Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Carlos Queiroz Telles

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 09.09.2021
09.03.1936 Brasil / São Paulo / São Paulo
17.02.1993 Brasil / São Paulo / São Paulo
Registro fotográfico autoria desconhecida

Retrato de Carlos Queiroz Telles, 1979
Carlos Queiroz Telles
Acervo Idart/Centro Cultural São Paulo

José Carlos Botelho de Queiróz Telles (São Paulo SP 1936 - idem 1993). Autor. É um dos fundadores do grupo Teatro Oficina nos anos 60. Ganha projeção como dramaturgo nos anos 1970, através de adaptações ou recorrendo a temas ligados ao teatro de resistência e inspirados por acontecimentos do momento.

Texto

Abrir módulo

José Carlos Botelho de Queiróz Telles (São Paulo SP 1936 - idem 1993). Autor. É um dos fundadores do grupo Teatro Oficina nos anos 60. Ganha projeção como dramaturgo nos anos 1970, através de adaptações ou recorrendo a temas ligados ao teatro de resistência e inspirados por acontecimentos do momento.

Seu primeiro texto, A Ponte, escrito em 1958, é levado à cena pelo Teatro Oficina no mesmo ano, ao iniciar suas atividades ainda em fase amadora. Forma-se em direito na Universidade de São Paulo, USP, em 1959. Volta à dramaturgia somente em 1972, com A Semana - Esses Intrépidos Rapazes e Sua Maravilhosa Semana de Arte Moderna, escrita para situar com novo olhar os acontecimentos do histórico movimento de renovação das artes brasileiras de 1922, e Frei Caneca, sobre a vida do padre revolucionário que pretendeu desligar Pernambuco do jugo português, com a Confederação do Equador no século XIX. Ambos, com direção de Fernando Peixoto, integram o movimento de recuperação do Theatro São Pedro, promovido por Maurício e Beatriz Segall no início da década.

Ainda em 1972, com A Viagem, num bem-sucedido e grandioso espetáculo de Celso Nunes, produzido por Ruth Escobar, Queiroz transpõe para a cena o poema épico Os Lusíadas, de Luís de Camões. É premiado como melhor autor com o Molière, Associação Paulista de Críticos de Artes - APCA, e Independência do Conselho Estadual de Cultura do Estado de São Paulo.

Tomando uma notícia de jornal como inspiração, o autor enfoca em A Bolsinha Mágica de Marly Emboaba, a vida de uma prostituta de baixa condição, tomando o fato como um pretexto para falar sobre o milagre econômico em curso, levado à cena em 1975. No mesmo ano, tema assemelhado está em Muro de Arrimo - monólogo sobre um operário da construção civil que, enquanto levanta um muro, ouve um jogo de final de campeonato da seleção brasileira de futebol -, agudo contraponto entre suas duras condições de vida e as expectativas de um ilusório futuro de glórias. Alinhada à resistência, a montagem de Antônio Abujamra traz Antonio Fagundes como protagonista, em desempenho elogiado e premiado.

São esses os textos mais conhecidos e difundidos do autor: através da tradução francesa de Jacques Thieriot, conhecem montagens em Paris (sob o título de José) e outras capitais européias, a partir de 1976. Marly (traduzida como A Belle Vie), além da Europa, sobe aos palcos em algumas montagens latino-americanas.

Com Arte Final, Queiroz como que ajusta contas com o mundo da publicidade, atividade que bem conhece em sua longa carreira de profissional da área. Desde 1957 trabalha - como empregado ou proprietário - em diversas empresas do setor. As trapaças e negociatas que intermediam a oferta de produtos metaforizam-se sobre o protagonista, um criador de mitos que vê sua situação existencial falir e desintegrar-se. Novamente com Antonio Fagundes no desempenho central, a montagem sobe à cena em 1978, com direção de Cecil Thiré

Completam as obras do autor A Heróica Pancada, texto sobre um grupo de ex-alunos da Faculdade de Direito, proibido em 1973, ainda inédito; Um Trágico Acidente, encenado sem repercussão em 1976; e o infantil A Revolta dos Perus, de 1985.

Analisando em sua tese a atuação dramatúrgica de Queiroz, afirma o professor Marco Antônio Guerra: "Trabalhando o conteúdo histórico sob as mais variadas formas - do musical à tragédia, da chanchada ao drama - e utilizando todos os recursos possíveis - colagens, adaptações, documentos, depoimentos etc. - Carlos Queiroz Telles aponta também para uma nova forma de autor no Brasil pós-64: não mais aquele criador único, de significados únicos, com uma trajetória de vida linear, mas sim, como indivíduo construído e reconstruído por fatores sociais e ideológicos, cuja identidade não paira acima desses fatores e nem se desenvolve por uma lógica interna autônoma. Pelo contrário, é na relação profunda entre as estruturas existentes e sua produção dramatúrgica que reside grande parte de sua importância no quadro da cultura brasileira. [...] Queiroz faz o teatro possível: aquele que ele próprio denomina Teatro de Eficiência".1

Notas

1. GUERRA, M. A. Carlos Queiroz Telles: história e dramaturgia em cena: década de 70. São Paulo: Annablume, 1993, p. 23.

Obras 1

Abrir módulo

Espetáculos 47

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 15

Abrir módulo
  • A PONTE. São Paulo: Teatro Oficina Uzyna Uzona, [1958]. 1 programa do espetáculo realizado no Teatro Novos Comediantes.
  • ALBUQUERQUE, Johana. Carlos Queiroz Telles. In: ______. Enciclopédia do teatro brasileiro contemporâneo. São Paulo, 2000. Material elaborado em projeto de pesquisa para a Fundação Vitae.
  • AS MOSCAS. São Paulo: Teatro Oficina Uzyna Uzona, [1959]. 1 programa do espetáculo realizado no Teatro de Alumínio.
  • CENTRO CULTURAL SÃO PAULO. Divisão de Pesquisas. Cronologia das artes em São Paulo 1975-1995: Artes cênicas - Teatro. São Paulo: Centro Cultural São Paulo, 1996. (Cronologia das artes em São Paulo, 3).
  • FRASER, Etty. Etty Fraser. São Paulo: [s.n.], s.d. Entrevista concedida a Rosy Farias, pesquisadora da Enciclopédia Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileira. Não Catalogado
  • GUERRA, M. A. Carlos Queiroz Telles: história e dramaturgia em cena: década de 70. São Paulo: Annablume, 1993.
  • O GUICHÊ. São Paulo: Teatro Oficina Uzyna Uzona, [1958]. 1 programa do espetáculo realizado em São Paulo.
  • O Jogo do Poder. São Paulo: s.l., 1974. 1 programa de espetáculo. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - A Grande Imprecação Diante dos Muros da Cidade - 2007. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Muro de Arrimo - 1975. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Torre de Babel - 1977. Não catalogado
  • RICARDO III. Campinas, 1975. [s.n.]. 1 programa do espetáculo realizado no Teatro Municipal José de Castro Mendes. Não catalogado
  • TELLES, Carlos Queiroz. A revolta dos perus. 3. ed. Rio de Janeiro: Agir, 1999. Não catalogado
  • TELLES, Carlos Queiroz. Tirando de letra: um manual de sobrevivência na selva da comunicação, publicidade, teatro, jornalismo, televisão. São Paulo: Nova Cultural, 1993.
  • À Margem da Vida. São Paulo: s.l., 1976. 1 programa de espetáculo. Não catalogado

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: