Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Adacto Filho

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 24.02.2017
Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
1963 Brasil / Rio de Janeiro / Petrópolis
Artur Pereira de Melo (Rio de Janeiro RJ s.d. - Petrópolis RJ 1963). Diretor e dramaturgo. Atua no Teatro de Brinquedo e participa da fundação de Os Comediantes.

Texto

Abrir módulo

Biografia

Artur Pereira de Melo (Rio de Janeiro RJ s.d. - Petrópolis RJ 1963). Diretor e dramaturgo. Atua no Teatro de Brinquedo e participa da fundação de Os Comediantes.

Depois da estreia, em 1926, na Companhia Tangara, participa até o fim da década de 1930 das companhias organizadas por Alvaro e Eugênia Moreyra - do Teatro de Brinquedo, considerada a primeira companhia moderna da história do teatro brasileiro, e da Companhia Alvaro Moreyra, que realiza turnês e pequenas temporadas na periferia da cidade do Rio de Janeiro, levando textos modernos da literatura universal, como Henrik Ibsen, Luigi Pirandello, entre outros.

A partir do início da década de 1940, começa a se dedicar à companhia Os Comediantes, grupo amador que ajuda a fundar e que marca a história do teatro brasileiro com a montagem do espetáculo Vestido de Noiva, de Nelson Rodrigues, 1943. Dirige o espetáculo de estreia do conjunto, A Verdade de Cada Um, de Luigi Pirandello, 1941, e outros espetáculos realizados ao longo da década, como Capricho, de Musset; Escola de Maridos, de Molière; O Escravo, de Lucio Cardoso, todos em 1943; O Leque, de Carlo Goldoni, 1944. Tem uma participação no Teatro do Estudante do Brasil - TEB, dirigindo Escola de Mães, de Marivaux. Com a Cooperativa de Espetáculos Novos de Arte Cena, Cena, encabeçado por Luiza Barreto Leite, dirige Vestir os Nus, de Luigi Pirandello, 1948.

Traduz Les Vacances D'Apollon [Férias de Apolo], de Jean Berthet, 1942; Il Ventaglio [O Leque], de Carlo Goldoni, 1944; Mozart, de Sacha Guitry e René Fauchois, 1948; e Muche [Ninon É Um Amor], de Etienne Rey, 1950.

Na primeira metade dos anos 1950, leciona na escola do Teatro Duse, em cursos de um ano de duração, em que ensina algumas matérias ligadas ao trabalho do ator, tais como a prosódia, a história do teatro, a caracterização e a mímica.

Cantor lírico, faz recitais de canto como barítono, e leciona interpretação teatral no Curso Prático de Teatro da Sociedade Brasileira de Autores Teatrais - SBAT, a partir de 1945.

Eventos relacionados 18

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo
  • DÓRIA, Gustavo: Moderno Teatro Brasileiro, Rio de Janeiro: SNT, 1975.
  • FILHO, Adacto. (Dossiê Personalidades Artes Cênicas) Rio de Janeiro: CEDOC/Funarte.
  • MAGALDI, Sábato: Panorama do Teatro Brasileiro. São Paulo: Difel, 1962.
  • MAGALHÃES, Vânia de. Os Comediantes in O Teatro Através da História, vol. II, O Teatro Brasileiro, Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil e Entourage Prods. Artísticas, 1994.
  • MICHALSKI, Yan: Ziembinski e o Teatro Brasileiro. São Paulo: Hucitec / MEC / Funarte, 1995.
  • Os comediantes. Dionysos, Rio de Janeiro, ano 24, n. 22, dez. 1975. Edição especial.
  • PRADO, Décio de Almeida. O teatro brasileiro moderno: 1930-1988. São Paulo: Perspectiva, 1988. (Debates, 211).

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: