Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Vicente de Carvalho

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 18.08.2017
05.04.1866 Brasil / São Paulo / Santos
22.04.1924 Brasil / São Paulo / Santos
Reprodução Fotográfica Horst Merkel

Poemas e Canções, 1908
Vicente de Carvalho
Brasiliana Itaú/Acervo Banco Itaú

Vicente Augusto de Carvalho (Santos SP, 1866 - idem, 1924). Poeta, contista, jornalista e juiz de direito. Revela interesse precoce pela poesia, escrevendo os primeiros versos aos 8 anos. Ingressa na Faculdade de Direito de São Paulo aos 16 anos, formando-se em 1886, um ano depois da publicação de Ardentias, a estreia em livro. Colabora para os ...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Vicente Augusto de Carvalho (Santos SP, 1866 - idem, 1924). Poeta, contista, jornalista e juiz de direito. Revela interesse precoce pela poesia, escrevendo os primeiros versos aos 8 anos. Ingressa na Faculdade de Direito de São Paulo aos 16 anos, formando-se em 1886, um ano depois da publicação de Ardentias, a estreia em livro. Colabora para os jornais O Patriota, A Ideia Nova, Piratini, O Correio da Manhã e A Tribuna, sustentando ideais republicanos e abolicionistas.

Eleito membro do Diretório Republicano de Santos SP, participa da Boemia Abolicionista, encaminhando escravos fugitivos para o Quilombo Jabaquara - a situação será mote para o poema épico "Fugindo ao cativeiro", publicado em 1908 em Poemas e Canções, título com que se notabiliza. Em 1889 é redator do Diário de Santos e funda o Diário da Manhã em Santos. Eleito deputado em 1891, participa da Comissão Redatora da Constituinte. Abandona a carreira política em 1892, após demitir-se do cargo de secretário do Interior do Estado.

Entre 1894 e 1913 colabora em O Estado de S. Paulo sob o pseudônimo de João d'Amaia. De volta a Santos desde 1901, exerce a advocacia, funda O Jornal em 1905 e colabora para a Revista dos Educadores em 1912. É eleito membro da Academia Brasileira de Letras em 1909. No período de 1914 a 1920 atua como desembargador do Tribunal de Justiça do Estado, em Santos. Tendo já publicado verso e prosa, em 1924 lança Luizinha, comédia em dois atos.

Comentário Crítico
Reconhecido principalmente como poeta, Vicente de Carvalho é ora identificado como o quarto maior parnasiano brasileiro - atrás de Olavo Bilac (1865 - 1918), Raimundo Correia (1859 - 1911) e Alberto de Oliveira (1857 - 1937) -, ora considerado um parnasiano atípico. Seus versos dedicam-se a temas como o amor, a morte e a natureza, em especial o mar.

Ardentias (1885), o primeiro livro, descreve a mulher amada em diferentes situações: "Adormecida", é uma "angélica figura"; de passagem, perturba, nos dizeres do poeta, "toda minha'alma de louco". O arroubo romântico, notável nos dois exemplos, é contido pelas formas poéticas fixas: no soneto ou na canção, o poeta trabalha rigorosamente a métrica e o esquema de rimas.

O intertexto com o passado poético está igualmente nos horizontes do autor. Um soneto de "Velho tema", conjunto incluído em Poemas e Canções (1908), inicia-se com o verso "Eu cantarei de amor tão fortemente", relembrando o "Eu cantarei de amor tão fortemente" do poeta quinhentista Luís de Camões.

Já os ecos da poesia oral se fazem presentes em recursos de repetição empregados com destreza, conforme exemplifica o refrão do primeiro fragmento de "Arte de amar". A variação do verso "O que fui, o que fiz" ao fim de cada estrofe ("No que fui, no que fiz", "No que fui - o que fiz") proporciona diferentes sentidos a partir de modificações mínimas. As imagens criadas pelo poeta prezam a clareza e a capacidade plástica, sem obscurecer o sentido do poema. Diante do mar, afirma: "[...] A minha vida é como as praias,/ E o sonho morre como as ondas voltam!". Já o solo é assim descrito: "Na sombra em confusão do mato farfalhante/ Tumultuando, o chão corre às soltas, sem rumo".

Os temas sociais tampouco lhe escaparam: a escravidão surge em "Fugindo ao cativeiro"; em "A voz do sino" o eu lírico se compadece ao observar que "Na roça a miséria é tanta?". Essas preocupações, somadas ao sentimentalismo evidente, são o que tornam problemática a plena identificação de Vicente de Carvalho ao Parnasianismo.

Obras 1

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: