Artigo da seção pessoas Nara Leão

Nara Leão

Artigo da seção pessoas
Teatro  
Data de nascimento deNara Leão: 19-01-1942 Local de nascimento: (Brasil / Espírito Santo / Vitória) | Data de morte 07-06-1989 Local de morte: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro)

Nara Lofego Leão (Vitória, Espírito Santo, 1942 – Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1989). Cantora, compositora, violonista. Com uma obra eclética – que abarca da bossa nova ao tropicalismo, de canções anteriores à era do rádio ao samba do morro –, contribui para a conformação da MPB como gênero musical.

Com um ano de vida, muda-se com a família para o Rio de Janeiro. Aficionada por música, estuda violão desde os 12 anos, e tem como professores Patrício Teixeira (1893-1972) e Solon Ayala (1927). Na adolescência, transforma seu apartamento em um ponto de encontro de jovens compositores ligados à criação da bossa nova, entre os quais Roberto Menescal (1937) e Ronaldo Bôscoli (1928-1994). Apesar de dominar a prática de violão, é como cantora que encontra sua forma de expressão, ainda que inicialmente não ambicione se profissionalizar, tampouco encontre apoio no círculo bossa-novista para fazê-lo.

Por meio do contato com o ambiente politizado do Centro Popular de Cultura (CPC), ao lado de Carlos Lyra (1939) e dos cineastas Ruy Guerra (1931), Cacá Diegues (1940) e Glauber Rocha (1939-1981), busca por um maior engajamento em sua produção. No plano estético, sua estreia no Beco das Garrafas, em 1963, a familiariza com a sonoridade do “samba novo” ou “samba jazz”, contrastante com o aspecto enxuto da bossa nova. Essas mudanças se fazem presentes em seu primeiro disco de carreira, Nara (1964), cujo repertório inclui sambistas como Nelson Cavaquinho (1911-1986), Cartola (1908-1980), e compositores preocupados com questões sociais e tradições populares, como Edu Lobo (1943) e Vinícius de Moraes (1913-1980). Sua interpretação leve e despojada, contudo, ainda apresenta alguma relação com o canto minimalista, influenciado por João Gilberto (1931-2019).

Nara rompe com essa estética no LP Opinião (1964), buscando maior contundência em sua performance, a fim de transmitir uma mensagem impactante, em canções como a faixa-título e “Acender as Velas”, ambas de Zé Keti (1921-1999). Intuitivamente recorre a uma região mais grave de sua tessitura vocal e privilegia a clareza do texto por meio da articulação da dicção. Os arranjos e instrumentações dialogam com o jazz, assumindo um caráter mais estridente, como se nota no solo de bateria que introduz “Opinião”. Desse encontro, resulta uma sonoridade moderna, a qual não é nem uma bossa nem um samba de morro em sua forma tradicional.

A percepção de uma saturação da música de protesto leva a cantora a retomar o lirismo da canção popular, já presente em sua interpretação de “A Banda”, em dueto com o compositor Chico Buarque (1944) no II Festival Internacional da Canção (1966). Nara empreende um intenso trabalho de pesquisa, pelo qual retoma o cancioneiro da era do rádio e mesmo anterior a ele. Em seu disco de 1968, faz releituras de uma modinha imperial, um choro de Ernesto Nazareth (1863-1934), uma seresta de Villa-Lobos (1887-1959), passando por sambas e marchinhas radiofônicos de Ary Barroso (1903-1964), Lamartine Babo (1904-1963) e Custódio Mesquita (1910-1945). Ao revisitar “Quem é”, samba-choro do repertório de Carmen Miranda (1909-1955), recupera sua oralidade e ritmo, porém em um registro mais conciso, eliminando vibratos e outros tipos de ornamentação mais datados. O álbum remete-se, ao mesmo tempo, às grandes massas sonoras das orquestrações da era do rádio e às estruturas melódicas do pop-rock, efeito obtido pelos arranjos do maestro Rogério Duprat (1932), com quem Nara trabalha naquele ano no disco-manifesto Tropicália ou Panis et Circensis.

Apesar de não aderir completamente ao movimento, a celebração da diversidade da música popular brasileira e a liberdade de experimentação são ideais compartilhados entre a cantora e os tropicalistas. Ambos servem-se de outros procedimentos para tecer críticas sociais, que não a estética relacionada ao ideário nacional-popular dos CPCs. Assim, a canção “Lindonéia” – encomendada pela cantora a Caetano Veloso (1942), inspirada no quadro Lindonéia, a Gioconda do subúrbio, do artista plástico Rubens Gerchman (1942-2008) –, contrasta o ritmo passional do bolero com a violência denunciada pela letra e a interpretação indolente da cantora. Da mesma forma, ao gravar, em 1969, o folk “Little boxes” de Malvina Reynolds (1900-1978) com letra em português, Nara faz a crítica à sociedade do consumo não de maneira ácida, como em sua versão original, mas usando de humor e de uma ingenuidade intencional.

A cantora contribui para reavivar o interesse pela bossa nova, num momento de ostracismo do gênero no Brasil, com o lançamento da antologia Dez Anos Depois (1971), gravado após um período de exílio na França e distanciamento das atividades musicais. A diversidade de seu repertório continua viva em todos os seus trabalhos. Avessa ao embate reducionista entre música “engajada” e “alienada” da década anterior, lança em 1978 um disco inteiro com composições de Roberto e Erasmo Carlos. Com Romance Popular (1981), é uma das primeiras artistas do Sudeste a lançar um álbum exclusivamente com compositores nordestinos, como Fagner (1949), Fausto Nilo (1944), Geraldo Azevedo (1945) e Moraes Moreira (1947-2020). Em Nasci para Bailar (1982), explora gêneros dançantes de diferentes estilos musicais.

Transpondo a imagem de mera musa da bossa nova que frequentemente lhe é imputada, Nara Leão desafia convenções e transita por inúmeros gêneros. Por meio de uma escuta aberta e bem-informada, a cantora faz do diálogo entre tradição e modernidade a fonte de sua criação.

Outras informações de Nara Leão:

  • Outros nomes
    • Nara Lofego Leão
  • Habilidades
    • Cantor/Intérprete
    • Violonista

Obras de Nara Leão: (2) obras disponíveis:

Espetáculos (4)

Fontes de pesquisa (13)

  • CABRAL, Sergio. Nara Leão – Uma biografia. Rio de Janeiro: Editora Lumiar, 2001.
  • CASTRO, Ruy. Chega de saudade: a história e as histórias da Bossa Nova. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.
  • GEROLAMO, Ismael de Oliveira. Nara Leão: canção popular, performance e crítica nos anos 1960. 2018. 241 f. Tese (Doutorado em Música) – Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Artes, Campinas, SP, 2018. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/331706. Acesso em: 8 maio 2020
  • MARCONDES, Marcos Antônio (Ed.). Enciclopédia da música brasileira: popular, erudita e folclórica. 2. ed. São Paulo: Art Editora: Publifolha, 1998. R780.981 M321e 2.ed.
  • NAPOLITANO, Marcos. História & Música: por uma história cultural da música popular. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.
  • NAPOLITANO, Marcos. Seguindo a canção: engajamento político e indústria cultural na MPB (1959-69). São Paulo: Annablume, 2001.
  • NEDER, Álvaro. “Parei na contramão”: faixas cruzadas na invenção da MPB. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 25, n. 49, jan./jun. 2012.
  • Planilha enviada pela pesquisadora Rosyane Trotta Não Catalogado
  • Programa do Espetáculo - TBC Apresenta Arena-Opinião - 1965 Não catalogado
  • SANT’ANNA-MULLER, M. R.; MEURER, M. Entre imagem e história – Lindonéia. Fronteiras: Revista Catarinense de História, [s.l.], n. 18, p. 105-123, 5 jun. 2018.
  • SARAIVA, Daniel Lopes. Nara Leão: trajetória, engajamento e movimentos musicais. São Paulo: Letra e Voz, 2018
  • SEVERIANO, Jaime: MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo: 85 anos de músicas brasileiras. Volume 2: 1958-1985. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 1999.
  • SEVERIANO, Jaime: MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo: 85 anos de músicas brasileiras. Volume 1: 1901-1957. São Paulo: Editora 34, 1998. 

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • NARA Leão. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2020. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa359596/nara-leao>. Acesso em: 29 de Out. 2020. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7