Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Rachel Rosalen

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 27.06.2016
27.05.1971 Brasil / São Paulo / São Paulo
Rachel Rosalen (São Paulo, São Paulo, 1971). Artista multimídia. Forma-se em Arquitetura e Urbanismo em 1994 pela Faculdade de Belas Artes, São Paulo. Em 2001, conclui o mestrado em multimeios pelo Instituto de Artes da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Dá aulas no curso de Comunicação e Artes do Corpo, da Pontifícia Universidade Cató...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Rachel Rosalen (São Paulo, São Paulo, 1971). Artista multimídia. Forma-se em Arquitetura e Urbanismo em 1994 pela Faculdade de Belas Artes, São Paulo. Em 2001, conclui o mestrado em multimeios pelo Instituto de Artes da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Dá aulas no curso de Comunicação e Artes do Corpo, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP), e na pós-graduação em Criação de Imagens e Sons nos Meios Eletrônicos, do Senac. Recebe da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo um Prêmio de Apoio à Cultura na categoria Novas Mídias, em 2006, e do Instituto Sérgio Motta de Arte e Tecnologia, em 2007.

Participa de exposições no Brasil e no exterior, com trabalhos apresentados nos seguintes países: Argentina, Bélgica, Colômbia, Espanha, Estados Unidos, França, Itália, Israel, Japão, México, Peru, Suécia, Suíça e Uruguai. Entre eles, destacam-se as individuais Translocal Urbanities (2005), no Yokohama Art Museum, Japão, e Black Rain # An Anti-War Project (2005), no Instituto Tomie Ohtake, Brasil. Nas mostras coletivas, faz parte da Whitespace Gallery de Atlanta, Estados Unidos, com Hydrophiletic_Z, em 2012, e do Creative City Forum de Madri, Espanha, com a obra ready.scapes em 2013.

Em 2004, recebe bolsa da Fundação Japão para uma residência artística em Tóquio. Realiza nova residência no Yamaguchi Center for Arts and Media, Japão, em 2005. Em 2007 faz residência no Werkraum Warteck PP, em Basel, Suíça onde inicia a obra About Love and Other Politics. Volta ao Werkraum Warteck PP entre 2008 e 2009, em parceria com Rafael Marchetti (1975), artista argentino radicado no Brasil. Em 2009, faz residência artística na Bélgica, no Bains Connective, durante a qual apresenta, em mostra coletiva, a obra Territórios 2334s 4639w.

Análise da Trajetória
Rachel Rosalen tem o audiovisual como principal recurso criativo, e usa, muitas vezes, o próprio corpo como elemento de composição de seus filmes. Combina linguagens numa pesquisa que se inicia com a dança e com o teatro e expande-se para o uso de tecnologias digitais interativas.

Em colaboração com atores, músicos e programadores, cria instalações multimídia nas quais explora os espaços arquitetônicos. Consegue isso por meio de projeções visuais e sonoras em que performances, gravadas ou ao vivo, constituem um elemento importante.

É comum vermos em suas obras uma poética construída em torno da tensão entre a subjetividade e as ameaças do mundo exterior.

Dessa tensão, algumas questões políticas podem emergir, como no caso da obra #07 Ensaio sobre a Crueldade ou O encontro do Sr. Fatzer com a Rainha de Copas (2008). Trata-se de uma videoinstalação em dois canais, que combina imagens de performances, ilustrações das histórias de Alice, do autor inglês Lewis Carroll (1832-1898), e imagens de guerra. A obra cria uma espécie de ambiente onírico em que Alice, representada pelas ilustrações de livros e pela própria Rosalen nas performances, desperta para os horrores da guerra.

Por meio de redes digitais, aplicativos web e aparelhos móveis, explora a interatividade com o público, como é visível na obra SocketScreen (2011), em coautoria com Rafael Marchetti. Na obra, palavras enviadas dos smartphones dos espectadores são utilizadas para capturar imagens do ciberespaço e projetá-las numa grande tela.

O interesse pela cultura japonesa, aprofundado durante o período das residências no Japão, é visível em seu trabalho.

Eventos multiculturais 1

Abrir módulo

Exposições 8

Abrir módulo

Mostras audiovisuais 2

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 3

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: