Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Chico Science

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 02.06.2017
13.03.1966 Brasil / Pernambuco / Recife
02.02.1997 Brasil / Pernambuco / Recife
Francisco de Assis França (Olinda, Pernambuco, 1966 - Recife, Pernambuco, 1997). Cantor, compositor. Passa a infância no Bairro Rio Doce, onde cata caranguejos no mangue para vender na feira. Inspirado pelos passos de dança do cantor pop Michael Jackson, em 1984, entra para o grupo de dança de rua Legião Hip Hop, um dos principais do Recife. Em ...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Francisco de Assis França (Olinda, Pernambuco, 1966 - Recife, Pernambuco, 1997). Cantor, compositor. Passa a infância no Bairro Rio Doce, onde cata caranguejos no mangue para vender na feira. Inspirado pelos passos de dança do cantor pop Michael Jackson, em 1984, entra para o grupo de dança de rua Legião Hip Hop, um dos principais do Recife. Em 1987 integra o conjunto de black music Orla Orbe, que não chega a durar um ano. Em seguida, forma com Lúcio Maia, na guitarra, e Alexandre Dengue, no baixo, a banda Loustal, nome inspirado no famoso quadrinista francês Jacques de Loustal. Fazem uma mescla de rock e ska com soul, funk e hip-hop.

No início de 1991, Science trava contato com um grupo de percussão de Olinda que faz trabalho de educação popular na periferia do Recife, o bloco afro Lamento Negro. A percussão do grupo, que funde ritmos folclóricos como maracatu e coco de roda com samba-reggae, chama sua atenção. Ele convida o grupo a criar outra banda, apostando na união da linguagem roqueira e da black music com o samba-reggae e ritmos regionais. Assim, Loustal e Lamento Negro se fundem com o nome de Chico Science e Lamento Negro, logo substituído pelo nome que vinga, Chico Science & Nação Zumbi (CSNZ). A formação original tem Chico Science (voz), Lúcio Maia (guitarra), Dengue (baixo), Toca Ogam (percussão/efeitos), Canhoto (caixa), Gira (tambor), Gilmar Bola 8 (tambor) e Jorge Du Peixe (tambor).

A banda estreia em junho de 1991 em show no Espaço Oásis, em Olinda. O CSNZ faz novas apresentações no Recife, juntamente com conjuntos de sonoridade e temáticas afins, como o Mundo Livre S/A. O sucesso dessa cena musical perante o público chama atenção da mídia local, que logo a denomina manguebeat,1 alusão à temática de muitas letras - em que o ecossistema do mangue atua como metáfora para estilos de vida e críticas sociais -, e também à batida da percussão que esses grupos utilizam.

Em 1993, CSNZ e Mundo Livre S/A excursionam por São Paulo e Belo Horizonte, e em seguida o Chico Science & Nação Zumbi assina com o selo alternativo Chaos, da Sony Music. No início de 1994 sai o primeiro disco, Da Lama ao Caos, produzido por Liminha no estúdio Nas Nuvens, no Rio de Janeiro. O disco arrebata a crítica e o público com músicas como A Praieira (incluída na trilha da novela Tropicaliente, da TV Globo, 1994), A Cidade (na trilha da novela Irmãos Coragem, da TV Globo, 1995) e Da Lama ao Caos, e a banda excursiona por Brasil, Estados Unidos e Europa.

O segundo trabalho, Afrociberdelia, de 1996, conta com a participação de diversos artistas convidados, como Gilberto Gil, Marcelo D2 e Fred 04. O álbum ratifica o êxito do CSNZ perante o público e a crítica. A regravação de Maracatu Atômico - canção de Jorge Mautner e Nelson Jacobina que faz sucesso na voz de Gilberto Gil em 1973 -, com ênfase em recursos eletrônicos e na percussão, serve de hino ao CSNZ e, com o sucesso de canções próprias como Manguetown, Cidadão do Mundo e Macô, o torna um dos conjuntos mais conhecidos e reverenciados em todo o país. 

Chico Science morre aos 30 anos, no dia 2 de fevereiro de 1997, pouco antes do Carnaval, em acidente de carro na divisa entre Recife e Olinda. Em 1998, sai o CD duplo CSNZ, que contém cinco faixas ao vivo com Chico Science, os artistas convidados Jorge Benjor, Falcão e Planet Hemp e músicas inéditas com vocal de Jorge Du Peixe, a nova voz do conjunto. A banda segue carreira até os dias de hoje com o nome Nação Zumbi.

Análise

Chico Science ganha projeção no cenário musical brasileiro no início dos anos 1990 com o conjunto Chico Science & Nação Zumbi (CSNZ), um dos fundadores e egresso mais famoso da chamada Cena Mangue do Recife. A mistura original de signos do pop com elementos da cultura nacional e regional realizada pelo CSNZ faz com que esta seja uma das bandas de maior prestígio na história do rock brasileiro.

Science é reconhecido como figura catalisadora para o despertar da cena. Prestes a formar o CSNZ, ele faz o seguinte relato a amigos num bar do Recife: "Fiz uma jam session com o Lamento Negro, aquele grupo de samba-reggae, peguei um ritmo de hip-hop e joguei no tambor de maracatu... vou chamar essa mistura de mangue!".2 O mangue, fértil e rico ecossistema que sofre com a degradação proveniente da ocupação desordenada do Recife, é escolhido para servir de metonímia da cidade em um discurso que realça tanto sua riqueza e diversidade cultural quanto seus problemas sociais.

A imagem de uma antena é recorrente no discurso da banda e anda casada com a do mangue. Não é uma imagem gratuita, pois o CSNZ articula uma fusão bem-sucedida de signos tradicionais e modernos, regionais e cosmopolitas em música, performance e letra, que mesclam crítica social e afirmação hedonística da vida. A linguagem musical da banda une elementos da música pop, como as guitarras distorcidas do rock e os ritmos do reggae, do funk e do hip-hop, ao samba, ciranda, coco, embolada e maracatu. Diversas canções tematizam esse programa neotropicalista, como Mateus Enter ("Cheguei com meu universo / E aterrisso no seu pensamento / Trago as luzes dos postes nos olhos / Rios e pontes no coração / Pernambuco embaixo dos pés / E minha mente na imensidão"); Etnia ("Maracatu psicodélico / Capoeira da Pesada / Bumba meu rádio/ Berimbau elétrico / Frevo, samba e cores / Cores unidas e alegria / Nada de errado em nossa etnia"); A Cidade ("Eu vou fazer uma embolada, um samba, um maracatu / Tudo bem envenenado, bom pra mim e bom pra tu / Pra gente sair da lama e enfrentar os urubus"); e Antene-se.

Uma temática presente nas letras de Science é a abordagem das mazelas sociais que resultam de um histórico de crescimento desordenado e desigual do Recife, como miséria, fome, violência, poluição e caos no transporte e na habitação. Ao mesmo tempo as mensagens salientam as atividades lúdicas e artísticas como nichos de conciliação criativa entre tradição e modernidade, numa dicção original que busca escapar aos lugares-comuns - as letras incorporam, por exemplo, o colorido do dialeto cotidiano recifense, com uso de gírias. Além disso, contêm um léxico próprio, metafórico, conceitual, preenchido em grande parte por componentes da paisagem do mangue. Termos como "caranguejos" e "urubus", "mangue" e "lama", "mocambos" e "molambos" assumem significados variados. Denunciam pobreza e precariedade, ao mesmo tempo que atuam como totens de resistência dos excluídos, em canções como Manguetown ("Andando por entre os becos / Andando em coletivos / Ninguém foge a vida suja / nos dias da Manguetown / [...] / Fui no mangue catar lixo / Pegar caranguejo / Conversar com urubu"), Rios, Pontes e Overdrives ("E a lama come mocambo e no mocambo tem molambo / E o molambo já voou, caiu lá no calçamento bem no sol do meio-dia / O carro passou por cima e o molambo ficou lá / Molambo eu, molambo tu") e Da Lama ao Caos ("Peguei o balaio, fui na feira roubar tomate e cebola / Ia passando uma veia, pegou a minha cenoura / Aí minha veia, deixa a cenoura aqui / Com a barriga vazia não consigo dormir / E com o bucho mais cheio comecei a pensar / Que eu me organizando posso desorganizar / Que eu desorganizando posso me organizar").

Também estão a serviço da celebração da cena musical e da sociabilidade de seus componentes, como em Cidadão do Mundo ("Daruê Malungo, Nação Zumbi / É o zum, zum, zum da capital / Só tem caranguejo esperto / saindo desse manguezal") e Manguetown ("Esta noite eu sairei / Vou beber com meus amigos / E com as asas que os urubus me deram ao dia / Eu voarei por toda a periferia / Vou sonhando com a mulher / Que talvez eu possa encontrar / Ela também vai andar / Na lama do meu quintal / Manguetown").

Esse repertório colhido do mangue é empregado de forma alusiva e irônica, sem coerência sistêmica, combinado a registros provenientes de outras linguagens captadas pela "antena", também utilizadas com descompromisso. Um deles é o manancial do folclore nordestino (cordel, ciranda etc.), atualizado em pontes com a realidade do aqui e agora, como a citação da figura mítica de Lampião na descrição do cotidiano violento das favelas do Recife em Banditismo por uma questão de classe ("Oi sobe morro, ladeira, córrego, beco, favela / A polícia atrás deles e eles no rabo dela / Acontece hoje e acontecia no sertão / Quando um bando de macaco perseguia Lampião"). Outro registro adotado é a linguagem de livros de ficção científica, presente, por exemplo, em O Encontro de Isaac Asimov com Santos Dumont no Céu. Demais influências notórias são as histórias em quadrinhos, a teoria do caos e os livros Geografia da Fome e Homens e Caranguejos, do médico, geógrafo, antropólogo e escritor Josué de Castro (1908 - 1973), citado em Da Lama ao Caos ("Ô Josué eu nunca vi tamanha desgraça / Quanto mais miséria tem mais urubu ameaça").

Science valoriza os contornos linguísticos da região também como cantor ao entoar o sotaque de seus pares e os das camadas populares do Recife. Alterna diferentes registros musicais, como a fala cantada rítmica do rap e da embolada com o canto e os gritos próprios do rock. Nos shows circula na linha de frente, com os percussionistas ao fundo: sua linguagem corporal alterna um gestual performático com os passos de um ágil dançarino folclórico, que mimetiza os movimentos não lineares de um caranguejo e o modo agachado e arrastado de se locomover de um homem-caranguejo (catador).

Notas

1. Inicialmente Chico Science sugere o nome mangue para a sonoridade sua banda, mas o termo passa a abranger uma cena musical pernambucana e, por conta de uma canção homônima gravada por Fred 04 e Mundo Livre S/A no disco Samba Esquema Noise, de 1994, muda a nome para mangue bit. Por fim, graças às repetidas menções na imprensa, o termo se populariza como manguebeat.

2. MATOS, Rejane Pires Calazans. Mangue: a lama, a parabólica e a rede. Tese de doutorado, curso de pós-graduação em desenvolvimento, agricultura e sociedade da UFRRJ, 2008. Depoimento de Renato L., p. 20.

Exposições 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo
  • CHICO Science. In: Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira. Rio de Janeiro: Instituto Cultural Cravo Albin. Disponível em: http://www.dicionariompb.com.br/chico-science/biografia. Acesso em 25 setembro 2011.
  • CHICO Science. In: JC CBN/Recife: NE10. Disponível em: http://www2.uol.com.br/JC/chicoscience/carreira.htm. Acesso em 23 Setembro 2011.
  • CHICO Science. In: Letras.com.br. Disponível em: http://www.letras.com.br/biografia/chico-science. Acesso em 27 Setembro 2011.
  • MATOS, Rejane Pires Calazans. Mangue: a lama, a parabólica e a rede. Tese de Doutorado, Curso de Pós-Graduação em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade da UFRRJ, 2008.
  • Montenegro, Fred. Caranguejos com cérebro. Manifesto, 1992.
  • SHARP. Daniel Berson. A satellite dish in the Shantytown Swamps: musical hybridity in the 'New Scene' of Recife, Pernambuco, Brazil, The University of Texas at Austin, 2001.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: