Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Sergio Reis

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 21.10.2019
23.06.1940 Brasil / São Paulo / São Paulo
Sérgio Bavini (São Paulo, São Paulo, 1940). Cantor, compositor e ator. Nasce na Zona Norte de São Paulo, em família de ascendência italiana. Na adolescência, trabalha com o pai na fábrica de papelão do avô. Juntos, em companhia do tio Henriquinho, ouvem regularmente na Rádio Nacional o programa Na Beira da Tuia, apresentado por Tonico (1917-1994...

Texto

Abrir módulo

Sérgio Bavini (São Paulo, São Paulo, 1940). Cantor, compositor e ator. Nasce na Zona Norte de São Paulo, em família de ascendência italiana. Na adolescência, trabalha com o pai na fábrica de papelão do avô. Juntos, em companhia do tio Henriquinho, ouvem regularmente na Rádio Nacional o programa Na Beira da Tuia, apresentado por Tonico (1917-1994) & Tinoco (1920-2012). Ganha de presente uma viola Giannini e, aos 16 anos, frequenta programas de calouros no rádio e na televisão, interpretando modas caipiras, boleros e canções italianas. 

Influenciado pelo rock estadunidense de Elvis Presley (1935-1977), Neil Sedaka (1939) e Paul Anka (1941), assume o nome artístico de Johnny Johnson. Depois, adota o sobrenome materno e passa a ser conhecido como Sérgio Reis. Estreia em disco em 1961, com o bolero “Enganadora” (Umberto Silva, Luis Mergulhão e Souza Lima), e o rock balada “Será” (Valdemar Garcia). Em meados da década de 1960, aproxima-se de artistas da jovem guarda e desponta como compositor. Compõe canções para Jerry Adriani (1947-2017), Golden Boys, Os Vips, Deny (1941) & Dino (1942-1995) e Nalva Aguiar (1945). Frequenta o programa televisivo de Roberto Carlos (1941) e Erasmo Carlos (1941) e o de Eduardo Araújo (1945). Em 1967, lança seu primeiro LP, com o sucesso “Coração de Papel”, de sua autoria, e “Amor Nada Mais”, adaptação de Fred Jorge (1928-1994) para a canção “Here, There And Everywhere” [John Lennon (1940-1980) e Paul McCartney (1942)].

Cinco anos depois, lança “O Menino da Gaita”, versão para música do espanhol Fernando Arbex (1941-2003) e regrava o cururu “O Menino da Porteira” [Teddy Vieira (1922-1965) e Luizinho (1916-1983)], originalmente lançado em 1955. A partir desse momento, Sergio Reis dedica-se ao repertório caipira, contribuindo para a renovação do gênero.  

A consagração na música abre espaço para o trabalho como ator. Com estilo vaqueiro – chapéu, botas e berrante a tiracolo –, atua com destaque nos filmes O Menino da Porteira (1977) e Mágoa de Boiadeiro (1978), ambos de Jeremias Moreira Filho (1942), e Filho Adotivo (1984), de Deni Cavalcanti (1950). Na televisão, trabalha nas novelas Paraíso (Globo, 1982), Pantanal (Manchete, 1990), O Rei do Gado (Globo, 1996), Canaviais da Paixão (SBT, 2003) e Bicho do Mato (Record, 2006). 

Com discografia de mais de 60 títulos, vence duas vezes o Grammy Latino na categoria Melhor Álbum de Música Sertaneja, em 2001 e 2009.

 

Análise

A obra de Sérgio Reis serve de trilha sonora para as transformações no ambiente rural brasileiro durante a segunda metade do século XX. No início da década de 1970, Reis direciona sua carreira como intérprete de canções caipiras tradicionais, especialmente a partir do disco Saudade da Minha Terra

Com a modernidade musical inaugurada pela bossa nova, seguida do sucesso dos festivais de música e da jovem guarda, a música sertaneja termina a década de 1960 desvalorizada, mas tem apelo junto ao público interiorano. Sérgio descobre essa influência após um show em uma boate da pequena Tupaciguara, cidade do interior mineiro: o conjunto local agita a plateia com a interpretação de “O Menino da Porteira”. 

A percepção de que há um gênero tradicional a ser reavivado resulta nas regravações de clássicos como “João de Barro” [Teddy Vieira e Muíbo Cury (1929-2009)], “Tristeza do Jeca” [Angelino de Oliveira (1888-1964)], “Saudade da Minha Terra” [Belmonte (1937-1972) e Goiá (1935-1980)] e “Chico Mineiro” (Tonico e Francisco Ribeiro). 

Em um meio caracterizado por duplas sertanejas que cantam em terças, acompanhadas de viola e violão, Sérgio assume o microfone sozinho, dividindo o palco com sua banda. As músicas ganham arranjos com elementos do folk e da country music. A sonoridade envolve violas e sanfonas, bateria, contrabaixo e guitarra elétrica, amplificada por potentes equipamentos. O figurino assume o estilo de vaqueiro texano, distanciando-se do tipo caipira difundido nos filmes de Mazzaropi (1912-1981). No entanto, Sérigo Reis estabelece como marca registrada em suas apresentações o sopro do berrante, recorrendo a uma “raiz” sertaneja tipicamente brasileira. 

Aos poucos, o repertório agrega baladas românticas, composições de apelo pop e temas bem-humorados, como “Panela Velha” (Moraezinho e Auri Silvestre) e “Pinga Ni Mim” (Elias Filho). Grava autores que renovam o gênero sertanejo, com destaque para o violeiro e compositor Almir Sater (1956), com quem assina “Peão de Boiadeiro” para a trilha da novela Pantanal, de 1990. Sua carreira desenvolve-se nos bailes de feiras agropecuárias e nas festas de rodeio que, durante o ano inteiro, mobilizam multidões em cidades de Minas Gerais, Mato Grosso, São Paulo, Rio de Janeiro e Goiás.  

Seu sucesso contribui para consolidar, em fins da década de 1970, a modernização da música caipira, ao lado de duplas consagradas como Léo Canhoto (1936) & Robertinho (1944) e Milionário (1940) & José Rico (1946-2015). Essas duplas abrem espaço para outros músicos que se destacam nas décadas seguintes, como Chitãozinho (1954) & Xororó (1957), Leandro (1961-1998) & Leonardo (1963) e Zezé Di Camargo (1963) & Luciano (1973).

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo
  • INSTITUTO Memória Musical Brasileira. Disponível em: http://www.memoriamusical.com.br. Acesso em: 18 out. 2012.
  • NEPOMUCENO, Rosa. Música Caipira: da roça ao rodeio. São Paulo: Editora 34, 1999.
  • Planilha enviada pela pesquisadora Rosyane Trotta. Não Catalogado
  • SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo: 85 anos de músicas brasileiras (vol. 1: 1901-1957). São Paulo: Editora 34, 1997. (Coleção Ouvido Musical).
  • SEVERIANO, Jairo. Uma história da música popular brasileira. São Paulo: Editora 34, 2008.
  • SÉRGIO REIS. Site do artista. Disponível em: http://www.sergioreis.com.br. Acesso em: 18 out. 2012.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: