Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Fernando Mello da Costa

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 18.01.2021
14.09.1950 Brasil / Rio Grande do Sul / Pelotas
2019 Brasil / Rio Grande do Sul / Pelotas
Fernando Mello da Costa (Pelotas, Rio Grande do Sul, 1950 - idem, 2019). Cenógrafo. Com uma trajetória ligada ao experimentalismo e à pesquisa, atua junto a diretores como Bia Lessa, Enrique Diaz e Moacir Chaves.

Texto

Abrir módulo

Biografia

Fernando Mello da Costa (Pelotas, Rio Grande do Sul, 1950 - idem, 2019). Cenógrafo. Com uma trajetória ligada ao experimentalismo e à pesquisa, atua junto a diretores como Bia Lessa, Enrique Diaz e Moacir Chaves.

Com formação autodidata, cria e realiza a impactante cenografia dos principais espetáculos da diretora Bia Lessa: Ensaio nº 2 - O Pintor, de Lygia Bojunga (1932), 1985; Ensaio nº 3 - Idéias e Repetições - um Musical de Gestos, 1986; Exercício nº 1, roteiro de Bia Lessa, e Ensaio nº 4 - Os Possessos, de Dostoievski, 1987; Cena de Origem, de Haroldo de Campos (1929 - 2003), e Orlando, adaptação de Sérgio Sant'anna da obra de Virgínia Woolf, ambos de 1989. Em 1991, o cenário de Cartas Portuguesas, de Mariana Alcoforado, lhe vale os prêmios Shell e Associação Paulista de Críticos de Artes, APCA. Com Bia Lessa, trabalha ainda em Don Giovanni, ópera de Mozart, 1992, e Viagem ao Centro da Terra, de Júlio Verne, 1993. Com o diretor Jefferson Miranda e sua companhia Teatro Autônomo, faz Mann na Praia, 1992, Minha Alma É Imortal, 1994, 7x2=y - Uma Parábola que Passa pela Origem, 1995, A Noite de Todas as Ceias, 1996, todos com textos coletivos. Para o diretor Moacir Chaves, concebe os cenários de Sermão da Quarta-Feira de Cinzas, de Padre Antônio Vieira, 1994, O Altar do Incenso, de Wilson Sayão, e Bugiaria - O Processo de João Cointa, de Moacir Chaves, ambos de 1999, e, em 2001, A Resistível Ascensão de Arturo Ui, de Bertolt Brecht, e Viver!, com textos de Machado de Assis (1839 - 1908). O cenário de Bugiaria, feito de restos de diversos cenários, é, na opinião da crítica Barbara Heliodora, "dos mais atraentes, evocando apenas o insólito, não o específico".1 Para a Companhia dos Atores, dirigida por Enrique Diaz, cria o cenário de Melodrama, de Filipe Miguez, 1995, em que cerca o palco com painéis sobre rodas, manipulados pelos atores. Este princípio da dinâmica visual e da mutabilidade cenográfica retorna em A Resistível Ascensão de Arturo Ui, com biombos-portas, caixotes de metal e passarelas na platéia. Em Hamlet, de William Shakespeare, 2001, ele experimenta o elemento épico por meio de uma passarela que rompe com os limites da caixa teatral e amplia o espaço da encenação de Marcus Alvisi. No espetáculo de Moacir Chaves, Inutilezas, de Manoel de Barros (1916), 2002, cria um percurso de argila e de objetos que colabora com o aspecto lúdico da encenação. O crítico Macksen Luiz comenta seu trabalho em O Homem que Viu o Disco Voador, de Flávio Márcio, sob a direção de Aderbal Freire Filho, 2001: "E, por mais paradoxal que possa parecer, no palco íntimo do teatro da Casa da Gávea o cenógrafo Fernando Mello da Costa colaborou intensamente para que o hiper-realismo também se instalasse no espaço cênico. O banco que se desmembra, criando comprimentos que aproximam ou afastam personagens, e as janelas espelhadas, que devolvem a imagem daquilo que se vê de si mesmo, criam, com a luz de Aurélio de Simoni, densidade visual, estabelecendo correspondência dramática tão bem conjugada à concepção do diretor".2

Funda, junto com Guti Fraga, o grupo de teatro Nós do Morro, na comunidade do Vidigal, no Rio de Janeiro, onde mantém uma oficina de cenografia e trabalha eventualmente como diretor de espetáculos. Participa da representação de cenógrafos brasileiros na exposição Espaço da Cena Latino Americana, Memorial da América Latina, São Paulo, em 1998, e da Quadrienal de Cenografia de Praga, República Tcheca, 1999.

Notas

1. HELIODORA, Barbara. Passado do Brasil revisto com humor e criatividade. O Globo, Rio de Janeiro, 13 dez. 1999.

2. LUIZ, Macksen. O hiper-realismo do cotidiano. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 20 ago. 2001.

Espetáculos 59

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 13

Abrir módulo
  • COSTA, Fernando Mello da. Currículo enviado pelo cenógrafo.
  • EICHBAUER, Hélio. [Currículo]. Enviado pelo artista em 24 de abril de 2011. Espetáculo / ópera: Don Giovanni - 1991. Não catalogado
  • LUIZ, Macksen. Palavras sutis em jogo lúdico. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 12 abr. 2002.
  • LUIZ, Macksen. Personagem feito à base de intuição. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 22 abr. 2001.
  • LUIZ, Macksen. Um confuso jogo de parábolas. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 17 jan. 2001.
  • Planilha enviada pela pesquisadora Rosyane Trotta. Não Catalogado
  • Planilha enviada pelo pesquisador Márcio Freitas. Não Catalogado
  • Programa do Espetáculo - As Centenárias - 2007. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Bugiaria - o Processo de João Cointa - 1999. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Coração Inquieto - 2002. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Hamlet - 2008. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Os Dois Cavaleiros de Verona - 2006. Não Catalogado
  • VISÃO CARIOCA. Rio de Janeiro.Disponível em: . Acesso em : 5 de maio de 2011. Não catalogado

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: