Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Marly de Oliveira

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 12.06.2017
11.06.1938 Brasil / Espírito Santo / Cachoeiro de Itapemirim
01.06.2007 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Marly de Oliveira (Cachoeiro de Itapemirim ES 1938 - Rio de Janeiro RJ 2007). Cursa Letras Neolatinas na PUC/RJ, no final da década de 1950, no Rio de Janeiro. Em 1958 publica Cerco da Primavera, seu primeiro livro de poesia. No início da década de 1960 estuda História da Língua Italiana e Filologia Românica em Roma (Itália). De volta ao Brasil,...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Marly de Oliveira (Cachoeiro de Itapemirim ES 1938 - Rio de Janeiro RJ 2007). Cursa Letras Neolatinas na PUC/RJ, no final da década de 1950, no Rio de Janeiro. Em 1958 publica Cerco da Primavera, seu primeiro livro de poesia. No início da década de 1960 estuda História da Língua Italiana e Filologia Românica em Roma (Itália). De volta ao Brasil, trabalha como assistente de Mário Camarinha na cadeira de Literatura Hispano-Americana na PUC/RJ e na PUC/Petrópolis. Entre 1962 e 1967 é professora de Língua, Literatura Italiana e Literatura Hispano-Americana na Faculdade das Dorotéias, em Friburgo RJ. Organiza, em 1995, a Obra Completa de João Cabral de Melo Neto, com Margaret George. Sua obra poética abrange os livros Explicação de Narciso (1960), A Suave Pantera (1962), O Sangue na Veia (1967), Contato (1975), A Força da Paixão (1982) e O Mar de Permeio (1997), entre outros. A poesia de Marly de Oliveira filia-se à terceira geração do Modernismo. Para o poeta Mário Chamie (1933 - 2011), "o percurso de Marly, mágico e pendular, retoma sempre o princípio de tudo ('o erro nunca está no fim: / no início é que é preciso / ir desfazendo o escuro'), anula a aridez das lembranças e conflitos pessoais ('por mais que se ande, o caminho / leva sempre para trás'), até chegar à escrita revelada de uma poesia que submete o sofrimento da perda, a amargura do engano, a frieza da aridez ao 'império da esperança' e ao chamado do amor (...)".

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: