde então, expressa reiteradas vezes a intenção de doar sua coleção ao MAM/SP, o que ocorre um ano após seu falecimento. Embora não tenha deixado testamento, seus herdeiros concretizam seu desejo e, em 1967, o conjunto de 81 obras de sua coleção particular passa a integrar o acervo do museu.

Sua coleção é constituída por artistas que gravitam no ambiente artístico paulistano nas décadas de 1930 e 1940, a maior parte deles próximas a Tamagni, que, segundo afirma Paulo Mendes de Almeida em texto de apresentação da exposição da coleção realizada pelo MAM/SP em 1968, guia-se por critérios afetivos para comprar suas obras, escolhendo-as de modo similar ao que escolhe as amizades. Alguns dos nomes que integram a coleção, como Tarsila do Amaral, Clóvis Graciano, Gerda Brentani e Sérgio Milliet, assinam com ele a ata da assembleia que traça os rumos do novo museu.

As obras da coleção são na maioria pinturas, há também diversos desenhos e algumas gravuras. Parte das aquisições é feita num momento em que os artistas são pouco conhecidos, como os participantes do Grupo Santa Helena. Estão entre as obras cinco pinturas de Alfredo Volpi - um retrato de mulata, marinhas e paisagens produzidas entre o fim dos anos 1920 e 1940 - e diversas paisagens italianas ou interioranas paulistas de artistas como Bonadei, Hugo Adami , Clóvis Graciano, Mário Zanini, Rossi Osir, Vittorio Gobbis e Francisco Rebolo, artista cuja produção Tamagni acompanha até os anos 1960. A tônica social também é marcante nas gravuras de Lívio Abramo adquiridas por Tamagni, que incluem a série Espanha, de 1937. Artistas refugiados da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), como o belga Van Rogger e outros estrangeiros, como Karl Plattner, Flexor e Fernando Lemos, também atraem o interesse do colecionador.

Artistas ligados à primeira e segunda fase do modernismo estão contemplados na coleção, que tem Vaso de Flores, 1929, de Di Cavalcanti, e uma Paisagem, 1948, de Tarsila do Amaral, realizada após a efervescência da Semana de 22, além de retratos de José Pancetti produzidos no fim dos anos 1940. Integram ainda a coleção Marcelo Grassmann, Mário Gruber, Aldemir Martins, Arnaldo Pedroso D'Horta, Emídio de Souza e José Antônio da Silva, entre outros. Fazem parte do conjunto quatro retratos do colecionador, pintados por Flexor, Sérgio Milliet, Rossi Osir e Guiliana Giorgi, e uma obra atribuída ao próprio Tamagni.

Esse acervo, que constitui a coleção-base do novo MAM/SP da década de 1960, tem como características a sobriedade, a preferência por artistas cuja produção tenha caráter figurativo, as soluções plásticas que não dialogam diretamente com as vanguardas plásticas do período, mas partem de um enfrentamento constante com a tradição, a escolha de obras em consonância com o debate cultural do período, centrado no papel da arte no projeto de formação de uma identidade nacional brasileira .

Em 1968, a coleção é exposta no Banco Nacional de Minas Gerais, pois o museu não tem ainda uma nova sede. Outra exposição da coleção Tamagni ocorre no Museu Guido Viaro, em Curitiba, em 1983. Na atual sede do MAM/SP, em São Paulo, a coleção é exibida em sua totalidade em 1987, em reconhecimento à importância das obras reunidas por Tamagni no decorrer dos anos, um conjunto significativo de obras modernas do acervo do museu.

Exposições 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo
  • ALMEIDA, Paulo Mendes da. Coleção Carlo Tamagni. Folheto de exposição no Banco Nacional de Minas Gerais. São Paulo: Museu de Arte Moderna de São Paulo, 1968.
  • BARROS, Regina Teixeira de. Revisão de uma história: A criação do Museus de Arte Moderna de São Paulo 1946-1949. Dissertação de Mestrado, São Paulo: ECA/USP, 2002.
  • BERTONHA, João Fábio. Políticas em tempos de guerra: a tentativa de reconstrução do antifascismo italiano em São Paulo. Revista de História, São Paulo, n. 137, 2º semestre de 1997.
  • HORTA, Vera. d'. MAM: Museu de Arte Moderna de São Paulo. São Paulo: DBA Gráficas,1995.
  • LIMA, Heitor Ferreira. Revista Brasiliense: sua época, seu programa, seus colaboradores, suas campanhas. In MORAES, Reginaldo; FERRANTE, Vera & ANTUNES, Ricardo (orgs.). Inteligência Brasileira. São Paulo, Brasiliense, 1986.
  • O Museu de Arte Moderna de São Paulo. São Paulo: Banco Safra, 1998.
  • SANT'ANNA, Margarida. Coleção Carlo Tamagni. In: Revista do MAM, n. 1:37-40. São Paulo: Lemos Editorial e Gráficos, 1998.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: