Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Kiko Farkas

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 30.11.2020
15.11.1957 Brasil / São Paulo / São Paulo
Ricardo Farkas (São Paulo, São Paulo, 1957). Designer gráfico e ilustrador. É filho de Thomas Farkas (1924-2011), pioneiro da fotografia moderna no Brasil. Em 1976, ingressa na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU/USP). Tem formação artística com Luiz Paulo Baravelli (1942), Frederico Nasser (1945) e Carlos Faja...

Texto

Abrir módulo

Ricardo Farkas (São Paulo, São Paulo, 1957). Designer gráfico e ilustrador. É filho de Thomas Farkas (1924-2011), pioneiro da fotografia moderna no Brasil. Em 1976, ingressa na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU/USP). Tem formação artística com Luiz Paulo Baravelli (1942), Frederico Nasser (1945) e Carlos Fajardo (1941). Em 1977, frequenta o ateliê de gravura em metal de Sérgio Fingermann (1953) e estuda aquarela e xilogravura com Renina Katz (1925). Em 1979, frequenta o curso de desenho da Arts Students League, em Nova York, Estados Unidos. A partir de 1980, trabalha na imprensa escrita como diretor de arte e desenvolvendo projetos gráficos como free-lancer. Em 1982, conclui o curso de arquitetura. Em 1984, cria a identidade visual da Fotoptica. Três anos depois, inaugura o escritório Máquina Estúdio, dedicado ao design editorial, e desenvolve trabalhos para diversos clientes, como o Festival Videobrasil, o Instituto Moreira Salles (IMS), Editora DBA, Fotoptica e Companhia das Letras.

Entre 2003 e 2007, produz uma série de cartazes para divulgação de concertos da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp), na Sala São Paulo. Em 2004, realiza a primeira exposição individual, Imagens da Música: 50 Cartazes criados para a Osesp, no Instituto Tomie Ohtake. 

Em 2005, vence o concurso para criação da marca Brasil, programa de identidade visual corporativa para o setor de turismo. Em 2006, a convite do Ministério da Cultura (MinC), atua como cocurador do pavilhão brasileiro na feira Designmai, no programa Copa da Cultura, em Berlim. A Máquina Estúdio colabora frequentemente com a Companhia das Letras, para a qual, em 2007, cria novo projeto gráfico da reedição das obras de Jorge Amado (1912-2001).

Kiko Farkas é um dos fundadores da Associação dos Designers Gráficos do Brasil (ADG) e, desde 2006, membro da Alliance Graphique Internationale (AGI). Em 2007, em parceria com Elisa Cardoso, recebe o Prêmio Jabuti de 2007, concedido pela Câmara Brasileira do Livro, pela capa do livro Ferdydurke, do escritor polonês Wiltod Gombrowicz (1904-1969). Em 2008, conquista o Prêmio Aloísio Magalhães, oferecido pela Biblioteca Nacional, pelo projeto gráfico do livro Antigos e Soltos, de Ana Cristina Cesar (1952-1983), publicado pelo Instituto Moreira Salles (IMS). Em 2009, lança o livro Cartazes Musicais, pela editora Cosac & Naify.

Análise

A formação artística de Kiko Farkas diferencia-se da de outros designers de sua geração. Como observa o companheiro de profissão, Ricardo Ohtake (1942), Farkas é um designer que desenha. Entre suas influências, estão o desenhista belga Hergé (1907-1983) e o estadunidense Saul Steinberg (1914-1999), os artistas gráficos estadunidenses Paul Rand (1914-1996) e Milton Glaser (1929), o francês A.M. Cassandre (1901-1968) e os poloneses Roman Cieslewicz (1930-1996) e Henryk Tomaszewski (1914-2005), além do japonês Shigeo Fukuda (1932-2009).

Nos primeiros trabalhos como autônomo, a exemplo do cartaz para o documentário Hermeto Campeão, de 1981, é notável a presença do traço à mão livre. Assim como Steinberg, Kiko Farkas opta pelo desenho de linha, limpo, exato e expressivo.

Farkas adota visão funcionalista do design: crê na atuação do profissional como técnico que resolve problemas. Dessa concepção deriva o nome Máquina dado a seu estúdio. Seus projetos possuem o rigor e a precisão necessários para a reprodução industrial bem-sucedida e para comunicar-se de modo eficiente com o público.

A manipulação sofisticada da imagem fotográfica é outra característica do designer. Nota-se a preferência pela fotografia em preto e branco e pelo uso de duotone 1. Este recurso é empregado nos catálogos criados para o Instituto Moreira Salles, nos projetos editoriais da DBA e capas de livros, como as da coleção de Jorge Amado, para Companhia das Letras.

O cartaz é uma peça gráfica recorrente na trajetória designer. Ele participa de diversas exposições internacionais de pôsteres desde os anos 1990. No conjunto da obra, destaca-se a série de quase 300 cartazes criados para a Osesp, entre 2003 e 2007. Com a tarefa de transmitir a música por meio da imagem, Kiko Farkas emprega múltiplos conceitos e procedimentos comuns às construções musical e visual – ritmo, harmonia, contraste, precisão, complexidade, vibração, contraponto. 

Entre os recursos de linguagem visual, destacam-se: elementos geométricos formando padrões, texturas sobrepostas de elementos da natureza, pinceladas ou desenhos gestuais, fotografias recortadas ou com tratamento de cor e tipografias combinadas em arranjos acidentais. Ainda que divididos em subgrupos temáticos, o designer revisita e apropria-se de estilos da história do design gráfico, conferindo identidade ao conjunto dos cartazes que produz. A precisão tipográfica contribui para garantir a unidade do conjunto.

O estudioso João de Souza Leite afirma que a estética moderna está presente nos cartazes musicais de Kiko Farkas, e é nítida a referência aos mestres da escola Suíça, dos anos de 1950 e 1960 – como Emil Ruder (1914-1970), Josef Müller-Brockmann (1914-1996), Armin Hofmann (1920) e Karl Gerstner (1930-2017) –, com suas lições de estrutura e sistematização. 

 

 

Notas

1. O duotone é recurso de reprodução de meios tons de uma imagem. Essa técnica utiliza a sobreposição de uma cor contrastante em relação à outra.

Exposições 6

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 9

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: