Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Raimundo Correia

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 08.07.2021
13.05.1859 Brasil / Maranhão / Cururupu
13.09.1911 França / Ile de France / Paris
Reprodução Fotográfica Horst Merkel

Versos e Versões, 1887
Raimundo Correia
Brasiliana Itaú/Acervo Banco Itaú

Raimundo da Mota de Azevedo Correia (Cururupu, Maranhão, 1859 - Paris, França 1911). Poeta, jornalista, juiz de direito e político. Filho do bacharel em direito José da Mota de Azevedo Correia e de Maria Clara Vieira da Silva. Em conseqüência das constantes transferências de seu pai, passa a infância em diversos municípios dos estados de Sergipe...

Texto

Abrir módulo

Raimundo da Mota de Azevedo Correia (Cururupu, Maranhão, 1859 - Paris, França 1911). Poeta, jornalista, juiz de direito e político. Filho do bacharel em direito José da Mota de Azevedo Correia e de Maria Clara Vieira da Silva. Em conseqüência das constantes transferências de seu pai, passa a infância em diversos municípios dos estados de Sergipe, Santa Catarina e Rio de Janeiro. Instala-se na capital do Rio de Janeiro em 1872, e se matricula no Colégio Pedro II. Ao concluir o curso colegial, muda-se para a cidade de São Paulo, em 1878, e inicia o curso matricula-se na Faculdade de Direito do Largo São Francisco, onde, com Augusto de Lima (1859 - 1954), lança a Revista de Ciências e Letras. No ano de 1879, estréia com o livro de poemas Primeiros Sonhos. Colaborador em diversos jornais paulistas e cariocas, conclui o curso de direito em 1882 e segue carreira na magistratura. Em 1889 é nomeado secretário da presidência da província do Rio de Janeiro, sendo exonerado no ano seguinte. Três anos mais tarde, em Ouro Preto, então capital de Minas Gerais, assume o cargo de diretor da Secretaria de Finanças do Estado e dá aulas na Faculdade Livre de Direito. É eleito professor catedrático de direito criminal, em 1896. No ano seguinte ocupa a cadeira número 5 da Academia Brasileira de Letras - ABL, e, exercendo função diplomática, embarca para Lisboa e permanece um ano na Europa. Em 1900, muda-se definitivamente para o Rio de Janeiro e colabora em diversos periódicos até 1911, quando, acometido por uma grave doença, viaja para tratamento em Paris, onde morre.

Obras 1

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: