Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Sosígenes Costa

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 03.08.2017
14.11.1901 Brasil / Bahia / Belmonte
05.11.1968 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Sosígenes Marinho da Costa (Belmonte, Bahia, 1901 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1968). Poeta, jornalista e professor. Estreia na imprensa por volta de 1928, em Ilhéus BA, onde colabora no Diário da Tarde. No mesmo ano torna-se membro da Academia dos Rebeldes, com Pinheiro Viegas, Jorge Amado (1912-2001), Edison Carneiro e Dias da Costa. Na é...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Sosígenes Marinho da Costa (Belmonte, Bahia, 1901 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1968). Poeta, jornalista e professor. Estreia na imprensa por volta de 1928, em Ilhéus BA, onde colabora no Diário da Tarde. No mesmo ano torna-se membro da Academia dos Rebeldes, com Pinheiro Viegas, Jorge Amado (1912-2001), Edison Carneiro e Dias da Costa. Na época, trabalha como professor de instrução primária. No início da década de 1950 é secretário da Associação Comercial e telegrafista do Departamento de Correios e Telégrafos, em Ilhéus. Em 1959 ocorre a publicação de seu livro Obra Poética, pelo qual recebe o Prêmio Jabuti de Poesia, em 1960. Entre 1978 e 1979 são publicadas as segundas edições, revista e aumentada, de Obra Poética e a póstuma Iararana, por iniciativa do crítico José Paulo Paes (1926-1998). A poesia de Sosígenes Costa vincula-se à segunda geração do Modernismo. Segundo José Paulo Paes, "a ter como certas as datas de composição das peças enfeixadas na primeira parte da Obra Poética, quando ainda andava acesa a campanha dos modernistas contra o soneto em prol da institucionalização do verso livre, entretinha-se o poeta a escrever seus 'Sonetos Pavônicos', todos rigorosamente rimados e metrificados, nos quais são perceptíveis traços parnasianos e, sobretudo, simbolistas, ainda que tais sonetos nada tenham de passadistas, caracterizando-se antes por uma modernidade que se patenteia, como a de Quintana, na exploração criativa das possibilidades expressionais dessa forma fixa, então esclerosada pela prática mecânica e abusiva".

Fontes de pesquisa 2

Abrir módulo
  • COSTA, Sosígenes. Iararana. Introdução, apuração do texto e glossário José Paulo Paes. Apresentação Jorge Amado. Ilustração Aldemir Martins. São Paulo: Cultrix, 1979.
  • PAES, José Paulo. Pavão parlenda paraíso: uma tentativa de descrição crítica da poesia de Sosígenes Costa. São Paulo: Cultrix, 1977.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: