Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Elke Maravilha

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 22.10.2019
22.02.1945 Rússia / a definir / São Petersburgo
16.08.2016 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Fotografia Ivson Miranda/Itaú Cultural

Elke Maravilha no evento Em torno de Zuzu, 2014

Elke Georgievna Grunnupp Evremides (Leningrado, Rússia, 1945 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016). Atriz, apresentadora, jurada, modelo, cantora, professora, tradutora. Filha de pai russo e mãe alemã, chega ao Brasil aos 6 anos com a família que emigra em razão das perseguições do regime soviético e estabelece-se na zona rural de Itabira (MG)...

Texto

Abrir módulo

Elke Georgievna Grunnupp Evremides (Leningrado, Rússia, 1945 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016). Atriz, apresentadora, jurada, modelo, cantora, professora, tradutora. Filha de pai russo e mãe alemã, chega ao Brasil aos 6 anos com a família que emigra em razão das perseguições do regime soviético e estabelece-se na zona rural de Itabira (MG). Em 1955, a família muda-se para o interior de São Paulo. Voltam a Minas Gerais, época em que ganha um concurso de beleza, o de Glamour Girl (1962). Nesse período, naturaliza-se brasileira. Sozinha, muda-se para o Rio de Janeiro aos 20 anos, onde trabalha como secretária bilíngue. Fluente em nove idiomas, é a mais jovem professora da Aliança Francesa e da União Cultural Brasil-Estados Unidos. 

Muda-se para Porto Alegre, onde reside de 1966 a 1969. Lá, cursa disciplinas de filosofia, medicina e letras na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), aprimorando-se como tradutora-intérprete. Aos 24 anos, de volta ao Rio, começa carreira de modelo, desfilando para o estilista Guilherme Guimarães. Desfila para Zuzu Angel (1921-1976), de quem se torna amiga, e é uma das modelos da coleção de protesto político. Nos desfiles promovidos nas lojas de Zuzu, aprimora suas características performáticas. É capa das principais revistas de moda e atualidades. No cinema, estreia como atriz em 1971, atuando com Grande Otelo (1915-1993) no filme O Barão Otelo no Barato dos Bilhões, de Miguel Borges (1937-2013). 

Sua primeira participação na televisão acontece em 1972, como jurada no programa do Chacrinha (1917-1988). No Sistema Brasileiro de Televisão (SBT), também compõe o júri do Show de Calouros de Silvio Santos (1930). Como atriz de telenovelas, sua primeira atuação é em A Volta de Beto Rockfeller (1973), produzida pela TV Tupi. Recebe do colunista social Daniel Más (1944-1989) o apelido com o qual se consagra na vida artística: Elke Maravilha.

 

Análise

Personalidade da cultura brasileira, torna-se ícone da liberação dos costumes. Durante o regime militar, é presa por violação à Lei de Segurança Nacional. Sua prisão ocorre a caminho de São Paulo, indo divulgar o filme Barão Otelo no Barato dos Bilhões no programa de Silvio Santos. Rasga, no aeroporto, cartazes de procurados pela polícia com a imagem de Stuart Angel, filho de Zuzu, opositor da Ditadura Militar Brasileira e integrante do Movimento Revolucionário 8 de Outubro (MR-8). Em virtude deste episódio, caçam sua cidadania brasileira. Apátrida, como se define, chega a ter passaporte da Organização das Nações Unidas (ONU) para pessoas de cidadania indefinida e recebe, posteriormente, documentos alemães.

Combinando culturas, desenvolve um estilo singular de vestir e pentear-se, numa mescla de elementos tribais e futuristas, por vezes de caráter andrógeno, o que a faz ser tida como “mãe” das drag queens. Mesmo madura, esse estilo contribui para que participe de desfiles para marcas jovens, como a Cavalera, na década de 2000.

Como jurada, participa de programas de auditório em companhia de figuras caricatas, como Wagner Montes (1954) e Pedro de Lara (1925-2007). No SBT, apresenta um talkshow com seu nome: Elke. Como atriz de cinema, participa de vários filmes, entre eles, Pixote: a Lei do Mais Fraco (1980), de Hector Babenco (1946-2016) e Xuxa Requebra (1999), de Iara Macedo, transitando com desenvoltura entre o popular e o cult. Atua na minissérie Memórias de um Gigolô (1986), de Walter Avancini (1935-2001), exibida pela TV Globo. A interpretação como dona de bordel, rende-lhe um convite para ser madrinha da Associação das Prostitutas do Rio de Janeiro. É personagem de inúmeras reportagens e documentários. Como atriz de teatro, participa de diversas peças e encerra a carreira com dois espetáculos autorais nos quais interpreta textos e canções: Elke – do Sagrado ao Profano e Elke Canta e Conta.

Obras 1

Abrir módulo

Espetáculos 13

Abrir módulo

Exposições 1

Abrir módulo

Mídias (2)

Abrir módulo
Elke Maravilha - Obra Revelada
Elke Maravilha apresenta a Jorge Coli uma obra de arte que considera importante no Rio de Janeiro. Esse vídeo compõe a série Obra Revelada que propõe abrir espaços para pessoas de profissão, formação e perfil diferentes entre si nos apresentem uma obra de arte de maneira pessoal e afetiva.
Em Torno de Zuzu - Encontro com Elke Maravilha e Hildegard Angel - Ocupação Zuzu (2014)
O evento "Em Torno de Zuzu - Encontros Sobre Moda, Criação e Política" reúne artistas, estilistas e pesquisadores para falar sobre a obra de Zuzu e também sobre seus próprios trabalhos.

Fontes de pesquisa 9

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: