Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Gerd Bornheim

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
19.11.1929 Brasil / Rio Grande do Sul / Caxias do Sul
05.09.2002 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Em 1951, gradua-se em filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUC/RS, em Porto Alegre, cidade na qual reside desde os 16 anos. Sua formação tomista proporciona-lhe familiaridade com os clássicos e o aprendizado de latim e grego. Como bolsista do governo francês, chega a Paris, em 1953, para estudar na universidade ...

Texto

Abrir módulo
Biografia
Gerd Albert Bornheim (Caxias do Sul RS 1929 - Rio de Janeiro RJ 2002). Filósofo, professor e ensaísta. Realiza importantes trabalhos sobre teatro e reflexão estética, que se tornam referência fundamental para a apreensão e compreensão de diversos aspectos da área teatral, entre eles, o sentido do trágico, a estética brechtiana e o teatro contemporâneo. Como escritor, destaca-se pela densidade e clareza de sua análise crítica e, como conferencista, atrai plateias numerosas por sua competência filosófica e capacidade de comunicação.

Em 1951, gradua-se em filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUC/RS, em Porto Alegre, cidade na qual reside desde os 16 anos. Sua formação tomista proporciona-lhe familiaridade com os clássicos e o aprendizado de latim e grego. Como bolsista do governo francês, chega a Paris, em 1953, para estudar na universidade Sorbonne e entra em contato com o pensamento filosófico contemporâneo. Nos cursos de Jean Hyppolite e Jean Wahl, conhece a obra de Martin Heidegger. Convive com intelectuais consagrados como Merleau-Ponty, Piaget e Bachelard. No ano seguinte, transfere-se para Oxford para cursar filosofia política e literatura inglesa contemporânea e em 1955, frequenta aulas de arte e cultura gótica na Universidade de Freiburg im Breisgaus, na Alemanha.

Retorna ao Brasil, em 1955, para lecionar filosofia na Universidade do Rio Grande do Sul - URGS e um ano depois integra o corpo docente da PUC/RS. Começa a publicar artigos em suplementos literários de periódicos da imprensa, produção que, por vezes, serve de matéria-prima para seus futuros ensaios.

O Curso de Estudos Teatrais da Faculdade de Filosofia da URGS, criado em dezembro de 1957, é efetivado pelo reitor Elyseu Paglioli, que convida o diretor e teórico italiano Ruggero Jacobbi para assumir a direção e ministrar as disciplinas de teoria e história do teatro e direção teatral. Jacobbi desdobra o Curso de Estudos Teatrais em dois setores: o Curso de Cultura Teatral, destinado a professores, intelectuais, estudantes e pessoas interessadas em conhecer e analisar os problemas do teatro, e o Curso de Arte Dramática - CAD, destinado exclusivamente à formação de atores.1

Bornheim relata como começa o seu interesse por teatro e o contato com Ruggero Jacobbi: "[...] foi um acidente, sempre gostei muito de teatro e de música. [...] Nós ficamos muito amigos. Ruggero, na parte prática, não era tão bom, mas era um teórico maravilhoso. Comecei a assistir umas aulas suas à noite e depois saíamos para tomar uma cervejinha, comer uma macarronada, e fui gostando daquilo. Ele montou o Egmont de Goethe e Cacilda Becker levou Maria Stuart. Tudo foi feito concomitantemente: a escola e as montagens. Ruggero obrigou-me a fazer uma série de conferências sobre Goethe e Schiller, e, com isso, fiquei ligado também ao teatro. Logo comecei a escrever uns ensaios menores sobre teatro. Aí aconteceu uma fatalidade: Ruggero simplesmente desapareceu do Brasil sem se despedir de ninguém, sumiu. Então a coisa sobrou para mim, porque ele dava teoria do teatro. Fui obrigado a dar teoria do teatro e acabei diretor da escola. Isso foi um desvio muito interessante para mim".2

Ruggero Jacobbi regressa a Roma, em 1960, e Gerd Bornheim assume a direção da escola até 1969, sendo responsável inicialmente pelas "aulas de teorias do ator: estética e poética da encenação"3 e, mais tarde, por "história e estética do teatro".4 O filósofo inaugura um promissor percurso ensaístico ao escrever seu primeiro livro Aspectos Filosóficos do Romantismo, em 1959, acerca do romantismo alemão e do teatro ocidental do século XX. Em 1961, publica a tese apresentada no concurso para livre-docência de filosofia na faculdade da UFRGS, com o título Motivação Básica e Atitude Originante do Filosofar, texto cuja nova edição, em 1970, sai com o título Introdução ao Filosofar.

Em 1965, lança O Sentido e a Máscara, reunindo artigos escritos na década de 1960 sobre o teatro contemporâneo, o teatro de vanguarda, Ionesco, o expressionismo, o trágico, Kleist, Goethe e Brecht. Segundo o filósofo João Vicente Ganzarolli de Oliveira: "À guisa de síntese, podemos dizer que o nosso autor é movido por uma mesma pergunta em todos os nove artigos independentes que compõem O Sentido e a Máscara: 'Qual a situação do teatro hoje?' É uma pergunta geradora, espontaneamente desdobrável em novas interrogações concernentes ao mesmo assunto focalizado. [...] O intuito de Gerd concentra-se na busca de um denominador comum para a arte teatral do século XX, ao menos no tocante às próprias idiossincrasias que tornam difícil a sua compreensão".5

É cassado em novembro de 1969, não porque tenha algum envolvimento com organizações políticas clandestinas, mas por influenciar com suas ideias os jovens universitários que participam da resistência à ditadura militar. Na onda de repressão que se segue ao golpe de 1964 e se agrava no fim de 1968, com o AI-5, acaba impedido de trabalhar como professor. Passa dois anos dando aulas em um curso pré-vestibular e todos os meses é chamado para depor na Polícia Federal.

Aceita o convite para dar aulas no Instituto de Filosofia da Universidade de Frankfurt onde leciona durante um semestre letivo, em 1972. Vai para Paris, lá mora por quatro anos, e para sobreviver dá aulas de alemão e cuida da organização de uma galeria de arte no Boulevard Saint-Germain. Retorna ao Brasil em 1976 e, após três anos, a anistia lhe permite retomar as atividades no magistério superior. Em 1979, é convidado a lecionar de filosofia na Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, na qual permanece de 1979 a 1991, depois se aposenta por tempo de serviço e começa a lecionar na Universidade do Rio de Janeiro - UERJ.

Publica, em 1983, Teatro: A Cena Dividida, em que reúne três ensaios, dirigidos aos estudantes e público não especializado. O primeiro fala sobre o caráter popular inerente às manifestações da teatralidade; o segundo discute as relações entre o teatro e a literatura, com questões em torno do teatro de texto e do teatro de espetáculo; e o terceiro apresenta um amplo painel sobre os aspectos fundamentais do teatro contemporâneo.

Gerd Bornheim dedica especial atenção a Bertolt Brecht e seu impacto no teatro do século XX no livro Brecht: A Estética do Teatro, publicado em 1992: "Quero transmitir ao leitor uma visão ampla das ideias estéticas de Brecht, respeitando sempre a prática e os confrontos que estão na origem e na maturidade daquelas ideias". Nesse livro o autor analisa o estético, o social e o especificamente teatral na obra de Brecht, em uma inédita perspectiva de abordagem.

Um de seus últimos livros, Páginas de Filosofia da Arte, publicado em 1998, reúne ensaios - que de acordo com a nota introdutória "nasceram de certa dispersão, ou da diversidade de interesses do autor"6 - escritos a partir de 1986 para jornais, revistas e obras coletivas. Os relacionados ao teatro discorrem sobre variados temas: Shakespeare, teatro besteirol, teatro experimental, Gerald Thomas e Brecht.

O teatro tem lugar de destaque na obra de Gerd Bornheim, como observa o teórico e diretor Luiz Carlos Maciel: "Depois da Filosofia, o que Gerd mais gostava era o Teatro. Quando era seu aluno, precisava de um local de ensaios para o espetáculo de Esperando Godot, de Beckett, que eu dirigia. Gerd emprestou logo o apartamento dele. Quando o Teatro Universal foi a um festival, no Recife, apresentando a peça A Cantora Careca, de Ionesco Abujamra, que era o diretor, convidou Gerd para fazer o papel de bombeiro, e ele aceitou; o filósofo tinha apreciável domínio de cena. [...] Hoje, no Brasil, qualquer discussão sobre teoria do teatro (e também outras questões estéticas) passam obrigatoriamente pelos escritos de Gerd".7

Notas
1. RAULINO, Berenice.Ruggero Jacobbi: presença italiana no teatro brasileiro. São Paulo: Perspectiva: Fapesp, 2002. p. 177-187.

2. NOBRE, Marcos; REGO, José Marcio (Org.). Conversas com filósofos brasileiros. São Paulo: Editora 34, 2000. p.49.

3. CALAGE, Eloi. O sentido e a máscara. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 30 jul. 1966.

4. BORNHEIM, Gerd. Páginas de filosofia da arte. Rio de Janeiro: Uapê, 1998. p. 255.

5. OLIVEIRA, João Vicente Ganzarolli de Oliveira. Arte e beleza em Gerd Bornheim. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2003. p.114-115.

6. BORNHEIM, Gerd. Páginas de filosofia da arte. Rio de Janeiro: Uapê, 1998. p. 9.

7. MACIEL, Luiz Carlos. A afirmação do efêmero. Gazeta Mercantil, São Paulo, 28 fev., 1 e 2 mar. 2003.

Espetáculos 3

Abrir módulo

Palestras 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • BORNHEIM, Gerd. Páginas de filosofia da arte. Rio de Janeiro: Uapê, 1998.
  • NOBRE, Marcos; REGO, José Marcio (Org.). Conversas com filósofos brasileiros. São Paulo: Editora 34, 2000.
  • OLIVEIRA, João Vicente Ganzarolli de Oliveira. Arte e beleza em Gerd Bornheim. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2003.
  • RAULINO, Berenice. Ruggero Jacobbi: presença italiana no teatro brasileiro. São Paulo: Perspectiva: Fapesp, 2002.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: