Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Anna Bella Geiger

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 06.01.2021
1933 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Rrolos - Scrolls com Livro de Ester, 2002
Anna Bella Geiger
Desenhos com lápis de cor em papel apergaminhado

Anna Bella Geiger (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1933). Escultora, pintora, gravadora, desenhista, artista intermídia e professora. Com formação em língua e literatura anglo-germânicas, inicia, na década de 1950, seus estudos artísticos no ateliê de Fayga Ostrower (1920-2001). Em 1954, vive em Nova York, onde freqüenta as aulas de história da ...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Anna Bella Geiger (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1933). Escultora, pintora, gravadora, desenhista, artista intermídia e professora. Com formação em língua e literatura anglo-germânicas, inicia, na década de 1950, seus estudos artísticos no ateliê de Fayga Ostrower (1920-2001). Em 1954, vive em Nova York, onde freqüenta as aulas de história da arte com Hannah Levy no The Metropolitan Museum of Art (MET) [Museu Metropolitano de Arte] e, como ouvinte, cursos na New York University. Retorna ao Brasil no ano seguinte. Entre 1960 e 1965, participa do ateliê de gravura em metal do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM/RJ), onde passa a lecionar três anos mais tarde.

Em 1969, novamente em Nova York, ministra aulas na Columbia University. Volta ao Rio de Janeiro em 1970. Em 1982, recebe bolsa da John Simon Guggenheim Memorial Foundation, em Nova York. Publica, com Fernando Cocchiarale (1951), o livro Abstracionismo Geométrico e Informal: a vanguarda brasileira nos anos cinqüenta, em 1987. Sua obra é marcada pelo uso de diversas linguagens e a exploração de novos materiais e suportes. Nos anos 1970, sua produção tem caráter experimental: fotomontagem, fotogravura, xerox, vídeo e Super-8. Dedica-se também à pintura desde a década de 1980.

A partir da década de 1990, emprega novos materiais e produz formas cartográficas vazadas em metal, dentro de caixas de ferro ou gavetas, preenchidas por encáustica. Suas obras situam-se no limite entre pintura, objeto e gravura.

Análise

Num primeiro momento, o trabalho de Anna Bella Geiger vincula-se ao abstracionismo informal. Aluna de desenho, gravura e pintura de Fayga Ostrower a partir de 1950, a artista participa da 1ª Exposição Nacional de Arte Abstrata, no Hotel Quitandinha, em Petrópolis, Rio de Janeiro, em 1953. Após uma pausa na atividade artística, motivada pelo ingresso na Faculdade Nacional de Filosofia e viagem de estudo aos Estados Unidos, Geiger freqüenta o ateliê de gravura em metal do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM/RJ) de 1960 a 1965. Nesse período, completamente dedicada à gravura, ela passa a desenvolver uma figuração de base abstrata.

De 1965 a 1968, Geiger produz o que é chamado pela crítica de "fase visceral", sob a influência da nova figuração. As imagens trazem a pesquisa da realidade orgânica mediante a representação fragmentada do corpo como referência a um possível mapa do microcosmo. Essa fase antecipa a utilização da cartografia em sua produção, cujo eixo central é o questionamento da noção de limitação de territórios culturais baseados em fronteiras geográficas, por exemplo, a problematização da existência de uma "cultura brasileira" comum a todos os habitantes da nação. Ao mesmo tempo Geiger compõe suas imagens com base em chapas de metal recortadas, explicitando e explorando artisticamente o próprio processo material de produção da técnica de gravura em metal.

Apesar da importância e constância da gravura em sua obra, em Circumambulatio (1972) percebe-se a necessidade de Geiger de encontrar novos meios de expressão. Nesse sentido, sua produção da década de 1970 é marcada por um caráter eminentemente experimental: fotogravura, fotografia clichê, fotomontagem, serigrafia, xerox, cartão-postal, vídeo, Super-8, são algumas das mídias utilizadas pela artista. Estimulada pelas questões levantadas pela arte conceitual e o momento político vivido, ela apresenta em seus trabalhos sobretudo questões relativas à identidade e cultura nacional, ao local do artista na sociedade, à constituição do meio de arte no Brasil e sua posição no mundo.

A série Brasil Nativo/Brasil Alienígena (1977), na qual Geiger dispõe nove cartões-postais com cenas da vida indígena lado a lado com retratos de sua vida cotidiana, é emblemática do período. Nela a cultura brasileira é pensada como resultado de tensões, continuidades e descontinuidades, a negar uma unidade cultural orgânica. Nesse momento, o uso irônico e transgressor da cartografia torna-se um elemento fundamental do trabalho em séries como O Pão Nosso de Cada Dia e Local da Ação. O caráter icônico dos mapas é tensionado a fim de criar uma verdadeira "topografia da arte", e simultaneamente problematizar as delimitações (culturais, políticas, sociais) indiciadas por fronteiras e limites.

Nos anos 1980, a artista começa a pintar e desenvolve longas séries, como Píer & Ocean, fazendo uma reavaliação crítica tanto da história da pintura quanto dos signos de seus trabalhos anteriores. Os anos 1990 são marcados por séries como Fronteiriços, em que novos materiais são usados. As formas cartográficas reaparecem vazadas em metal dentro de caixas de ferro ou gavetas de mapotecas preenchidas por encáustica. No limite entre gravura, pintura e objeto, essas obras são o emblema perfeito de toda sua produção na medida em que atualizam as séries anteriores. Mais recentemente, retoma seus interesses pelas novas tecnologias utilizando o vídeo em associação com a gravura (clichês de metal) e arquivos de ferro na instalação Indiferenciados (2001).

Obras 47

Abrir módulo
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

A Força do Homem

Água-forte, água-tinta e recorte
Reprodução fotográfica Rubber Seabra

Brasil 1500 - 1996

Gravura em metal, serigrafia e colagem
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Brasil 1550 - 1995

Fotogravura em metal, serigrafia, colagem e lápis de cor
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Burocracia

Óleo e acílica sobre tela

Exposições 412

Abrir módulo

Feiras de arte 1

Abrir módulo

Mostras audiovisuais 2

Abrir módulo

Mídias (1)

Abrir módulo
Anna Bella Geiger - Enciclopédia Itaú Cultural
A carioca Anna Bella Geiger possui um trabalho gráfico no qual se destacam o desenho, que ela pratica desde a infância, e a gravura. Em sua casa, que é também seu ateliê, ela compartilha com o marido – Pedro Geiger, geógrafo ligado a questões filosóficas e conceituais – influências que se refletem não só em imagens e formas cartográficas, mas também na compreensão de questões de território que marcam sua obra. A problematização do significado do suporte na arte, tema que ela explora com frequência, surgiu no período em que a artista lecionou no curso do Museu de Arte Moderna. É nesse momento que ela passa a pensar na terra como base. Para ela, a técnica é essencial, por isso a variedade de expressões artísticas no conjunto de sua carreira. “A gravura em metal propõe coisas que não são possíveis com a serigrafia, que propõe coisas que não são possíveis na gravura em madeira. Coisas desse gênero”, resume.

Produção: Documenta Vídeo Brasil
Captação, edição e legendagem: Sacisamba
Intérprete: Erika Mota (terceirizada)
Locução: Júlio de Paula (terceirizado)

Fontes de pesquisa 43

Abrir módulo
  • ANNA Bella Geiger e Artur A. Barrio. São Paulo: Pinacoteca do Estado, 1978. folha dobrada, s. il. SPpe 1978/g
  • ANNA Bella Geiger. Rio de Janeiro: Galeria Relevo, 1967. Republicado In: PEDROSA, Mário; AMARAL, Aracy (org.). Dos murais de Portinari aos espaços de Brasília . São Paulo: Perspectiva, 1981. 421 p. (Debates, 170). 701.18 P372d
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979. 709.81 A163ar v.1
  • ARTISTAS brasileiros na 20ª Bienal Internacional de São Paulo. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1989.
  • ARTISTAS brasileiros na 20ª Bienal Internacional de São Paulo. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1989. SPfb 1989
  • BIENAL BRASIL SÉCULO XX, 1994, São Paulo, SP. Bienal Brasil Século XX: catálogo. Curadoria Nelson Aguilar, José Roberto Teixeira Leite, Annateresa Fabris, Tadeu Chiarelli, Maria Alice Milliet, Walter Zanini, Cacilda Teixeira da Costa, Agnaldo Farias. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1994.
  • BIENAL BRASIL SÉCULO XX, 1994, São Paulo, SP. Bienal Brasil Século XX: catálogo. Curadoria Nelson Aguilar, José Roberto Teixeira Leite, Annateresa Fabris, Tadeu Chiarelli, Maria Alice Milliet, Walter Zanini, Cacilda Teixeira da Costa, Agnaldo Farias. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1994. 700 BI588sp Sec.XX
  • COCCHIARALE, Fernando; GEIGER, Anna Bella. Abstracionismo geométrico e informal: a vanguarda brasileira nos anos cinquenta. Rio de Janeiro: Funarte, Instituto Nacional de Artes Plásticas, 1987.
  • COCCHIARALE, Fernando; GEIGER, Anna Bella. Abstracionismo geométrico e informal: a vanguarda brasileira nos anos cinquenta. Rio de Janeiro: Funarte, Instituto Nacional de Artes Plásticas, 1987. 709.8104 C659a
  • DUARTE, Paulo Sérgio. Anos 60: transformações da arte no Brasil. Rio de Janeiro: Lech, 1998.
  • DUARTE, Paulo Sérgio. Anos 60: transformações da arte no Brasil. Rio de Janeiro: Lech, 1998. 709.81 D812a
  • GEIGER, Anna Bella. Anna Bella Geiger - obras em arquipélago. Rio de Janeiro: Paço Imperial, 2003.
  • GEIGER, Anna Bella. Anna Bella Geiger . São Paulo: Galeria Arte Global, 1976. , il. p&b color. CAT-G G312 1976
  • GEIGER, Anna Bella. Anna Bella Geiger . São Paulo: Galeria de Arte São Paulo, 1987. [23] p., il. color., foto p&b. G312 1987
  • GEIGER, Anna Bella. Anna Bella Geiger : constelações. Rio de Janeiro: MAM, 1996. 88 p., 41 il. color. CAT-G G312a 1996
  • GEIGER, Anna Bella. Anna Bella Geiger. Rio de Janeiro: Funarte, 1978. 38 p., il. color., foto. (Arte brasileira contemporânea). LR 759.06 G312a
  • GEIGER, Anna Bella. Anna Bella Geiger. São Paulo: Galeria Arte Global, 1976. , il. p&b color.
  • GEIGER, Anna Bella. Anna Bella Geiger. São Paulo: Galeria de Arte São Paulo, 1987. [23] p. il. color., foto p&b.
  • GEIGER, Anna Bella. Anna Bella Geiger. Texto Fernando Cocchiarale. Rio de Janeiro: Funarte, 1978. 38 p., il. color., foto. (Arte brasileira contemporânea).
  • GEIGER, Anna Bella. Anna Bella Geiger. Texto de Mário Pedrosa. Rio de Janeiro: Galeria Relevo, 1967. Republicado In: PEDROSA, Mário. Dos murais de Portinari aos espaços de Brasília. Organização Aracy Amaral. São Paulo: Perspectiva, 1981. 421 p. (Debates, 170).
  • GEIGER, Anna Bella. Anna Bella Geiger: constelações. Rio de Janeiro: MAM, 1996. 88 p., 41 il. color.
  • GEIGER, Anna Bella. Anna Bella Geiger: obras recentes. Texto de Annateresa Fabris. São Paulo: Valu Oria Galeria de Arte, 1999. Não catalogado
  • GEIGER, Anna Bella. Anna Bella Geiger: última Thule, pinturas, objetos e gravuras. Rio de Janeiro: Galeria Saramenha, 1985. [20] p. il. color.
  • GEIGER, Anna Bella. Anna Bella Geiger: última Thule, pinturas, objetos e gravuras. Rio de Janeiro: Galeria Saramenha, 1985. [20] p., il. color. G312 1985
  • GEIGER, Anna Bella. Circumambulatio . São Paulo: MAC/USP, 1973. [9] p., il. p&b. G312 1973
  • GEIGER, Anna Bella. Circumambulatio. São Paulo: MAC/USP, 1973. [9] p., il. p&b.
  • GEIGER, Anna Bella. Indiferenciados - Anna Bella Geiger. Rio de Janeiro: Paço Imperial, 2001. Não catalogado
  • GEIGER, Anna Bella. Pinturas. Brasília: Espaço Capital Arte Contemporânea, 1987. Não catalogado
  • GEIGER, Anna Bella. obras em arquipélago : Anna Bella Geiger. São Paulo: Instituto Tomie Ohtake, 2004. 24 p., il. color. G312 2004
  • GRAVURA brasileira hoje: depoimentos. Organização Heloisa Pires Ferreira e Maria Luisa Luz Távora; entrevistas Anna Bella Geiger, Emanoel Araújo, Fayga Ostrower, Lívio Abramo, Lotus Lobo, Roberto Magalhães, Rossini Perez. Rio de Janeiro: Oficina de gravura SESC-Tijuca, 1997. v.3.
  • GRAVURA brasileira hoje: depoimentos. Organização Heloisa Pires Ferreira e Maria Luisa Luz Távora; entrevistas Anna Bella Geiger, Emanoel Araújo, Fayga Ostrower, Lívio Abramo, Lotus Lobo, Roberto Magalhães, Rossini Perez. Rio de Janeiro: Oficina de gravura SESC-Tijuca, 1997. v.3. 769 G777 v.3
  • GRAVURA moderna brasileira: acervo Museu Nacional de Belas Artes. Curadoria Rubem Grilo. Rio de Janeiro: Museu Nacional de Belas Artes, 1999.
  • GRAVURA moderna brasileira: acervo Museu Nacional de Belas Artes. Curadoria Rubem Grilo. Rio de Janeiro: Museu Nacional de Belas Artes, 1999. CAT-G RJmnba 1999/g
  • GRAVURA: arte brasileira do século XX. São Paulo: Itaú Cultural: Cosac & Naify, 2000.
  • GRAVURA: arte brasileira do século XX. São Paulo: Itaú Cultural: Cosac & Naify, 2000. IC 769 G777
  • LEITE, José Roberto Teixeira. 500 anos da pintura brasileira. [S.l.]: Log On Informática, 1999. 1 CD-ROM.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. 500 anos da pintura brasileira. [S.l.]: Log On Informática, 1999. 1 CD-ROM. CDR 759.981 L533q
  • PONTUAL, Roberto. Arte/ Brasil/ hoje: 50 anos depois. São Paulo: Collectio, 1973.
  • PONTUAL, Roberto. Arte/ Brasil/ hoje: 50 anos depois. São Paulo: Collectio, 1973. 709.8104 P818a
  • PONTUAL, Roberto. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand. Rio de Janeiro: Edições Jornal do Brasil, 1987.
  • PONTUAL, Roberto. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand. Rio de Janeiro: Edições Jornal do Brasil, 1987. 709.8104 Cg492pr
  • TERRA, Paula; FERREIRA, Glória (Cur.). Situações: arte brasileira anos 70. Rio de Janeiro: Fundação da Casa França-Brasil, 2000.
  • TERRA, Paula; FERREIRA, Glória (Cur.). Situações: arte brasileira anos 70. Rio de Janeiro: Fundação da Casa França-Brasil, 2000. RJfcfb 2000/s

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: