Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Luiz Mendonça

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 23.04.2017
05.07.1931 Brasil / Pernambuco / Brejo da Madre de Deus
29.06.1995 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Luiz Gonzaga Lucena de Mendonça (Brejo da Madre de Deus, Pernambuco, 1931 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1995). Diretor e ator. Fundador do Movimento de Cultura Popular no Recife, Luiz Mendonça bebe na fonte da cultura popular nordestina. Ao se mudar para o Rio de Janeiro, funda o Grupo Chegança e associa seu teatro aos blocos carnavalescos, ...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Luiz Gonzaga Lucena de Mendonça (Brejo da Madre de Deus, Pernambuco, 1931 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1995). Diretor e ator. Fundador do Movimento de Cultura Popular no Recife, Luiz Mendonça bebe na fonte da cultura popular nordestina. Ao se mudar para o Rio de Janeiro, funda o Grupo Chegança e associa seu teatro aos blocos carnavalescos, ao circo e ao teatro de revista. Monta peças de autores nordestinos - entre elas, Viva o Cordão Encarnado, de Luiz Marinho.

Descende da família Mendonça, de Pernambuco, fundadora do maior teatro ao ar livre do Brasil, em Nova Jerusalém; onde pisa no palco pela primeira vez aos sete anos. De 1952 a 1968 interpreta Jesus, na Paixão de Cristo, anualmente montada por seus parentes.

Em 1950, aos 19 anos, Luiz Mendonça vai para o Recife. Em 1956, participa como ator da primeira montagem de Auto da Compadecida, de Ariano Suassuna, pelo Teatro Adolescente do Recife, com direção de Clênio Wanderley. 

Quando surge o Movimento de Cultura Popular - MCP, no Recife, fundado por Miguel Arraes, Luiz Mendonça é o diretor da área de teatro que, continuando a investir em novos autores, conta com a participação de Paulo Freire, Nelson Xavier, José Wilker e Luiz Marinho. Em 1962, este último e Luiz Mendonça são premiados pela Associação de Cronistas Teatrais de Pernambuco com o espetáculo A Derradeira Ceia. Luiz Mendonça é responsável direto pelo dinamismo das atividades teatrais do MCP, que, em 1963, monta 368 espetáculos. Dois deles trazem Luiz Mendonça ao Rio de Janeiro, dirigindo As Incelenças, de Luiz Marinho, e atuando em Julgamento em Novo Sol, de Augusto Boal, Nelson Xavier e Amilton Trevisan. O Teatro de Arena de São Paulo e os Centros Populares de Cultura, CPCs, mantêm intercâmbios fluentes com o MCP, com o objetivo de criar, realizar e fomentar um teatro brasileiro e popular.

No Rio de Janeiro, Luiz Mendonça participa dos grupos DecisãoOpinião. No mesmo ano, funda o Grupo Chegança, com Carlos Vereza, José Wilker, Camilla Amado e Isabel Ribeiro, entre outros, que monta As Incelenças, de Luiz Marinho, e Morte e Vida Severina, de João Cabral de Melo Neto. Em 1965, trabalha como assistente de direção e ator de O Berço do Herói, de Dias Gomes, espetáculo montado pelo Grupo Movimento, que é censurado no dia da estréia. Funda O Teatro Operário de São Cristóvão, formado por operários de uma fábrica de plásticos, onde monta Auto da Compadecida, de Ariano Suassuna; Lisbela e o Prisioneiro, de Osman Lins, e A Raposa e as Uvas, de Guilherme Figueiredo. Em 1973, reativa o Grupo Chegança, com novos atores, entre eles Tânia Alves, remonta As Incelenças, e estréia a nova peça de Luiz Marinho, Viva o Cordão Encarnado, Prêmio Molière de melhor texto e de melhor direção, 1974. No ano seguinte, o grupo monta Lampião no Inferno, de Jairo Lima, com dois atores convidados - Joel Barcelos e Madame Satã, o famoso travesti da boemia carioca, sem que o fato contudo desperte maior atenção. Sofrendo o problema de todo grupo de teatro a partir do final da década de 1970, o Grupo Chegança funciona como escada de atores que, uma vez obtendo êxito, optam pela televisão como meio de sobrevivência bem mais seguro que o teatro. Em 1977, o grupo monta Onde Canta o Sabiá, de Gastão Tojeiro, e, no ano seguinte, O Sol Feriu a Terra e a Chaga Se Alastrou, de Vital Santos, que aborda, em uma visão fantástica, a vida de uma família de retirantes. O espetáculo faz temporada no Rio de Janeiro e em São Paulo depois de ser apresentado ao ar livre em Nova Jerusalém. É, ao que tudo indica, o último espetáculo do grupo.

A partir do final de década de 1970, Luiz Mendonça começa a buscar no mercado uma forma de tornar seu estilo mais vendável. Os críticos o acusam de, dirigindo às vezes três espetáculos simultaneamente, ter perdido de vista o lado artístico do fazer teatral, mas premiam O Bom Burguês, de Pedro Porfírio, como um dos cinco melhores espetáculos do ano de 1977. O diretor associa sua intimidade com o teatro popular e a musicalidade à comédia. É assim que surge, em 1979, o bem-sucedido musical Rio de Cabo a Rabo, de Gugu Olimecha, com a idéia de remodelar o teatro de revista, atualizando-o com piadas políticas e picantes. A dupla, com o reforço de Ziraldo, monta, em 1980, no mesmo gênero, O Último dos Nukupyrus, uma abordagem debochada do homem brasileiro, desde a colonização.

A partir dos anos 1980, quando os espetáculos ganham uma roupagem moderna e estética, a produção de Luiz Mendonça diminui e na segunda metade da década se resume a um único espetáculo, Alma de Gato, de Eid Ribeiro, 1987.

Defensor de um teatro brasileiro popular e de um estilo brasileiro de interpretação, Luiz Mendonça traz ao eixo Rio-São Paulo autores até então desconhecidos pelo público. Com as transformações do teatro e do país, nas décadas de 1980 e 1990, sua prática de um teatro popular e brasileiro se torna cada vez mais difícil.

Espetáculos 89

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo
  • DIAS, Carmina. O teatro de resistência de Luiz Mendonça. Tribuna da Imprensa, Rio de Janeiro, 11 abr. 1987.
  • FONTA, Sérgio. [Currículo]. Enviado pelo artista em 2011. Não Catalogado
  • MENDONÇA, Luiz. Dossiê Personalidades Artes Cênicas. Rio de Janeiro: Funarte / Cedoc.
  • Planilha enviada pelo Pesquisador Luís Reis. Não Catalogado
  • RABELLO, João Carlos. Por um teatro popular e brasileiro. Folha de S.Paulo, São Paulo, p. 8, 23 jul. 1978.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: