Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Zélia Gattai

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 04.02.2020
02.07.1916 Brasil / São Paulo / São Paulo
17.05.2008 Brasil / Bahia / Salvador
Zélia Gattai Amado de Faria (São Paulo, São Paulo, 1916 - Salvador, Bahia, 2008). Escritora e fotógrafa. Sua obra se caracteriza pelo intenso trabalho com a escrita memorialística, em que combina relato autobiográfico e testemunho histórico.

Texto

Abrir módulo

Zélia Gattai Amado de Faria (São Paulo, São Paulo, 1916 - Salvador, Bahia, 2008). Escritora e fotógrafa. Sua obra se caracteriza pelo intenso trabalho com a escrita memorialística, em que combina relato autobiográfico e testemunho histórico.

Filha dos imigrantes italianos Angelina Da Col (1904-1969) e Ernesto Gattai (1885-1940), passa a infância no bairro do Paraíso, em São Paulo. As experiências vividas pela autora nesse ambiente, em um momento de efervescência política, são fundamentais para a construção de sua obra memorialística.

Até produzir seu primeiro livro, aos 63 anos, Zélia não pensa em ser escritora, mas seu interesse por contar histórias está vinculado a experiências vividas por ela desde a infância. Em seu discurso de posse na Academia Brasileira de Letras, da qual ocupa a cadeira nº 23, afirma: “Essa qualidade de contadora de histórias, que bem ou mal executo, trago no sangue”1.

Convive, a partir dos anos 1930, com grupos de intelectuais e militantes: em 1945, começa a trabalhar no movimento pela libertação de presos políticos do Estado Novo; vai para a Europa em 1948, onde vive com Jorge Amado (1912-2001), parceiro intelectual e afetivo que estava exilado no continente; mora por cinco anos entre Paris e Praga e entra em contato com grandes intelectuais da época, como Simone de Beauvoir (1908-1986), Jean-Paul Sartre (1905-1980) e Pablo Neruda (1904-1973). Além de estudar língua e cultura francesa na Sorbonne, começa, nesse momento, a trabalhar com fotografia.

Zélia é autora de 11 livros de memórias, três livros voltados para o público infantil e um romance. Sua primeira experiência com escrita, como aponta Antonella Rita Roscilli, remonta a 1959, durante uma visita de Sartre e Simone de Beauvoir ao Brasil. Ela escreve uma reportagem para a revista Joia, que resulta em seis páginas ilustradas com fotografias. A produção literária de Zélia surge com uma provocação de sua filha: Paloma pede a ela que escreva uma história (contada pela mãe com frequência). Apesar de haver relutância, a narrativa é escrita, e rende quinze páginas. Tal experiência incentiva a produção da obra mais conhecida da escritora, Anarquistas, graças a Deus (1979).

De acordo com Maria Luiza Tucci Carneiro, ao escrever suas memórias, Zélia deixa um importante legado histórico, que dá rosto ao proletariado paulistano: “ativistas anônimos ganham nomes e o imaginário social apresenta-se recheado de símbolos”2. O livro assume a função de documento da memória coletiva, ao reconstruir um período marcado por conflitos sociais, resistência e ideias de emancipação: o ideal anarquista chega ao Brasil com 150 pioneiros que desembarcam no porto de Santos em 1890; partindo de Gênova, eles têm o objetivo de fundar a primeira Colônia Socialista Experimental na América Latina. “Sonhavam com uma sociedade governada pela justiça e pelo sentimento humanitário, onde não haveria necessidade de leis, religião e propriedade privada”3. O livro é, mais tarde, adaptado para a televisão, numa minissérie escrita por Walter George Durst (1922-1997) e dirigida por Walter Avancini (1935-2001). A produção vai ao ar na Rede Globo entre 7 e 17 de maio de 1984.

Transcendendo o universo da memória pessoal, o segundo livro de Zélia, Um chapéu para viagem (1982), apresenta elementos históricos, como a tensão gerada pela Guerra Fria e a luta pela Constituinte de 1946. Em 1983, publica Pássaros noturnos do Abaeté, com gravuras de Calasans Neto (1932-2006). Em Senhora Dona do Baile (1984), escreve memórias do período em que viveu exilada na Europa. Ao lado do sentimento de horror diante de cidades traumatizadas pelo conflito, a escritora guarda em si “a utopia gerada pelos ideais socialistas”4.

No livro Jardim de Inverno (1989), em que Zélia se remete ao período vivido na Tchecoslováquia, o sentimento de exílio ganha agudez: “Aconteceu mesmo ocorrer-me um dia a ideia de comparar o nosso exílio a um cativeiro, imenso e abafado jardim de inverno”5. Entre outras obras de destaque, estão: Reportagem incompleta (1986), em que sua experiência com fotografia ganha corpo; A casa do Rio Vermelho (1999), em que retoma a cronologia memorialística, narrando a mudança para Salvador; e Crônica de Uma Namorada (1995), seu único romance.

Zélia estreia na literatura infantojuvenil em 1989. Para Susana Ramos Ventura, além da marca da oralidade, sua obra infantil tem relações com o trabalho de Monteiro Lobato (1882-1948). Em Pipistrelo das Mil Cores (1989), um animal de natureza mitológica é aprisionado por três caçadores no Pantanal e, posteriormente, levado para um zoológico. Há na trama uma forte referência a questões ecológicas. Em O Segredo da Rua 18 (1991), os protagonistas Doralice e Miguelinho inventam para os amigos a história de um tesouro de pirata enterrado no jardim. Jonas e a Sereia (2000), por sua vez, parte da clássica temática do amor impossível que, como aponta Ventura, abre caminho para a conciliação de opostos aparentemente inconciliáveis.

Por sua vasta obra memorialística e fotográfica, Zélia Gattai deixa um importante legado para a cultura brasileira, com forte teor de testemunho histórico e num raro encontro da literatura com a memória social.

 

Notas:

1. ACADEMIA Brasileira de Letras. Zélia Gattai. Discurso de posse. Sem data. Disponível em: http://www.academia.org.br/academicos/zelia-gattai/discurso-de-posse. Acesso em: 25 out. 2019.

2. CARNEIRO, Maria Luiza Tucci. Memórias de uma jovem anarquista. In: Seminário Zélia Gatai: Gênero e Memória. Apresentação Myriam Fraga. Salvador, FCJA; Museu Carlos Costa Pinto, 2002, p.1.

3. CARNEIRO, Maria Luiza Tucci. Memórias de uma jovem anarquista. In: Seminário Zélia Gatai: Gênero e Memória. Apresentação Myriam Fraga. Salvador, FCJA; Museu Carlos Costa Pinto, 2002, p.1.

4. CARNEIRO, Maria Luiza Tucci. Memórias de uma jovem anarquista. In: Seminário Zélia Gatai: Gênero e Memória. Apresentação Myriam Fraga. Salvador, FCJA; Museu Carlos Costa Pinto, 2002, p.1.

5. GATTAI, Zélia. Jardim de Inverno. 6. ed. Rio de Janeiro: Record, 1989, p. 20.

Obras 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo
  • CARNEIRO, Maria Luiza Tucci. Memórias de uma jovem anarquista. In: Seminário Zélia Gatai: Gênero e Memória. Apresentação Myriam Fraga. Salvador, FCJA; Museu Carlos Costa Pinto, 2002.
  • GATTAI, Zélia. Jardim de Inverno. 6. ed. Rio de Janeiro: Record, 1989.
  • ROSCILLI, Antonella Rita. Zélia de Eua: rodeada de estrelas. Salvador: Fundação Casa de Jorge Amado, 2006.
  • SANTOS, Arlinda Santana. Memórias e outras histórias: reflexões sobre a escrita memorialística de Zélia Gattai. 30/05/2016. Mestrado em Crítica Cultural. Universidade do Estado da Bahia. Alagoinhas. Biblioteca DEDC - II. p.16. Disponível em: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=4348228. Acesso em: 17 nov. 2019
  • VENTURA, Susana Ramos. O casal amado para crianças e jovens. Colóquio Internacional 100 Anos de Jorge Amado. FLUL - Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Conferência. Coimbra e Porto, 2012. Disponível em: https://www.academia.edu/10763983/O_casal_Amado_para_crian%C3%A7as_e_jovens. Acesso em: 17 nov. 2019
  • ZÉLIA Gattai fala sobre como começou a escrever. Salvador: Fundação Casa de Jorge Amado 2011 (7m33s). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=kX9hskUwodI. Acesso em: 25 out. 2019

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: