Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Nara Leão

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 12.05.2021
19.01.1942 Brasil / Espírito Santo / Vitória
07.06.1989 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Reprodução fotográfica Correio da Manhã/Acervo Arquivo Nacional

Nara Leão, s.d.

Nara Lofego Leão (Vitória, Espírito Santo, 1942 – Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1989). Cantora, compositora, violonista. Com uma obra eclética – que abarca da bossa nova ao tropicalismo, de canções anteriores à era do rádio ao samba do morro –, contribui para a conformação da MPB como gênero musical.

Texto

Abrir módulo

Nara Lofego Leão (Vitória, Espírito Santo, 1942 – Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1989). Cantora, compositora, violonista. Com uma obra eclética – que abarca da bossa nova ao tropicalismo, de canções anteriores à era do rádio ao samba do morro –, contribui para a conformação da MPB como gênero musical.

Com um ano de vida, muda-se com a família para o Rio de Janeiro. Aficionada por música, estuda violão desde os 12 anos, e tem como professores Patrício Teixeira (1893-1972) e Solon Ayala (1927). Na adolescência, transforma seu apartamento em um ponto de encontro de jovens compositores ligados à criação da bossa nova, entre os quais Roberto Menescal (1937) e Ronaldo Bôscoli (1928-1994). Apesar de dominar a prática de violão, é como cantora que encontra sua forma de expressão, ainda que inicialmente não ambicione se profissionalizar, tampouco encontre apoio no círculo bossa-novista para fazê-lo.

Por meio do contato com o ambiente politizado do Centro Popular de Cultura (CPC), ao lado de Carlos Lyra (1939) e dos cineastas Ruy Guerra (1931), Cacá Diegues (1940) e Glauber Rocha (1939-1981), busca por um maior engajamento em sua produção. No plano estético, sua estreia no Beco das Garrafas, em 1963, a familiariza com a sonoridade do “samba novo” ou “samba jazz”, contrastante com o aspecto enxuto da bossa nova. Essas mudanças se fazem presentes em seu primeiro disco de carreira, Nara (1964), cujo repertório inclui sambistas como Nelson Cavaquinho (1911-1986), Cartola (1908-1980), e compositores preocupados com questões sociais e tradições populares, como Edu Lobo (1943) e Vinícius de Moraes (1913-1980). Sua interpretação leve e despojada, contudo, ainda apresenta alguma relação com o canto minimalista, influenciado por João Gilberto (1931-2019).

Nara rompe com essa estética no LP Opinião (1964), buscando maior contundência em sua performance, a fim de transmitir uma mensagem impactante, em canções como a faixa-título e “Acender as Velas”, ambas de Zé Keti (1921-1999). Intuitivamente recorre a uma região mais grave de sua tessitura vocal e privilegia a clareza do texto por meio da articulação da dicção. Os arranjos e instrumentações dialogam com o jazz, assumindo um caráter mais estridente, como se nota no solo de bateria que introduz “Opinião”. Desse encontro, resulta uma sonoridade moderna, a qual não é nem uma bossa nem um samba de morro em sua forma tradicional.

A percepção de uma saturação da música de protesto leva a cantora a retomar o lirismo da canção popular, já presente em sua interpretação de “A Banda”, em dueto com o compositor Chico Buarque (1944) no II Festival Internacional da Canção (1966). Nara empreende um intenso trabalho de pesquisa, pelo qual retoma o cancioneiro da era do rádio e mesmo anterior a ele. Em seu disco de 1968, faz releituras de uma modinha imperial, um choro de Ernesto Nazareth (1863-1934), uma seresta de Villa-Lobos (1887-1959), passando por sambas e marchinhas radiofônicos de Ary Barroso (1903-1964), Lamartine Babo (1904-1963) e Custódio Mesquita (1910-1945). Ao revisitar “Quem é”, samba-choro do repertório de Carmen Miranda (1909-1955), recupera sua oralidade e ritmo, porém em um registro mais conciso, eliminando vibratos e outros tipos de ornamentação mais datados. O álbum remete-se, ao mesmo tempo, às grandes massas sonoras das orquestrações da era do rádio e às estruturas melódicas do pop-rock, efeito obtido pelos arranjos do maestro Rogério Duprat (1932), com quem Nara trabalha naquele ano no disco-manifesto Tropicália ou Panis et Circensis.

Apesar de não aderir completamente ao movimento, a celebração da diversidade da música popular brasileira e a liberdade de experimentação são ideais compartilhados entre a cantora e os tropicalistas. Ambos servem-se de outros procedimentos para tecer críticas sociais, que não a estética relacionada ao ideário nacional-popular dos CPCs. Assim, a canção “Lindonéia” – encomendada pela cantora a Caetano Veloso (1942), inspirada no quadro Lindonéia, a Gioconda do subúrbio, do artista plástico Rubens Gerchman (1942-2008) –, contrasta o ritmo passional do bolero com a violência denunciada pela letra e a interpretação indolente da cantora. Da mesma forma, ao gravar, em 1969, o folk “Little boxes” de Malvina Reynolds (1900-1978) com letra em português, Nara faz a crítica à sociedade do consumo não de maneira ácida, como em sua versão original, mas usando de humor e de uma ingenuidade intencional.

A cantora contribui para reavivar o interesse pela bossa nova, num momento de ostracismo do gênero no Brasil, com o lançamento da antologia Dez Anos Depois (1971), gravado após um período de exílio na França e distanciamento das atividades musicais. A diversidade de seu repertório continua viva em todos os seus trabalhos. Avessa ao embate reducionista entre música “engajada” e “alienada” da década anterior, lança em 1978 um disco inteiro com composições de Roberto e Erasmo Carlos. Com Romance Popular (1981), é uma das primeiras artistas do Sudeste a lançar um álbum exclusivamente com compositores nordestinos, como Fagner (1949), Fausto Nilo (1944), Geraldo Azevedo (1945) e Moraes Moreira (1947-2020). Em Nasci para Bailar (1982), explora gêneros dançantes de diferentes estilos musicais.

Transpondo a imagem de mera musa da bossa nova que frequentemente lhe é imputada, Nara Leão desafia convenções e transita por inúmeros gêneros. Por meio de uma escuta aberta e bem-informada, a cantora faz do diálogo entre tradição e modernidade a fonte de sua criação.

Obras 2

Abrir módulo

Espetáculos 4

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 13

Abrir módulo
  • CABRAL, Sergio. Nara Leão – Uma biografia. Rio de Janeiro: Editora Lumiar, 2001.
  • CASTRO, Ruy. Chega de saudade: a história e as histórias da Bossa Nova. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.
  • ENCICLOPÉDIA da música brasileira: erudita, folclórica e popular. 2. ed., rev. ampl. Organização Marcos Antônio Marcondes. São Paulo: Art Editora, 1998. R780.981 M321e 2.ed.
  • GEROLAMO, Ismael de Oliveira. Nara Leão: canção popular, performance e crítica nos anos 1960. 2018. 241 f. Tese (Doutorado em Música) – Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Artes, Campinas, SP, 2018. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/331706. Acesso em: 8 maio 2020
  • NAPOLITANO, Marcos. História & Música: por uma história cultural da música popular. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.
  • NAPOLITANO, Marcos. Seguindo a canção: engajamento político e indústria cultural na MPB (1959-69). São Paulo: Annablume, 2001.
  • NEDER, Álvaro. “Parei na contramão”: faixas cruzadas na invenção da MPB. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 25, n. 49, jan./jun. 2012.
  • Planilha enviada pela pesquisadora Rosyane Trotta. Não Catalogado
  • SANT’ANNA-MULLER, M. R.; MEURER, M. Entre imagem e história – Lindonéia. Fronteiras: Revista Catarinense de História, [s.l.], n. 18, p. 105-123, 5 jun. 2018.
  • SARAIVA, Daniel Lopes. Nara Leão: trajetória, engajamento e movimentos musicais. São Paulo: Letra e Voz, 2018.
  • SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo: 85 anos de músicas brasileiras (vol. 1: 1901-1957). São Paulo: Editora 34, 1997. (Coleção Ouvido Musical).
  • SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo: 85 anos de músicas brasileiras (vol. 2: 1958-1985). São Paulo: Editora 34, 1998. (Coleção Ouvido Musical).
  • TBC apresenta Arena-Opinião. São Paulo: TBC, 1965. 1 programa do espetáculo realizado no Teatro Brasileiro de Comédia (TBC). Não catalogado

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: