Artigo da seção pessoas Henriette Morineau

Henriette Morineau

Artigo da seção pessoas
Teatro  
Data de nascimento deHenriette Morineau: 29-11-1908 Local de nascimento: (França / Poitou-Charentes / Niort) | Data de morte 03-12-1990 Local de morte: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro)
Imagem representativa do artigo

Henriette Morineau , s.d. , Stefan Rosenbauer
Registro fotográfico Stefan Rosenbauer

Biografia
Henriette Fernande Zoé Morineau (quando casada com Georges Morineau) ou Henriette Fernande Zoé Caminha (quando casada com Delorges Caminha) (Niort, França 1908 - Rio de Janeiro RJ 1990). Atriz e diretora. Inicia seus estudos na França. Em 1926, faz uma turnê pelo interior, em companhia liderada por Henry Mayer, integrante da Comédie Française. No ano seguinte, ingressa no Conservatório de Paris. Em 1929, excursiona com Albert Lambert e Silvain pela França, Bélgica, Alsácia, Suíça e África do Norte. Durante a excursão, na cidade de Orléans, conhece Georges Morineau, com quem se casa em 1930, quando chega ao Brasil. Em 1939, recita poesias em uma conferência de Aloísio de Castro, na Associação Brasileira de Imprensa, onde no ano seguinte inaugura um curso de declamação. Em 1942, participa de uma excursão com a companhia de Louis Jouvet pela América do Sul, com um repertório de cinco espetáculos: L'Annonce Faite à Marie, de Paul Claudel, Tessa, ou La Nymphe au Coeur Fidele e Ondine, de Jean Giraudoux, Leopold le Bien Aimé, de Jean Sarmont, e Dr. Knock, de Jules Romains. Em 1943, organiza um curso de declamação no Conservatório Brasileiro de Música.

Em 1944, estréia profissionalmente como diretora na companhia de Iracema de Alencar. No mesmo ano, atua ainda em duas companhias - da atriz francesa Raquel Berendt e de Bibi Ferreira, em que permanece até 1945, dirigindo sete espetáculos. Ao lado de Bibi Ferreira representa pela primeira vez em português, em Presa por Amor, 1944, e leva o repertório da companhia à cidade de São Paulo. Em 1946, funda a companhia Os Artistas Unidos, na qual, além de diretora e atriz, acumula também a função de empresária teatral. Com um repertório de nove peças - entre elas Frenesi, de Charles de Peyret-Chappuis -, que lhe vale o Prêmio da Associação Brasileira de Críticos Teatrais - ABCT, de melhor atriz, por sua atuação, e O Pecado Original, de Jean Cocteau, ambas de 1946; Duas Mulheres, de Matos Pimentel e Ferreira Rodrigues, e Medéia, de Eurípides, de 1947; e contando com vinte integrantes, a companhia excursiona durante quatorze meses pelo Brasil. Atua sob a direção de Ziembinski em Uma Rua Chamada Pecado (Um Bonde Chamado Desejo), de Tennessee Williams, em 1948. Os Artistas Unidos estréiam o primeiro texto brasileiro para o público infantil, O Casaco Encantado, de Lúcia Benedetti, com direção de Graça Mello. Ainda em 1948, inaugura o Teatro Brasileiro de Comédia (TBC), em São Paulo, com o monólogo de Jean Cocteau, La Voix Humaine. Pela companhia de Mme. Morineau passam jovens atores em formação: Jardel Filho, Fernanda Montenegro e Beatriz Segall, entre outros.

Em 1952, recebe a medalha de ouro da ABCT pela direção de Jezebel, de Jean Anouilh. Com Os Artistas Unidos, trabalha ininterrupta e exclusivamente até 1954. Em 1955 e 1958, dirige espetáculos na companhia de Eva Todor, interrompendo nestes anos as atividades de sua companhia, que realiza seu último espetáculo em 1959, com Os Brasileiros em Nova York, de Pedro Bloch, direção de José Maria Monteiro.

Morineau dirige Idade Perigosa, para o TBC, em 1960. Em seguida, trabalha como atriz no Teatro Oficina, em três espetáculos consecutivos dirigidos por José Celso Martinez Corrêa Todo Anjo É Terrível, de Ketti Frings; O Sorriso de Pedra, de Pedro Bloch, ambos em 1962; e Andorra, de Max Frisch, em 1964. Em 1965, está em A Perda Irreparável, de Wanda Fabian, mais uma parceria com o diretor Ziembinski, numa produção de Oscar Ornstein. 

Entre 1963 e 1971, como enviada do Itamaraty, faz viagens a Portugal, onde leciona no Conservatório Dramático, dirigindo e interpretando autores brasileiros e estrangeiros.

Nas décadas de 1970 e 1980, Henriette Morineau ainda dirige, embora com menos frequência. Em 1974, atua em Coriolano, de William Shakespeare, dirigida por Celso Nunes. Surge ao lado de Paulo Autran em 1976, em Dr. Knock, direção e adaptação do próprio Autran da obra de Jules Romains. Em 1980, faz uma participação em Bonitinha, mas Ordinária, de Nelson Rodrigues, em um papel criado especialmente para a atriz. Em 1981, seu desempenho em Ensina-me a Viver, de Colin Higgins, encenado por Domingos Oliveira, lhe vale o Prêmio Governador do Estado e o Troféu Estácio de Sá. O processo de criação do espetáculo é marcado por problemas de saúde da atriz, que interrompe por dois períodos os ensaios, colocando ao final uma ponte de safena que a obriga a diminuir o ritmo de trabalho.

Henriette Morineau não se enquadra dentro da renovação teatral que, entre os anos 1940 e 1950, introduz no Brasil a figura do encenador e sua função de concepção total do espetáculo. Sua contribuição se dá na formação de novos atores, no exercício prático de construir um espetáculo. Com ensaios exaustivos e quase sem palavras, a diretora guia o elenco por meio do próprio texto e ensina, a partir de seu próprio exemplo como atriz, princípios como a disciplina, a dedicação, a persistência. O estudo se dá no próprio palco, onde o ator deve travar o embate entre seus recursos expressivos e criativos e a obra dramática a ser materializada. Fazendo prevalecer a prática em detrimento da teorização sobre a cena, Henriette Morineau caminha na contramão da direção apontada por Os Comediantes e trabalha junto ao ator, dirigindo-o do ponto de vista da intérprete que também era. Segundo o depoimento de Luiza Barreto Leite:

"Era tal sua segurança em cena que imediatamente eu me sentia também inundada por ela e adquiria uma autoridade desconhecida. [...] Morineau jamais perdeu tempo, ensaiava-se muito e permanentemente, seu amor ao teatro se transmitia em ações e não em palavras [...]".1

Notas

1. LEITE, Luiza Barreto. Henriette Morineau. Jornal do Commercio, Rio de Janeiro, 11 out. 1964.

Outras informações de Henriette Morineau:

  • Outros nomes
    • Henriete Morineau
    • Henriette Fernande Zoé Morineau
    • Henriette Fernande Zoé Caminha
  • Habilidades
    • Ator
    • diretor de teatro

Representação (1)

Espetáculos (125)

Todos os espetáculos

Fontes de pesquisa (11)

  • PRADO, Décio de Almeida. Apresentação de teatro brasileiro moderno. Crítica teatral (1947-1955). São Paulo, Liv. Martins, 1956.  484 p. 
  • PRADO, Décio de Almeida. Teatro em progresso: crítica teatral, 1955-1964. São Paulo: Martins, 1964. 314 p.
  • ARTISTAS Unidos. Rio de Janeiro: Funarte / Cedoc. Dossiê Grupos e Companhias.
  • FRASER, Etty. Etty Fraser. São Paulo: [s.n.], s.d. Entrevista concedida a Rosy Farias, pesquisadora da Enciclopédia Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. Não Catalogado
  • GUERINI, Elaine. Nicette Bruno & Paulo Goulart: tudo em família. São Paulo: Cultura - Fundação Padre Anchieta: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2004. 256 p. (Aplauso Perfil). 792.092 G932n
  • MAGALDI, Sábato; VARGAS, Maria Thereza. Cem anos de teatro paulista. São Paulo: Senac, 2000.
  • MORINEAU, Henriette. Rio de Janeiro: Funarte / Cedoc. Dossiê Personalidades Artes Cênicas.
  • PRADO, Décio de Almeida. Exercício findo: crítica teatral (1964-1968). São Paulo: Perspectiva, 1987. 289 p. (Coleção debates; 199).
  • PRADO, Décio de Almeida. O teatro brasileiro moderno: 1930-1988. São Paulo: Perspectiva, 1988. (Debates, 211).
  • Programa do Espetáculo- Ensina-me A Viver - 1981 Não catalogado
  • SILVA, Tania Brandão da. Ora direis ouvi estrelas (Cias. Artistas Unidos e Nydia Licia-Sergio Cardoso) - projeto de pesquisa em andamento, apoiado pela Faperj.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • HENRIETTE Morineau. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa349468/henriette-morineau>. Acesso em: 14 de Nov. 2019. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7