Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Alberto Nepomuceno

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 26.02.2019
06.07.1864 Brasil / Ceará / Fortaleza
16.10.1920 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Alberto Nepomuceno (Fortaleza, CE, 1864 - Rio de Janeiro, RJ, 1920). Compositor, pianista, organista, professor. Aos oito anos, muda-se com a família para o Recife e tem as primeiras lições de violino e piano com o pai, Victor Nepomuceno, violinista e ex-organista da catedral de Fortaleza. Prossegue os estudos com o maestro Euclides Fonseca, dir...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Alberto Nepomuceno (Fortaleza, CE, 1864 - Rio de Janeiro, RJ, 1920). Compositor, pianista, organista, professor. Aos oito anos, muda-se com a família para o Recife e tem as primeiras lições de violino e piano com o pai, Victor Nepomuceno, violinista e ex-organista da catedral de Fortaleza. Prossegue os estudos com o maestro Euclides Fonseca, diretor de concerto do Clube Carlos Gomes, cargo assumido por Alberto Nepomuceno em 1882. Dois anos mais tarde, retorna a Fortaleza. Integrante de uma sociedade abolicionista, tem seu pedido de bolsa para estudar na Europa negado pelo governo do Ceará. Em 1885, parte para o Rio de Janeiro, onde dá aulas de piano e toca em saraus para sobreviver. Faz a primeira apresentação como pianista no Clube Beethoven1 e passa a lecionar piano nessa sociedade no ano seguinte. Torna-se amigo do escultor Rodolfo Bernardelli e do violoncelista Francisco Nascimento, que, em 1887, o acompanha numa série de recitais pelo Nordeste do Brasil. Datam desse ano suas primeiras composições, entre elas Mazurca, para violoncelo e piano; Prece, para orquestra; e Dança de Negros, para piano.

A renda obtida na turnê pelo Nordeste, somada à ajuda financeira da família Bernardelli, custeia sua viagem à Europa, em 1888. Na Accademia Nazionale di Santa Cecilia [Academia Santa Cecília], em Roma, estuda harmonia, com Eugenio Terziani e Cesare de Sanctis, e piano, com Giovanni Sgambati. Em 1890, conquista o terceiro lugar no concurso para a escolha do Hino à Proclamação da República. O prêmio (200 mil-réis mensais, durante quatro anos) permite-lhe fixar-se em Berlim e estudar composição na Escola Superior de Música, de 1890 a 1892, e órgão, composição e piano no Conservatório Stern, entre 1892 e 1894. Nas férias, tem aulas de alta interpretação pianística com Theodor Lechetitzki, em Viena. Lá conhece a pianista norueguesa Walborg Bang, com quem se casa, em 1893. Segue para a Noruega e se hospeda na casa do compositor Edvard Grieg. Rege a Filarmônica de Berlim nas provas finais do conservatório, em 1894, executando Scherzo e Suíte Antiga, de sua autoria. Em Paris, tem aulas com o organista Alexandre Guilmant, de 1894 a 1895, e assiste à estreia mundial do Prélude à l'Après-Midi d'un Faune, de Claude Debussy. Apresenta essa peça em primeira audição no Brasil, em 1908.

De volta ao Rio, em 1895, torna-se professor de órgão do Instituto Nacional de Música (INM), e realiza um recital de canções suas em português. Passa a lutar pela nacionalização da música brasileira por meio do idioma, polemizando com o crítico Oscar Guanabarino - defensor do canto em italiano. Nepomuceno assume a direção da Associação de Concertos Populares em 1896 e promove recitais com repertórios europeu e brasileiro. Em 1897, estreia várias de suas composições sinfônicas, entre elas a Sinfonia em Sol Menor, As Uiaras (coro feminino e orquestra) e a Série Brasileira, de clara orientação nacionalista. No ano seguinte, rege a Missa Festiva, do padre José Mauricio Nunes Garcia, compositor cuja obra ajuda a restaurar. Entre 1902 e 1903, torna-se diretor do INM, cargo que retoma em 1906 e exerce até 1916. Promove no INM o primeiro concerto de violão de Catulo da Paixão Cearense, em 1908, e causa grande polêmica.

Em 1913, sua ópera Abul, de 1905, estreia em Buenos Aires, segue para Montevidéu, Rio de Janeiro e São Paulo, e é executada em Roma, em 1915. É um dos primeiros a divulgar a obra de Heitor Villa-Lobos, incluindo-a nos concertos no Theatro Municipal, em 1917, além de promover suas primeiras edições. Em setembro de 1920, semanas antes da morte de Nepomuceno, Richard Strauss (1864-1949) rege no Theatro Municipal do Rio de Janeiro o prelúdio da ópera O Garatuja, de 1904 - baseada em romance de José de Alencar -, que o compositor brasileiro não chega a concluir.

 

Comentário Crítico
Conhecido como "precursor do nacionalismo", Alberto Nepomuceno é lembrado na historiografia musical como um dos primeiros compositores a empregar ritmos, gêneros e temas "caracteristicamente brasileiros", ao lado do paulista Alexandre Levy e do paranaense Itiberê da Cunha. Embora use recursos oriundos das músicas francesa e alemã, sobretudo no tocante à forma e harmonia, Nepomuceno procura mimetizar em algumas obras certo "sotaque brasileiro", apropriando-se particularmente da música popular, tanto urbana quanto folclórica. Sua Galhofeira, para piano solo, 1894, por exemplo, é um maxixe. Já a Série Brasileira, de 1897, considerada por alguns como o marco inicial do nacionalismo, mescla temas folclóricos, gêneros urbanos cariocas, melódica nordestina e ritmos afro-brasileiros. Dividida em quatro partes - Alvorada na Serra, Intermédio, Sesta na Rede e Batuque, a mais famosa, um reaproveitamento da Dança de Negros - a Série desagrada à crítica mais ortodoxa da época, escandalizada com a presença de um reco-reco na última delas.

Embora se baseie numa escuta relativamente intuitiva das sonoridades então presentes na sociedade brasileira, Nepomuceno é um dos pioneiros na valorização do estudo sistemático da música popular. Onze anos antes da publicação do Ensaio sobre a Música Brasileira, de Mário de Andrade, em 1928, ele destaca a importância da pesquisa de campo e do estudo analítico das peças coletadas. Em depoimento à revista Época Teatral, em 1917, lamenta que a parte musical dos estudos folclóricos seja muito superficial, talvez por desconhecimento técnico dos pesquisadores. Afirma ainda possuir cerca de "oitenta cantos populares e danças", recolhidos em diversas regiões do Brasil, que tem "estudado e classificado". Desse trabalho, extrai algumas recorrências harmônico-melódicas da música brasileira, que são empregadas em suas composições. É o caso do sétimo grau abaixado, bastante comum na música popular nordestina, mas notado pela primeira vez na música erudita na citada Sesta na Rede; ou o quarto grau aumentado (trítono), utilizado na construção melódica do ciclo Le Miracle de la Semence, de 1917, e da canção A Jangada, de 1920.

Para alguns autores, porém, a principal contribuição de Nepomuceno é a criação de uma canção baseada no idioma falado e cantado no Brasil, mais do que no folclore. Isso diferencia "seu" nacionalismo daquele surgido nos anos 1920, que tem em Mário de Andrade o principal teórico. Com efeito, depois da Série Brasileira, Nepomuceno não volta a usar elementos folclóricos de maneira tão explícita. Em vez disso, procura fundir, em suas obras, a musicalidade do idioma com elementos da vanguarda francesa e do nacionalismo europeu. Desse modo, reproduz no Brasil o processo que teria originado o lied2 romântico na Alemanha. Em A Jangada, por exemplo, emprega o recurso - muito comum em Schubert - de sugerir uma "paisagem" no acompanhamento pianístico, mimetizando o movimento da embarcação na água do mar. A relação entre melodia e letra se explicita na cuidadosa adequação entre a prosódia brasileira e a melodia das canções, mesmo quando elas têm um quê inegavelmente alemão.

Vários estudiosos destacam a modernidade da obra de Nepomuceno, só recentemente admitida pela historiografia. Considerado, em vida, um compositor moderno, é esquecido após a morte, solapado pelo modernismo nacionalista iniciado com a Semana de Arte de 1922, que o julga romântico e passadista, relegando sua importância à de mero "precursor". Por um lado, essa interpretação nega a especificidade do nacionalismo nepomuceniano, que muito pouco se parece com aquele dos anos 1920. Por outro, ignora-se que é ele o responsável pela introdução, na música brasileira, de alguns dos mais modernos recursos técnicos então existentes na Europa. A escala de tons inteiros, utilizada por Debussy pela primeira vez no Prélude à l'Après-Midi d'un Faune, de 1894, é empregada por ele, cinco anos mais tarde, na canção Oração ao Diabo, 1899, bem como na ópera Abul, 1905, no Trio, 1916, em fá sustenido menor, e na cantata O Milagre da Semente, 1916-1917.

Um outro recurso característico da vanguarda europeia da virada do século, a harmonia suspensa,3 é perceptível nas canções Oraison, 1894, que se inicia com um acorde de nona seguido de dois acordes aumentados, criando um efeito de ambiguidade harmônica, e Einklang, 1894, que parece escrita em lá menor, embora esse acorde não seja usado em posição fundamental em nenhum momento da peça, que termina em mi maior. Nepomuceno é também o primeiro compositor brasileiro a fazer uso da bitonalidade,4 em Variações sobre um Tema Original, de 1902. Ele é responsável pela primeira execução, em 1908, de peças de autores contemporâneos europeus,especialmente franceses e russos, como Claude Debussy, Paul Dukas, Nikolai Rimsky-Korsakov e outros. Mais um dado biográfico que reforça sua proximidade com a música moderna europeia é o projeto, iniciado em 1916, de tradução do Tratado de Harmonia, de Arnold Schoenberg, que Nepomuceno tenta, sem sucesso, introduzir no programa do INM.

Além das canções, Nepomuceno produz importantes composições pianísticas e de câmara. Seus quatro Quartetos são considerados o ponto alto de sua obra, ao lado das Variações para Piano.

 

Notas
1 Inaugurado em 1882, em uma casa no bairro do Catete, o Clube Beethoven abriga saraus íntimos com grandes nomes da literatura e da música erudita do Rio de Janeiro, entre os quais figuram o escritor Machado de Assis e o editor Artur Napoleão.

2 Lied: canção romântica alemã, para voz e piano, composta sobre poema estrófico. Inspira-se na música popular e se caracteriza pela união expressiva entre melodia e letra, bem como pelo equilíbrio e complementaridade entre voz e piano. Tem em Schubert e Schumann seus principais expoentes.

3 Harmonia suspensa: recurso composicional que consiste em "disfarçar" ou tornar ambígua a tonalidade da peça, por meio da não utilização de cadências (movimentos de tensão e resolução que reforçam a existência de um centro tonal, indicado no repouso) e da sobreposição de acordes "errantes" (acordes tensos que podem se resolver em diferentes direções).

4 Bitonalidade: sobreposição de suas tonalidades (no caso das Variações, ela se nota no uso simultâneo das tonalidades de fá maior e menor).

Obras 12

Abrir módulo

Espetáculos de dança 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo
  • CACCIATORE, Olga. Dicionário biográfico de música erudita brasileira. Rio: Forense Universitária, 2005, p. 300-3.
  • CORREA, Ségio Alvim. Alberto Nepomuceno: catálogo geral. Rio de Janeiro: Funarte, 1996.
  • ENCICLOPÉDIA da música brasileira: erudita, folclórica e popular. 2. ed., rev. ampl. Organização Marcos Antônio Marcondes. São Paulo: Art Editora, 1998.
  • GOLDBERG, Luiz Guilherme. Uma garatuja entre o Wotan e o Fauno: Alberto Nepomuceno e o modernismo musical no Brasil. Tese de Doutorado. Porto Alegre: IA-UFRGS, 2007.
  • PEREIRA, Avelino Romero. Música, sociedade e política: Alberto Nepomuceno e a república musical. Rio de Janeiro, Ed. da UFRJ, 2007.
  • PIGNATARI, Dante. Canto da língua: Alberto Nepomuceno e a criação da canção brasileira. Tese de Doutorado. São Paulo: FFLCH-USP, 2009.
  • SOUZA, Rodolfo Coelho de. "Aspectos da modernidade na música de Nepomuceno relacionado ao projeto de tradução do Harmonielehre de Schoenberg". In: Em Pauta. Porto Alegre, v. 17, n. 29, jul.-dez. 2006, p. 63-81.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: