Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Pedro Paulo Bogossian

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 31.05.2017
1959 Brasil / Minas Gerais / Araguari
Pedro Paulo Bogossian (Araguari, Minas Gerais, 1959). Compositor, diretor musical, preparador vocal, músico e pianista. Um dos fundadores e principais integrantes do grupo paulistano Circo Grafitti e colaborador constante do Grupo do TUSP.

Texto

Abrir módulo

Biografia

Pedro Paulo Bogossian (Araguari, Minas Gerais, 1959). Compositor, diretor musical, preparador vocal, músico e pianista. Um dos fundadores e principais integrantes do grupo paulistano Circo Grafitti e colaborador constante do Grupo do TUSP.

Formado em música, Bogossian estréia em teatro no musical Você Vai Ver o Que Você Vai Ver, de Raymond Queneau e direção de Gabriel Villela (1958), realização que marca o surgimento do grupo Circo Graffiti, do qual é um dos integrantes, em 1989. O crítico Alberto Guzik (1944-2010) fala sobre seu trabalho: "A direção musical de Pedro Paulo Bogossian, que executa a trilha ao vivo, mostra-se exata, e é de crucial importância para a captação do clima de circo/cabaré que Você Vai Ver empreende".1

Em 1991, ganha Prêmio Apetesp de composição por Enq, o Gnomo, de Marcos Abreu, com direção de Marco Antônio Rodrigues (1955).

Está na produção seguinte do Circo Graffiti, o musical Almanaque Brasil, de Noemi Marinho, preparando vocalmente o elenco e cuidando das partituras e tocando piano ao vivo nas apresentações. A crítica Maria Lúcia Pereira (1949-2001) é enfática: "O espetáculo não seria o que é, contudo, sem a brilhante contribuição de Pedro Paulo Bogossian. Este eficiente diretor musical, coadjuvado pela percussão de Betinho Sodré, é co-responsável pelo ritmo perfeito de Almanaque Brasil, um espetáculo sedutor que reconcilia o público com o teatro".2 Ganha, por esse trabalho, o Prêmio Apetesp, de composição e de trilha sonora, e o Prêmio Associação Paulista de Críticos de Arte, APCA, de direção musical em 1993. No mesmo ano, é premiado novamente pela composição de Ifigônia, de Mário Vianna, direção Roney Facchini, outra produção do Circo Grafitti.

Em 1994 concebe a trilha e atua em  O Rei de Copas, de Rubens Ewald, direção de Cristiane Paoli-Quito (1960). Em 1998 está em Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis (1839 - 1908), encenação de Regina Galdino.

Dirige as composições e preparações vocais do grupo do TUSP, dirigido por Abílio Tavares, nos espetáculos: Horizonte, 2000, e A Arrombada, 2001, ambos de Antônio Rogério Toscano; e ainda em 2001, A Farsa de Inês Pereira e do Escudeiro, de Gil Vicente; e Interior, de Abílio Tavares, 2002. No mesmo ano, volta, com o Circo Grafitti, aos cabarés europeus, para a realização de O Gato Preto.

Analisando a atuação do artista nesse último espetáculo, anota o crítico Valmir Santos: "São quadros isolados que ganham ligação. No início, soam clássicos, depois caem no humor escrachado, patético e, por vezes, cínico, até uma alegria total, resvalando num tom mais trágico e fechando com uma canção de esperança. As 14 canções e os diálogos trazem referências à realidade das ruas, aos contextos sociopolíticos da época. Já no primeiro número, os versos tratam de uma família na qual o pai rouba, a mãe furta e até o cachorrinho faz das suas. Satiriza-se também a ascensão dos governos fascistas, a corrida industrial e o moralismo que cerca a manifestação sexual, tudo embalado por canções românticas, poemas humorísticos e paródias de célebres personagens trágicas, como Joana d'Arc. Em O Gato Preto, as canções atingem cores brechtianas, ou seja, acentuam a ação épica, em detrimento das funções líricas, o que amplia a consciência crítica. Na perspectiva do Grafitti, preza-se para que nada se descole do riso".3

Notas

1 GUZIK, Alberto. Técnicas circenses, numa peça contagiante. Jornal da Tarde, São Paulo, 18 maio 1989, p. 14.

2 PEREIRA, Maria Lúcia. No palco, um delicioso fenômeno de comunicação. O Estado de S. Paulo, São Paulo. Caderno 2, s/ data.

3 SANTOS, Valmir. Circo Grafitti recria clima de cabaré em quarta peça. Folha de S.Paulo, São Paulo, 3 jan. 2002. Ilustrada, p. E2.

Espetáculos 32

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 12

Abrir módulo
  • ABREU, Kil. Espetáculo é o cabaré globalizado e variado do Circo Graffiti. Folha de S.Paulo, São Paulo, 19 jan. 2002. Ilustrada, p. E6.
  • ALBUQUERQUE, Johana. Pedro Paulo Bogossian (ficha curricular) In: ___________. ENCICLOPÉDIA do Teatro Brasileiro Contemporâneo. Material elaborado em projeto de pesquisa para a Fundação VITAE. São Paulo, 2000.
  • ANUÁRIO de teatro 1994. São Paulo: Centro Cultural São Paulo, 1996. R792.0981 A636t 1994
  • Catálogo do Espaço Os Fofos Encenam - 2008. Não Catalogado
  • GUZIK, Alberto. Gato Preto revive charme dos cabarés. O Estado de S. Paulo, São Paulo. Caderno 2, 11 de janeiro de 2002.
  • GUZIK, Alberto. Técnicas circenses, numa peça contagiante. Jornal da Tarde, São Paulo, 18 maio 1989.
  • PEREIRA, Maria Lúcia. No palco, um delicioso fenômeno de comunicação. O Estado de S. Paulo, São Paulo. Caderno 2, s/ data.
  • Planilha enviada pelo pesquisador Edélcio Mostaço. Não Catalogado
  • Programa do Espetáculo - Alô, Alô, Terezinha - 2004. Não Catalogado
  • Programa do Espetáculo - Intinerário de Passárgada. Não catalogado
  • SANTOS, Valmir. Circo Grafitti recria clima de cabaré em quarta peça. Folha de S.Paulo, São Paulo, 3 jan. 2002. Ilustrada, p. E2.
  • TEATRO do Ornitorrinco. São Paulo: Imprensa Oficial, 2009. 792.0981 To253

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: