Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Elza Gomes

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 10.12.2017
19.10.1910 Portugal / Distrito de Lisboa / Lisboa
17.05.1984 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Elza Gomes (Lisboa, Portugal, 1910 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1984). Atriz. Filha de atores, Elza Gomes acumula quase 70 anos de carreira, iniciada no teatro de revista, na Companhia Ra-ta-plan, vivida a maior parte na comédia de costumes com a companhia de Procópio Ferreira (1898-1979) e na de Margarida Max. Nos anos 60 e 70, realiza vár...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Elza Gomes (Lisboa, Portugal, 1910 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1984). Atriz. Filha de atores, Elza Gomes acumula quase 70 anos de carreira, iniciada no teatro de revista, na Companhia Ra-ta-plan, vivida a maior parte na comédia de costumes com a companhia de Procópio Ferreira (1898-1979) e na de Margarida Max. Nos anos 60 e 70, realiza vários trabalhos representativos, destacando-se em Tango, de Slawomir Mrozek, 1972.

Nascida em Portugal, viaja aos 12 anos para o Rio de Janeiro, onde sua mãe trabalha na companhia Antônio de Souza, no Teatro Carlos Gomes. Elza estréia ao lado da mãe, em 1923, interpretando Juquinha, de A Capital Federal, de Artur Azevedo (1855-1908), para pagar sua passagem e estadia durante as turnês. Começa profissionalmente em 1926, na companhia de Jaime Costa (1897-1967), fazendo comédias, mas não se adapta ao gênero. Em seguida, participa do elenco que inaugura a companhia Ra-ta-plan, no Cassino Beira-Mar. Ali, reencontra o ambiente em que gosta de trabalhar, com música e elenco numeroso, e permanece no conjunto até a extinção da companhia, em 1929, quando ingressa, na seqüência, na companhia de Procópio Ferreira.

Não chega a completar um ano com Procópio: aceita o convite do Teatro Recreio para atuar em O Carnaval Português, de Marques Porto (1870-1910) e Luiz Peixoto (1889-1973). Ingressa em nova companhia de musicais, a da atriz Margarida Max.

Em 1930, retorna à empresa de Procópio Ferreira, onde permanece até 1936 como uma das atrizes principais, assumindo o papel de protagonista fregüentemente. Monta uma companhia com Cazarré e Delorges Caminha, em que pela primeira vez desempenha papéis dramáticos. Em 1940, ingressa na companhia de Eva Todor (1920) e Luís Iglesias, onde permanece até 1952. No mesmo ano, entra para a Rádio Nacional.

Nos anos 60, atua em Minha Querida Lady, de Bernard Shaw, 1962, Toda Nudez Será Castigada, de Nelson Rodrigues (1912-1980), com direção de Ziembinski (1908-1978), 1965, e Um Pouco de Loucura Não Faz Mal a Ninguém, de Sergio Viotti (1927-2009), com direção de Maurice Vaneau (1926-2007), 1966.

Em 1972, sua interpretação em Tango, de Slawomir Mrozek (1930-2013), com direção de Amir Haddad (1937), pela companhia de Tereza Raquel (1935-2016), lhe vale o Prêmio Governador do Estado de melhor atriz, pela destreza com que vai do cômico ao dramático. Integra o elenco de Festa de Aniversário, de Harold Pinter (1930), mais uma direção de Amir Haddad, com produção de Sergio Britto (1923-2011), em 1973. No ano seguinte, está em Mais Quero Asno que Me Carregue que Cavalo que Me Derrube, texto e direção de Carlos Alberto Soffredini (1939-2001). Em 1980, é dirigida por Aderbal Freire Filho (1941), num texto de Camilla Amado (1939), Don Quixote de la Pança.

Espetáculos 51

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 3

Abrir módulo
  • GOMES, Elza. (Dossiê Personalidade Artes Cênicas) Rio de Janeiro: CEDOC/Funarte.
  • NUNES, Mário. 40 Anos de Teatro. Rio de Janeiro: SNT, 1956.
  • PAIVA, Salvyano Cavalcanti de. Viva o Rebolado. Vida e morte do teatro de revista brasileiro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1991.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: