Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Domingos Quintiliano

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 05.04.2017
28.07.1962 Brasil / Paraná / Paranacity
Registro fotográfico João Caldas

Domingos Quintiliano (Vaqueiro), ao centro, em cena de Corpo de Baile, 1988
João Caldas, Domingos Quintiliano
Acervo Idart/Centro Cultural São Paulo

Domingos Luis Quintiliano (Paranacity, Paraná, 1962). Iluminador. Light designer de grandes recursos, parceiro constante dos trabalhos de Ulysses Cruz (1952) no período do grupo Boi Voador. Da terceira geração de iluminadores, é um dos mais requisitados nas produções teatrais paulistas.

Texto

Abrir módulo

Biografia

Domingos Luis Quintiliano (Paranacity, Paraná, 1962). Iluminador. Light designer de grandes recursos, parceiro constante dos trabalhos de Ulysses Cruz (1952) no período do grupo Boi Voador. Da terceira geração de iluminadores, é um dos mais requisitados nas produções teatrais paulistas.

Inicia suas atividades junto ao Centro de Pesquisa Teatral do Sesc - CPT, de Antunes Filho (1929), em 1984, passando a atuar no grupo Boi Voador, formado por Ulysses Cruz, a partir de sua direção de Velhos Marinheiros, adaptação da obra de Jorge Amado, no ano seguinte. Além de interpretar, dedica-se à pesquisa de luz, em parceria com Edvaldo Rodrigues (Didi), vindo a constituir-se na dupla de iluminadores cênicos da maioria dos trabalhos do grupo após o mesmo desligar-se do CPT. Em 1986, assinam a luz de O Despertar da Primavera, de Frank Wedekind, nova produção do Boi Voador.

Entre suas criações destacam-se Corpo de Baile, adaptação do texto de Guimarães Rosa, prestigiada criação do grupo; Fragmentos de um Discurso Amoroso, de Roland Barthes, numa produção da Companhia Estável de Repertório - CER, de Antonio Fagundes (1949); e A Cerimônia de Adeus, de Mauro Rasi (1949 - 2003), todas direções de Ulysses Cruz. Por esse conjunto de trabalhos realizados, Quintiliano e Edvaldo (Didi) são os únicos profissionais da luz a receberem, em sua longa história, um Prêmio Molière na categoria especial.

Com o encenador Gabriel Villela (1958), Quintiliano participa de Relações Perigosas, de Heiner Müller, em 1990. No mesmo ano, está com Naum Alves de Souza (1942 - 2016) em Big Loira, de Dorothy Parker e, novamente com Ulysses, em Pantaleão e as Visitadoras, adaptação de texto de Mario Vargas Llosa pelo Boi Voador. Com Fauzi Arap (1938 - 2013) está em A Quarta Estação, de Israel Horowitz, em 1995.

Dois anos depois, ilumina para Rei Lear, de William Shakespeare, direção de Ulysses Cruz, tendo o ator Paulo Autran à frente do elenco. Em 1999, faz uma incursão em dança com Bent, o Canto Preso, roteiro e coreografia de Sandro Borelli. Em 2000, colabora mais uma vez com o trabalho do diretor Gabriel Villela, em Alma de Todos os Tempos, de Gabriel Villela e Eriberto Leão. Está em Fim de Jogo, de Samuel Beckett, direção de Francisco Medeiros (1948), em 2001. Ano em que volta a Rei Lear, de Shakespeare, agora com direção de Ron Daniels para Raul Cortez (1931 - 2006). Em 2002, participa de mais um Shakespeare, Romeu e Julieta, dirigido por William Pereira. E, em 2002, volta a parceria com Ulysses, em O Círculo das Luzes, de Doc Comparato.

Seu trabalho em O Despertar da Primavera leva o jornalista Roberto Peres a anotar: "Em tons pálidos, róseos mesmo, surge a atmosfera entre o etéreo e o tenso, acentuada pela belíssima iluminação de Domingos Quintiliano e Edvaldo Rodrigues, outro ponto alto dessa criação de Ulysses Cruz. O resultado é de uma beleza cativante, porque por vezes sufoca (o momento que a mãe de Melchior, o garoto que tem uma relação sexual e vai pagá-la no reformatório, coloca em cena o vaso com flores vermelhas. Ainda a visão do cemitério, entre gelo seco e luzes lilases). Mas não perde nunca a ótica crítica (capaz até de levar a um riso amargo), nem o fato desse fazer teatral, com a própria limitação do espaço cênico e a utilização evidente dos recursos de iluminação".1

Notas

1. PERES, Roberto. Um espetáculo de irresistível beleza. Cidade de Santos, São Paulo, 13 fev. 1987.

Obras 1

Abrir módulo

Espetáculos 45

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 14

Abrir módulo
  • COMPANHIA TEATRAL AS GRAÇAS. Site oficial do grupo. Disponivel em: http://www.asgracas.com.br/. Acessado em: 19 maio 2011. Espetáculo: Tem Mas Acabou . Não catalogado
  • EICHBAUER, Hélio. [Currículo]. Enviado pelo artista em 24 de abril de 2011. Espetáculos: La Ronde - 1991; El Señor Presidente - 1992; Péricles - 1995; No Círculo das Luzes - 2002; Zoológico de Vidro - 2009. Não catalogado
  • PERES, Roberto. Um espetáculo de irresistível beleza. Cidade de Santos, São Paulo, 13 fev. 1987.
  • PRADO, Luís André do. Palavras vertidas em alegorias. Isto É, São Paulo, p. 8, 1 jul. 1988.
  • Programa do Espetáculo - A Casa Antiga - 2002. Não Catalogado
  • Programa do Espetáculo - A Graça da Vida - 2007. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Assim com Rose - 3 Histórias de Mário de Andrade, 2005. Não Catalogado
  • Programa do Espetáculo - Hamlet - 1997. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Loucos Por Amor - 2006. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo Leonce e Lena 2007. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo: B - Encontros com Caio Fernando de Abreu - 2006. Não catalogado
  • SIRIO, Elaine Farhat. 'Corpo de Baile' põe em cena o universo de Guimarães Rosa. Folha de S.Paulo, São Paulo, 1 ago. 199. Caderno SP-ABCD, p. 8-6.
  • VEREDA urbana. Veja, São Paulo, p. 121, 1 jul. 1988.
  • ______. 'Corpo de Baile': uma aproximação da dança, com beleza. A Tribuna, Santos, 7 ago. 1988. Variedades, p. 7.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: