Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Rino Levi

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 16.04.2021
31.12.1901 Brasil / São Paulo / São Paulo
29.09.1965 Brasil / Bahia / Lençóis
Reprodução fotográfica André Seiti/Itaú Cultural

Edifício do Hospital Albert Einstein
Rino Levi

Rino Levi (São Paulo, São Paulo, 1901 - Lençóis, Bahia, 1965). Arquiteto e urbanista. Destaca-se por ter realizado projetos que conjugam inovações técnicas e soluções originais. Com participação intensa em órgãos de classe e na imprensa, contribui para a regulamentação do trabalho arquitetônico e para a consolidação da arquitetura moderna brasil...

Texto

Abrir módulo

Rino Levi (São Paulo, São Paulo, 1901 - Lençóis, Bahia, 1965). Arquiteto e urbanista. Destaca-se por ter realizado projetos que conjugam inovações técnicas e soluções originais. Com participação intensa em órgãos de classe e na imprensa, contribui para a regulamentação do trabalho arquitetônico e para a consolidação da arquitetura moderna brasileira.

Filho de imigrantes italianos, ingressa, em 1921, na Escola Preparatória e de Aplicação para os Arquitetos Civis, em Milão, Itália. Transfere-se, em 1924, para a Escola Superior de Arquitetura de Roma. Ainda estudante, publica no jornal O Estado de S. Paulo, em 1925, uma carta com o título Arquitetura e Estética das Cidades, considerada uma das primeiras manifestações por uma arquitetura moderna no Brasil. Ali surge uma característica presente ao longo de sua carreira: a vontade de construir um campo de atuação em que seja possível reconhecer a especificidade da arquitetura moderna brasileira.

Retorna ao Brasil em 1926. Inicia uma carreira independente em 1927, construindo pequenas residências e conjuntos de casas de aluguel para membros da comunidade italiana paulista. Sua primeira obra moderna construída é o Pavilhão da L. Queiroz (1931), na Feira de Amostras do Parque da Água Branca, mas é de 1934 um de seus projetos mais emblemáticos, o Edifício Columbus. Como condomínio de apartamentos para a cidade de São Paulo, o projeto inova ao dar tratamento a todas as fachadas (e não só à fachada frontal) e ao desenvolver a relação interior/exterior. Levi projeta uma série de edifícios residenciais, sempre levando em conta a construção do espaço urbano, a integração com a paisagem e a setorização da planta por função.

Em 1936, é construído o Cine Ufa-Palácio, projeto que contempla necessidades técnicas, como a acústica. O sucesso alcançado por essa inovação lhe abre portas para um novo programa. Seus projetos são divulgados em publicações como a Revista Politécnica, de São Paulo, a italiana Architettura e a francesa Architecture d´Aujourd´hui. A partir de 1936, seu escritório conta com a colaboração de outros dois arquitetos-sócios: Roberto Cerqueira César (1917-2003) e Luiz Roberto Carvalho Franco (1926-2001).

De 1940 a 1942, Levi projeta o Instituto de Educação Sedes Sapientiae, atual Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP), onde os volumes construídos se estruturam em função de um pátio interno. A circulação ocorre ao redor desse espaço, protegida por marquises que remetem às loggias e aos pátios italianos. O arquiteto, no entanto, reelabora os elementos, de modo a criar uma arquitetura própria: inverte a forma das arcadas nas marquises onduladas, preenche o pátio com vegetação tropical e constrói seu primeiro "teto-jardim".

Retomando a relação entre blocos construídos, projeta uma série de "residências introvertidas", buscando integrar a paisagem à arquitetura pelo uso de vegetação tropical nos pátios. O primeiro projeto é sua própria residência em São Paulo, de 1944. Num terreno irregular de esquina, divide as funções da casa em blocos separados pelos pátios, que garantem a convivência cotidiana do morador com a natureza (ainda que construída). Outro projeto é a residência Olivo Gomes (1949/1951), na qual realiza o maior exemplo de "síntese das artes", buscada em suas obras. Integrando arquitetura, paisagismo, mobiliário, afrescos e murais, a casa se abre como um mirante para a paisagem, e a estrutura linear dispõe todos os ambientes em função da vista. Um grande painel de Burle Marx (1909-1994) torna-se "o fulcro de toda a forma", como "uma obra que condensa o significado da casa"1.

Também de 1944 é o Edifício Prudência. Um único volume, com planta ortogonal em U, isolado dos limites do lote, é acessado por duas rampas, que acentuam a continuidade entre a rua e o jardim. No térreo livre, sobre pilotis, mais uma vez um painel de Burle Marx recebe os visitantes. Essa busca pela integração com as artes não envolve apenas os murais: alguns edifícios tomam toda a fachada como um grande painel, como o Banco Sul-Americano (1960), na avenida Paulista. Nesse edifício, atual Banco Itaú, as fachadas paralelas à avenida recebem um tratamento gráfico por meio de placas de mármore, compondo um imenso painel de padrão geométrico.

Ainda em 1944, Rino Levi projeta a Maternidade Universitária da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Embora não tenha sido concretizado, o projeto obtém reconhecimento entre os pares, rendendo o Prêmio para Projeto de Edifício de Uso Público na 1ª Bienal Internacional de São Paulo (1951). Após detalhado estudo das necessidades do programa, e com a colaboração de profissionais de outras áreas, Levi rompe com as tipologias hospitalares preexistentes, ao propor três blocos separados, reunindo usos afins, circulação hierarquizada e flexibilidade das plantas. O resultado são dois volumes especializados conectados por um longo volume horizontal. Esse trabalho lhe garante o reconhecimento público como uma autoridade na área de projetos hospitalares. A partir de então, desenvolve inúmeras obras desse tipo, além de realizar cursos e conferências sobre o tema. A convite da Venezuela, coordena o planejamento e o projeto de uma rede hospitalar nesse país.

Sua trajetória segue com projetos inovadores e participações em espaços de discussão sobre arquitetura. Integra o 1º Congresso Brasileiro de Arquitetos, realizado em São Paulo em 1945, ano em que se torna membro do Congresso Internacional de Arquitetura Moderna (Ciam). Em 1946, vence, com outras duas equipes, o concurso promovido para a sede do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), em São Paulo, com projeto desenvolvido em seu escritório. Participa da criação do Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM/SP), em 1948, e torna-se diretor-executivo da instituição. Em 1952, chefia a delegação brasileira no 8º Congresso Pan-Americano de Arquitetos, no México, e é eleito diretor do IAB/SP, onde permanece até 1955.

Levi participa do concurso de Brasília (1956), e seu projeto é classificado em 3º lugar. O partido adotado, oposto à proposta vencedora de Lucio Costa (1902-1998), explicita as preocupações do arquiteto em relação à cidade contemporânea. O foco da proposta recai sobre as unidades habitacionais, superblocos de 300 metros de altura cortados por ruas elevadas que reúnem serviços e comércio, potencializando os princípios de habitação intensiva das unités d´habitacion, de Le Corbusier (1887-1965). Adepto do modelo de cidade polinuclear, propõe núcleos com base nos edifícios de habitação, reservando o extremo leste da cidade para as funções administrativas, sem nenhum tratamento especial. Para o historiador da arquitetura Renato Anelli, era "a experimentação da escala de desafios colocados pela cidade de São Paulo num projeto de cidade"2.

Em seu último projeto, o Centro Cívico de Santo André (1965), vencedor do concurso que propunha o deslocamento do centro político-administrativo para uma área limítrofe ao centro antigo, Levi retoma a concepção de cidade polinuclear, pretendendo que o novo núcleo assuma a função do core existente no centro urbano contíguo. São três níveis escalonados e relacionados pela torre administrativa, com três praças de caráter e uso diversos, hierarquizadas em função desses usos: a Praça Cívica na cota superior, a Praça Cultural na intermediária e uma praça inferior para serviços, que articula as esferas política, cultural e cotidiana da vida pública da cidade.

O interesse de Rino Levi pelo paisagismo, em especial por plantas ornamentais, leva a artista botânica inglesa Margaret Mee (1909-1988) a homenageá-lo: depois de registrar pela primeira vez, em pintura, uma bromélia coletada no rio Cauboris, Amazonas, ela solicita que a nova espécie seja dedicada à memória do arquiteto. A planta recebe, então, a denominação Neoregelia Leviana.

Rino Levi deixa um legado não só para a área de projeto arquitetônico, com suas soluções inovadoras que integram arte e técnica, mas também para o modo de pensar a arquitetura no Brasil, na sua constante luta por consolidar esse campo profissional e por criar um modo próprio, e brasileiro, de projetar.

 

Notas

1.  ANELLI, Renato; GUERRA, Abilio; KON, Nelson. Rino Levi: arquitetura e cidade. São Paulo: Romano Guerra Editora, 2001. 144-145.

2. Idem, ibidem. p. 223.

Obras 4

Abrir módulo
Acervo da biblioteca da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU/USP)

Exposições 7

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo
  • ANELLI, Renato. 1925 - Warchavchik e Levi: dois manifestos pela Arquitetura Moderna no Brasil. Revista de Urbanismo e Arquitetura, v. 5, n. 1, p. 7-11, 1999.
  • ANELLI, Renato; GUERRA, Abilio; KON, Nelson. Rino Levi: arquitetura e cidade. São Paulo: Romano Guerra Editora, 2001.
  • MINDLIN, Henrique. Arquitetura moderna no Brasil. Rio de Janeiro: Aeroplano, 1999.
  • SMITH, Lyman B. Notes on bromeliaceae: XXVIII. Phytologia, Plainfield, v. 16, n. 6, p.459-462, 1968. Disponível em: https://www.biodiversitylibrary.org/page/12944289#page/478/mode/1up. Acesso em: 15 jan. 2020.
  • XAVIER, Alberto (Org.). Depoimento de uma geração: arquitetura moderna brasileira. 2.ed. rev. ampl. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: