Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Ricardo Aleixo

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 08.03.2022
14.09.1960 Brasil / Minas Gerais / Belo Horizonte
Ricardo José Aleixo de Brito (Belo Horizonte, Minas Gerais, 1960). Poeta, músico, artista multimídia, performer, produtor cultural. Sua lírica é influenciada pela poesia concreta, experimentando a palavra em suas dimensões de conteúdo, sonoridade e visualidade. Seus poemas frequentemente transitam por variadas linguagens, como a música, a perfor...

Texto

Abrir módulo

Ricardo José Aleixo de Brito (Belo Horizonte, Minas Gerais, 1960). Poeta, músico, artista multimídia, performer, produtor cultural. Sua lírica é influenciada pela poesia concreta, experimentando a palavra em suas dimensões de conteúdo, sonoridade e visualidade. Seus poemas frequentemente transitam por variadas linguagens, como a música, a performance e as artes plásticas. Questões sociais também estão presentes em seus poemas, valorizando a memória e identidade afro-brasileiras, com referências ao sagrado de matriz africana, à cultura pop e ao cinema.

A primeira formação artística de Aleixo se dá na infância, na área da música, de modo autodidata. Aos 17 anos, escreve as primeiras canções e tem as primeiras experiências com poesia escrita, influenciadas pela composição espacial livre e a  expressividade gráfica da poesia concreta. 

Aleixo estuda no Instituto Municipal de Administração e Ciências Contábeis, mas não chega a concluir o curso. Em 1992, publica seu primeiro livro de poemas, Festim: um desconcerto de música plástica. Desde o título, o livro aponta para a interdisciplinaridade, com a influência decisiva da música e das artes plásticas na produção do poeta.

Atuando paralelamente no campo da produção cultural, Aleixo é um dos responsáveis, em 1995, pela primeira edição do Festival de Arte Negra (FAN), promovido pela prefeitura de Belo Horizonte. O Festival traz na programação seminários e atividades formativas, além de apresentações, encontros e exposições. 

Em 1996, publica A roda do mundo, escrito em parceria com Edimilson de Almeida Pereira (1963). O livro é composto por orikis, gênero de poesia iorubá cantada, que recupera temáticas religiosas e mundanas. No livro, mitologias nagô-iorubá convivem com referências culturais variadas, como expresso no oriki "Cine-olho", que alude ao cinema do diretor russo Dziga Vertov (1895-1954). 

A recuperação de tradições poéticas africanas indica outro aspecto recorrente na obra de Aleixo: a etnopoesia. Essa característica valoriza culturas orais por meio, entre outros recursos, da tradução de elementos sonoros e corporais para o texto escrito.

No livro Trívio, publicado em 2002, as preocupações sociais de Aleixo ganham destaque. No poema "Rondó da ronda noturna", por exemplo, o tema é a violência policial contra a população negra. O formato tradicional de publicação é invertido: o texto é escrito em caracteres brancos sobre a página negra.  

Recursos visuais como a tipografia, a composição das letras na página são elementos de significado e contribuem para a interpretação do texto. O símbolo + é utilizado em lugar da palavra "mais" e remete tanto aos números do extermínio do povo negro como às cruzes de um cemitério. A repetição do símbolo reflete a persistência da violência estrutural presente desde a fundação escravocrata brasileira.

Em Aleixo, o texto impresso é uma etapa da criação, não sua forma final. Os poemas não são fixos, pois se manifestam de outras formas na tradução para diferentes linguagens e formatos. As obras se reinventam em experimentos de vídeo e de artes visuais, incluídas a dança contemporânea e a declamação musicada. 

Um poema exemplar desse desdobramento é “Solo”, publicado em 2010 no livro Modelos vivos. Extraídas desse poema, o verso "Boca também toca tambor" dá nome à performance realizada por Aleixo no mesmo ano.

A influência do jazz se manifesta no improviso e nas diferentes vocalizações do mesmo verso repetido de forma ritmada enquanto imagens de vídeo são projetadas ao fundo. A música é criada ao vivo, com o auxílio de um pedal que armazena o som captado e o reproduz posteriormente, gerando diversas camadas da voz do poeta.

No livro Mundo palavreado, lançado em 2013, o mesmo verso é retomado, agora como título de um poema de ritmo cadenciado por rimas e aliterações que trata dos diversos usos da boca, de tradições orais e da cultura diaspórica africana.

Mesmo sem métrica rigorosa, a musicalidade é reforçada pela abundância de redondilhas e pelo refrão repetido ao final de cada quarteto. A transformação do verso em performance e, depois, em um novo poema reforça a característica transmidiática e fluida da obra de Aleixo, em que a poesia transita por diferentes suportes, linguagens e formatos.

Além do trabalho multimidiático, Aleixo coordena e atua como parceiro em projetos culturais. É curador do festival Zona de Invenção Poesia e desenvolve projetos de pesquisa e formação no Laboratório Interartes Ricardo Aleixo (Lira), localizado no bairro Campo Alegre, em Belo Horizonte.

Em 2017, publica Antiboi, finalista do Prêmio Oceanos. O curto poema que dá nome ao livro estabelece relação de oposição entre o Festival Folclórico de Parintins e a vida, onde nada é garantido, nada é caprichoso, diferentemente do que ocorre na competição entre as agremiações carnavalescas do Boi Caprichoso e do Boi Garantido.

A lírica de Aleixo é marcada pelo conceito expandido de poesia, que contempla a palavra em suas dimensões verbal, visual e sonora. Em sua obra, a poesia manifesta seu conteúdo igualmente por meio do corpo, da imagem e do som. Seus poemas mais marcantes refletem as relações de poder historicamente construídas na sociedade brasileira. 

Debates 1

Abrir módulo

Eventos multiculturais 5

Abrir módulo

Exposições 9

Abrir módulo

Oficinas 1

Abrir módulo

Mídias (1)

Abrir módulo
Ricardo Aleixo - Enciclopédia Itaú Cultural
Nascido em Belo Horizonte, Ricardo Aleixo integra uma geração que tenta criar a partir da capital mineira. Sobre sua obra, o autor cita posfácio escrito por Sebastião Uchoa Leite para seu livro Trívio, no qual ele descreve Aleixo como “inclassificável”: “Esse é o lugar que me agrada ocupar, tanto em termos de gêneros quanto de nacionalidade”, diz o escritor. À poesia, que ele desenvolve desde os 17 anos, junta-se o que ele define como um trabalho intermídia, no qual mesclam-se música, imagem, vídeo e outras formas de expressão artística. “Mais do que na perspectiva chamada de multimídia, na qual as coisas se somam quantitativamente, entendi que eu queria a soma qualitativa”, explica. Para ele, o papel do poeta contemporâneo é o de “embaralhar as cartas”. “Das artes todas, talvez a poesia seja a que está mais livre da lógica de mercado”, diz. “A visão de mundo mais desconcertante e pessoal pode ser expressa pela poesia.”

Captação, edição e legendagem: Sacisamba
Intérprete: Carol Fomin (terceirizada)
Locução: Júlio de Paula (terceirizado)

Fontes de pesquisa 12

Abrir módulo
  • ALEIXO, Ricardo. "Um coletivo chamado Ricardo Aleixo, que chega aos 60 anos: 'Eu respirei'". Estado de Minas. Disponível em https://www.em.com.br/app/noticia/pensar/2021/01/22/interna_pensar,1231295/um-coletivo-chamado-ricardo-aleixo-que-chega-aos-60-anos-eu-respirei.shtml. Acesso em: 13 out. 2021.
  • ALEIXO, Ricardo. Festim: um desconcerto de música plástica. Belo Horizonte: Ed. Oriki, 1992.
  • CORONA, Ricardo. Dossiê Ricardo Aleixo com ensaio, seleção de poemas e entrevista. Revista Oroboro, nº 5. Curitiba: Editora Medusa, 2005.
  • COSTA PINTO, Manuel da. Antologia comentada da poesia brasileira do século 21. São Paulo: Publifolha, 2006. p. 20
  • FERREIRA, Laisa Barreto; ALVES, Moisés Oliveira. "O expandido em modelos vivos, de Ricardo Aleixo". In: Revista Discentis, UNEB, DCHT-XVI, Irecê, v. 7, n. 1, p. 28-41, fev. 2019.
  • FONSECA, Maria Nazareth Soares. Literatura, história e cultura afro-brasileira. Fundação Cultural Palmares, 2006. CD-ROM.
  • GUSTONI, Prisca. "Um corpo que oscila: performance, tradição e contemporaneidade na poética de Ricardo Aleixo". Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, núm. 33, pp. 25-49. Universidade de Brasília, 2009.
  • MARTINS, Aulus Mandagará. "O silêncio que nos ronda: poesia e política em dois poemas de Ricardo Aleixo". Nau literária - crítica e teoria da literatura em língua portuguesa. UFRGS. Vol.14. 2018.
  • MORAIS, Carlos Francisco de. "O passaporte diploemático de Ricardo Aleixo". Dossiê temático: os limites da poesia. v. 11, n. 02 (2018).
  • RODRIGUES, Afonso Celso Carvalho. E pluribus unum: Ricardo Aleixo, poeta interartes. Tese de doutorado. Universidade Federal de Juiz de Fora. 2013.
  • SCHERER, Telma. ""Boca também toca tambor": poesia e performance de Ricardo Aleixo". In: Revista do GT de Literatura Oral e Popular da ANPOLL. BOITATÁ, Londrina, n. 23, jan-jul 2017.
  • SOBRAL, Ana; OLIVEIRA, Eduardo Jorge de. "Movimentos, diásporas, conflitos: Ricardo Aleixo e Diamondog no Cabaret Voltaire". BRASILIANA: Journal for Brazilian Studies. Double Issue Vol. 8 Nos. 1-2, 2019.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: