Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Léo Jusi

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 22.12.2014
1930 Brasil / Paraná / Curitiba
Luiz Leôncio Jusi (Curitiba PR 1930). Diretor. Defensor do incremento à dramaturgia nacional, lança vários textos inéditos, inclusive de Nelson Rodrigues (1912-1980), seu autor favorito, tanto como encenador quanto como diretor do Teatro Santa Rosa, do qual está à frente de 1961 a 1976.

Texto

Abrir módulo

Biografia
Luiz Leôncio Jusi (Curitiba PR 1930). Diretor. Defensor do incremento à dramaturgia nacional, lança vários textos inéditos, inclusive de Nelson Rodrigues (1912-1980), seu autor favorito, tanto como encenador quanto como diretor do Teatro Santa Rosa, do qual está à frente de 1961 a 1976.

Estuda escultura com Bruno Giorgio (1905-1993), pintura com Almir Mavignier (1925), e teatro, como ator, no Curso Prático de Teatro do Serviço Nacional de Teatro (SNT), de 1949 a 1952. Em 1951, ingressa na companhia de Procópio Ferreira (1898-1979), fazendo papéis secundários. Em 1953, elabora, com Augusto Boal (1931-2009), Abdias do Nascimento (1914-2011) e Nelson Rodrigues, um manifesto em favor do incentivo à dramaturgia nacional, sob o título de Companhia Suicida do Teatro Brasileiro. Une-se ao autor Glaucio Gill (1932-1965) em um trabalho com associações e clubes - nesse circuito faz sua primeira experiência como diretor, em A Mulher de Todos Nós, de Pedro Bloch (1914-2004). Revela-se em 1954, dirigindo a segunda versão de Vestido de Noiva, de Nelson Rodrigues, com cenários de Santa Rosa (1909-1956). Em 1955, é supervisor cênico do Teatro Duse. Em 1956, obtém grande sucesso com a montagem do musical Orfeu da Conceição, de Vinicius de Moraes (1913-1980), música de Tom Jobim (1927-1994), com o Grupo de Teatro Experimental (GTE), no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Outro espetáculo baseado em texto de Nelson Rodrigues, a criação original de Perdoa-me por Me Traires, também lançado no Municipal do Rio de Janeiro, 1957, obtém sucesso e causa escândalo, principalmente por misturar em cena atores negros e brancos. No elenco, o próprio Nelson faz sua primeira (e talvez única) experiência como ator, declarando que pretende exaltar a importância do canastrão no teatro. Em 1958, Léo Jusi encena, para o Teatro Experimental do Negro (TEN), a montagem original do texto impressionista de Abdias do Nascimento, Sortilégio. Volta-se mais uma vez para Nelson Rodrigues ao dirigir em 1958, em São Paulo, Vinde Ensaboar Vossos Pecados, uma adaptação de Dorotéia. Em 1961, associado a Gláucio Gill e ao produtor Hélio Bloch, funda no Rio de Janeiro, em Ipanema, o Teatro Santa Rosa, do qual é, até o fechamento da casa em 1976, o diretor artístico, passando a concentrar praticamente toda a sua atividade de diretor no seu palco. Dirige o espetáculo inaugural da sala, Procura-se Uma Rosa, com peças curtas de Vinicius de Moraes, Gláucio Gill e Pedro Bloch; e ainda, entre outros, a bem-sucedida comédia de Gláucio Gill, Toda Donzela Tem Um Pai Que É Uma Fera, 1962; o musical de Hélio Bloch, A Úlcera de Ouro, 1967; o lançamento do humorista Ziraldo (1932) como comediógrafo com Este Banheiro É Pequeno Demais para Nós Dois, 1968; e o grande sucesso de público Greta Garbo, Quem Diria, Acabou no Irajá, de Fernando Mello, 1973, do qual assinaria em 1974 uma nova montagem em São Paulo, e que remontaria várias vezes nos anos subseqüentes. Em 1970, participa ativamente da fundação da Associação Carioca de Empresários Teatrais (ACET). Com o desaparecimento do Teatro Santa Rosa, sua atividade como diretor torna-se cada vez mais esporádica, sendo substituída pelo seu trabalho como professor de direção e de prática de montagem no Centro de Letras e Artes da Universidade do Rio de Janeiro (Uni-Rio).

Eventos relacionados 19

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo
  • GUERINI, Elaine. Nicette Bruno & Paulo Goulart: tudo em família. São Paulo: Cultura - Fundação Padre Anchieta: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2004. 256 p. (Aplauso Perfil). 792.092 G932n
  • JUSI, Léo. Rio de Janeiro: CEDOC / Funarte. Dossiê Personalidade Artes Cênicas.
  • PERDOA-ME por me Traíres. Rio de Janeiro: CEDOC / Funarte. Dossiê Espetáculo Teatro Adulto.
  • Planilha enviada pela pesquisadora Rosyane Trotta. Não Catalogado
  • Planilha enviada pelo pesquisador Márcio Freitas. Não Catalogado
  • Programa do Espetáculo - Greta Garbo, Quem Diria, Acabou no Irajá - 1973. Não catalogado

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: