Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Giorgio Moscati

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 16.10.2017
1934 Itália / Ligúria / Gênova
Giorgio Moscati (Gênova, Itália, 1934). Físico, engenheiro eletricista, professor universitário, cientista, pesquisador. Frequenta ao mesmo tempo faculdade de Física e de Engenharia na Universidade de São Paulo e exerce intensa atividade acadêmica, com estágio, projeto de iniciação científica e períodos de pesquisa no exterior. Em 1957, após gra...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Giorgio Moscati (Gênova, Itália, 1934). Físico, engenheiro eletricista, professor universitário, cientista, pesquisador. Frequenta ao mesmo tempo faculdade de Física e de Engenharia na Universidade de São Paulo e exerce intensa atividade acadêmica, com estágio, projeto de iniciação científica e períodos de pesquisa no exterior. Em 1957, após graduar-se, trabalha como auxiliar de ensino da cadeira de Física Geral e Experimental, na Faculdade de Filosofia de Ciências e Letras da Universidade de São Paulo (FFCL/USP).

Defende doutorado em 1962 e, como sua pesquisa demanda grandes cálculos, utiliza o computador recém-implantado na universidade. Aprende a linguagem de programação necessária para operá-lo em aulas teóricas, antes da chegada do equipamento, um IMB modelo 1620. Por sua competência como engenheiro, instala o laboratório didático de Física na universidade e é incluído na equipe. Em seguida, é convidado como pesquisador associado pela Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, renomada instituição em pesquisa de ponta em computação. Mora em Illinois entre 1963 e 1965, e realiza pós-doutorado em Física Experimental. Em 1967, obtém a livre-docência e prossegue as atividades acadêmicas na USP. Sua habilidade política garante bom trânsito em ambiente institucional submetido a pressões decorrentes da ditadura militar imposta ao país em 1964. Apesar do período político turbulento, com colegas cassados e presos, monta o Instituto de Física da USP. Ao mesmo tempo, assume diversos cargos administrativos: secretário geral da Sociedade Brasileira de Física, coordenador da área de Ciências Exatas e Naturais do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), chefe do Departamento de Física Experimental e vice-diretor do Instituto de Astrofísica e Geofísica da USP, além da docência, atividade que exerce durante 40 anos (1958-1998).

A metodologia científica é campo a que se dedica durante os anos 1990, atuando como consultor no Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), como membro da Sociedade Brasileira de Metrologia e como vice-presidente do Comité International des Poids et Mesures (CIPM). Além disso, vincula-se ao Bureau International des Poids et Mesures (BIPM), instituto que tem como missão padronizar sistemas de metrologia internacionais.

Em 1966, Moscati conhece o artista plástico Waldemar Cordeiro (1925-1973), com quem estabelece colaboração artística envolvendo tecnologia computacional.

Análise

A contribuição de Giorgio Moscati, no final da década de 1960, para o desenvolvimento do processamento de imagens marca o início da arte digital no Brasil. À época, ele é apresentado ao artista plástico Waldemar Cordeiro, com quem desenvolve, entre 1968 e 1970, pesquisa que gera dois importantes projetos e trabalhos derivados.

A parceria surge da curiosidade de Cordeiro pelas ferramentas computacionais, tecnologia rara no período. Moscati reconhece em Cordeiro ideias claras sobre como abordar a nova tecnologia. Em comum, ambos têm o propósito de não usar a computação de maneira ultrapassada, replicando procedimentos existentes. Além disso, são reconhecidos em suas áreas de atuação e compartilham da visão analítica e aprofundada sobre o objeto de estudo.

Giorgio Moscati é o primeiro aluno do curso de Física da USP a utilizar o computador para cálculos complexos na tese de mestrado. Em 1963, durante o doutorado na Universidade de Illinois, conhece usos variados de computadores, como a primeira peça musical composta por máquinas, em 19571.

Seu campo de estudo – a instrumentação técnica para análise de partículas de raios cósmicos – está intimamente ligado à imagem: partículas são lidas a partir de traços revelados por meio de técnicas exploratórias de captura fotográfica. Esse trabalho encontra paralelo com a investigação estética de Cordeiro, que vê o computador como instrumento para armazenar, reproduzir e divulgar a arte.

À época, as manifestações artísticas que empregam computadores são meras representações ou deformações de imagens. Moscati e Cordeiro desenvolvem um plano de trabalho que inclui encontros regulares, visitas a exposições de arte e laboratórios científicos, mapeamento de possíveis áreas artísticas a serem abordadas e pesquisas sobre procedimentos contemporâneos similares. 

A linguagem da computação é o caminho que decidem seguir e usam o computador da USP para iniciar as investigações. O primeiro trabalho que nasce da parceria é o programa Beabá, que tem a função de gerar vocábulos plausíveis e pronunciáveis em língua portuguesa. Moscati percebe os padrões consoante + vogal da língua e desenvolve o programa a partir de subgrupos (sílabas) e variáveis probabilísticas entre letras.

O processo dessa pesquisa é intelectualmente gratificante e, em 1971, Moscati contribui para elaborar o programa de transformação de imagem na obra Derivadas – Grau Zero. A obra original (o grau zero), uma fotografia, serve como matriz para gerar mais três graus (derivadas), impressões por computador no formato 47 x 34,5 cm. O conceito de derivada é o ponto em que o programa reconhece a transformação mais profunda na imagem, percebida na comparação entre original e imagem derivada. O programa criado por Moscati executa uma operação aritmética que compara a gradação entre as áreas escuras de cada pixel de uma imagem e gera composições que delineiam a imagem matriz.  Essa detecção de bordas exerce grande influência no futuro do processamento e da análise de imagens.

A morte precoce de Cordeiro encerra o projeto, mas Moscati é solicitado por pesquisadores e por autoridades no campo da arte, para fornecer testemunho do panorama do início da computação no Brasil e das frutíferas colaborações entre campo distintos do conhecimento.

Nota

1 Illiac Suite ou String Quartet n. 4 é resultado de uma programação criada por professores da Universidade de Illinois em um computador modelo ILLIAC I, em 1957.

Exposições 3

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: