Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Raul Bopp

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 17.04.2018
04.08.1898 Brasil / Rio Grande do Sul / Santa Maria
02.06.1984 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Reprodução Fotográfica Horst Merkel

Urucungo, 1932
Raul Bopp
Brasiliana Itaú/Acervo Banco Itaú

Raul Bopp (Santa Maria, Rio Grande do Sul, 1898 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1984). Poeta, cronista e jornalista. Nascido numa pequena vila de Santa Maria, muda-se para Tupanciretã, Rio Grande do Sul, com um ano de idade. Aos 16 anos, inicia a primeira das viagens que inspiram suas obras. Ela termina em 1918, depois de percorrer Argentina, ...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Raul Bopp (Santa Maria, Rio Grande do Sul, 1898 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1984). Poeta, cronista e jornalista. Nascido numa pequena vila de Santa Maria, muda-se para Tupanciretã, Rio Grande do Sul, com um ano de idade. Aos 16 anos, inicia a primeira das viagens que inspiram suas obras. Ela termina em 1918, depois de percorrer Argentina, Paraguai e o Centro e o Sudoeste do Brasil. De volta a Tupanciretã, conclui o ginásio. Forma-se em direito em 1922, e tem passagens pelos estados do Rio Grande do Sul, de Pernambuco, do Pará e do Rio de Janeiro. 

É nesse período que conhece e estreita amizade com escritores importantes como José Lins do Rego (1901-1957) e Aníbal Machado (1894-1964), além de contribuir com poemas e artigos para jornais e revistas. Em 1926 vai para São Paulo, onde integra o movimento antropofágico e, com incentivo da pintora Tarsila do Amaral (1883-1973) e do escritor Oswald de Andrade (1890-1954), publica trechos de seu livro mais famoso, o poema narrativo Cobra Norato, na revista Paratodos

Em seguida, uma viagem o inspira a escrever Como se Vai de São Paulo a Curitiba. Com o fim do movimento antropofágico, em 1929, vai para o Oriente. Dois anos depois, é publicado integralmente Cobra Norato. Edita os poemas de Urucungo, em 1932, momento em que ingressa na carreira diplomática, voltando-se também à redação de artigos e memórias. 

Análise

A produção literária de Raul Bopp caracteriza-se, de modo generalista, pelo tom satírico, a recorrência de cenários naturais brasileiros, a oralidade, a presença de diálogos e o uso de aliterações. Em compasso com outros modernistas, Bopp busca incorporar em sua poesia elementos e mitos da cultura indígena.

Cobra Norato, sua obra-prima, é definida por mais de um intérprete como o paralelo em verso de Macunaíma (1928), a rapsódia em prosa de Mário de Andrade (1893-1945). O crítico Sérgio Buarque de Holanda (1902-1982) aproxima ainda as duas obras “no timbre por assim dizer épico em nossa moderna literatura”. Ambas são igualmente concebidas sob o impacto das ideias da psicanálise e da antropologia, que repercutem à época, bem como das experimentações das vanguardas europeias, que estimulam os modernistas brasileiros a incorporarem à “pesquisa formal tanto o material folclórico das narrativas indígenas quanto os elementos da cultura negra, realizando uma fusão perfeita entre o erudito e o popular”, segundo o crítico Augusto Massi (1959).

Em sua concepção, o poema vincula-se ao movimento primitivista, mergulhado nas matrizes arcaicas do imaginário brasileiro. Em termos temáticos, busca seu repertório no repositório de lendas e mitos populares, sobretudo da região Norte do país, como bem indica o subtítulo do poema: Nheengatu da Margem Esquerda do Amazonas - baseando-se nas Lendas em Nheengatu e Português, de Antonio Brandão Amorim (1865-1926). 

Partindo desse material folclórico, que manipula livremente, o poeta se veste na pele da Cobra Norato para sair em busca da princesa, filha da rainha Luzia, caminhando na beira do rio e da mata e vendo o mundo criar-se no alagado, onde pululam germes de animais e plantas na lama. Trata-se de um universo larvar em que os três reinos (vegetal, mineral e animal) se fundem indistintamente. No plano formal, os 33 episódios em que se estrutura o poema são baseados na técnica da bricolage, da montagem de materiais heterogêneos. A sequência das imagens justapostas lembra “uma sucessão de caráter cinematográfico”, diz a crítica Lígia Averbuck. 

Bopp opera, ainda, a fusão de formas e gêneros literários para acolher adequadamente a matéria poética fabulosa, pré-lógica, do romanceiro amazônico. Na forma elástica desse poema narrativo, alternam-se “polimorficamente momentos líricos, narrativos e dramáticos. No plano interno, ela harmoniza os elementos através de uma prosificação das células rítmicas, do erotismo visual de suas metáforas e da estrutura dialógica”, que não é encontrado apenas em Cobra Norato, mas também em outros momentos da obra de Bopp. No plano da linguagem, forja um léxico diversificado, fundindo vozes indígenas e africanas e alterando a sintaxe, como nota Murilo Mendes (1901-1975). Destaque-se, ainda, a recorrência de uma figura de linguagem como a onomatopeia, dando voz a animais, objetos e formas elementares. 

Vinculado à fase heróica do modernismo, Cobra Norato é publicado em 1931, quando o país, adentra em um novo momento histórico no qual o primitivismo estético não é um instrumento crítico eficaz para embasar os embates ideológicos da década de 1930, pois  “(...) não se tratava mais de descobrir o Brasil, porém submetê-lo ao crivo analítico e ensaiar uma interpretação. Tal descompasso não impediu o reconhecimento posterior, mas, sem dúvida, contribuiu no sentido de reduzir o impacto de sua obra, roubando-lhe aquele caráter militante de quem atua no calor da hora”.

No confronto entre a primeira edição de Cobra Norato e a luxuosa edição publicada em Zurique, em 1947, na qual o poeta reelabora ou suprime palavras, expressões ou versos inteiros, entre outras modificações, o poeta Carlos Drummond de Andrade (1902-1987) vai saudar essa remanipulação do poema como prova de precisão e consciência artística. Anos depois, entretanto, o crítico José Paulo Paes (1926-1998) lamenta essas supressões e mudanças formais que expurgam o poema de elementos interessantes. 

A visão que predomina durante algum tempo de Raul Bopp ser autor de um único livro (um clássico do modernismo) é um equívoco só reparado muito tempo depois. Dentre as outras obras que produz, costuma-se destacar Urucungo (1932) que, em relação a Cobra Norato, marca a passagem do mito para a história. Como define o crítico Antônio Hohlfeldt (1948), os poemas “oferecem uma espécie de roteiro da condição negra no Brasil, desde a sua caça e escravidão ainda em terras da África (...) até aqueles que fixam a miscigenação e a atribuição de atividades sociais aos negros”. Há, portanto “(...), prioridade, por parte do poeta, à observação e à reinterpretação dos aspectos culturais da miscigenação, que resultaram nas festividades e lendário tão variado que marcam hoje todo o país”. Assim, pelo tema, Urucungo se aproxima dos Poemas Negros, de Jorge de Lima (1893-1953), e mesmo dos Poemas da Negra (1929), de Mário de Andrade.

Obras 2

Abrir módulo
Reprodução Fotográfica Horst Merkel

Espetáculos 2

Abrir módulo

Espetáculos de dança 1

Abrir módulo

Exposições 6

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 2

Abrir módulo
  • AVERBUCK, Lígia. Cobra Norato e a revolução caraíba. Rio de Janeiro: José Olympio: INL, 1985.
  • BOPP, Raul. Poesia completa de… MASSI, Augusto (org.). Rio de Janeiro: São Paulo: José Olympio: Edusp, 1998.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: