Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Maria Jacintha

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
27.09.1906 Brasil / Rio de Janeiro / Cantagalo
20.12.1994 Brasil / Rio de Janeiro / Niterói
Maria Jacintha Trovão da Costa Campos (Cantagalo RJ 1906 - Niterói RJ 1994). Autora, crítica, ensaísta e tradutora e diretora. Artista que participa do período de modernização do teatro, trabalhando no Teatro do Estudante do Brasil (TEB) e fundadora do Teatro de Arte do Rio de Janeiro e do Teatro Fluminense de Arte.

Texto

Abrir módulo

Biografia
Maria Jacintha Trovão da Costa Campos (Cantagalo RJ 1906 - Niterói RJ 1994). Autora, crítica, ensaísta e tradutora e diretora. Artista que participa do período de modernização do teatro, trabalhando no Teatro do Estudante do Brasil (TEB) e fundadora do Teatro de Arte do Rio de Janeiro e do Teatro Fluminense de Arte.

Assume a direção do TEB, em 1940, quando Paschoal Carlos Magno se ausenta do Brasil. Sob sua direção, estreia Cacilda Becker, e Sandro Polloni faz seus primeiros cenários. Dulcina de Moraes e Esther Leão são suas ensaiadoras. Funda o Teatro de Arte do Rio de Janeiro, em 1947, junto com Dulcina e Odilon Azevedo, companhia em que se lançam os estreantes Nicette Bruno, Fernanda Montenegro, Kléber Machado e Mauro Mendonça. Funda o Teatro Fluminense de Arte. Suas peças são encenadas pelas companhias Dulcina-Odilon, Jaime Costa e Iracema de Alencar-Álvaro Pinto. O Gosto da Vida, que estréia em 1938, recebe o 1º Prêmio de Teatro da Academia Brasileira de Letras (ABL). Na década de 1950, escreve para rádio-teatro e suas peças vão ao ar pela Rádio Nacional. Sua tradução de As Três Irmãs, de Anton Tchekhov, em 1953, ganha a medalha do Serviço Nacional de Teatro (SNT).

Com a pintora e jornalista Silvia Chalréo, funda e dirige a revista Esfera. Colabora com diversos periódicos - O Globo, Correio da Manhã, O Jornal, Jornal do Commercio, Revue Française du Brésil, entre outros.

Traduz, do francês e do russo, peças que são publicadas e encenadas, entre elas: Anfitrião 38, de Jean Girandoux; Jezebel, de Jean Anouilh; O Sapato de Cetim, de Paul Claudel; Estado de Sítio, de Albert Camus.

Libertária e pacifista, discute em suas peças os direitos da mulher e a motivação das guerras. O jornalista Genolino Amado escreve sobre Convite à Vida, encenada pela Companhia Dulcina-Odilon em 1945: "Há, na peça da Senhora Maria Jacintha, uma qualidade literária e uma alerteza, diante das questões políticas do momento, que a distinguem e, mesmo, a singularizam em nosso repertório atual, tão escasso de obras assim. [...] há, em verdade, um convite ao que honra e enobrece a vida moderna - isto é, a desinteressada meditação diante da sorte do mundo, neste pós-guerra [...]".1

Na opinião de Mário de Andrade, "a autora faz questão de manifestar durante todo o texto uma imparcialidade absoluta, permitindo que as personagens exponham seus pontos-de-vista e se revelem".2

Notas
1. Texto publicado em JACINTHA, Maria. Conflito. Porto Alegre: Tucano, 1939.

2. Ibid.

Espetáculos 17

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • GUERINI, Elaine. Nicette Bruno & Paulo Goulart: tudo em família. São Paulo: Cultura - Fundação Padre Anchieta: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2004. 256 p. (Aplauso Perfil). 792.092 G932n
  • JACINTHA, Maria. Rio de Janeiro: Funarte / Cedoc. Dossiê Personalidades Artes Cênicas.
  • RODRIGUES, Marise. Maria Jacintha: ressonâncias & memórias - dramaturgia brasileira de autoria feminina do século XX. Rio de Janeiro: Eduff, 2010. 347 p.
  • VARGAS, Maria Thereza. Pequena biografia redigida sobre Maria Jacintha. São Paulo, maio 2002.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: