Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Silva Alvarenga

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 14.03.2017
1749 Brasil / Minas Gerais / Ouro Preto
01.11.1814 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Reprodução Fotográfica Horst Merkel

Glaura: Poemas Eróticos, 1799
Silva Alvarenga
Brasiliana Itaú/Acervo Banco Itaú

Manuel Inácio da Silva Alvarenga (Vila Rica, Minas Gerais, 1749 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1814). Poeta. Filho do músico Inácio Silva Alvarenga, parte para a Europa em 1771 para estudar direito canônico na Universidade de Coimbra. Em Portugal estabelece intenso contato com poetas como Alvarenga Peixoto (1744-1793) e Basílio da Gama (1741-...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Manuel Inácio da Silva Alvarenga (Vila Rica, Minas Gerais, 1749 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1814). Poeta. Filho do músico Inácio Silva Alvarenga, parte para a Europa em 1771 para estudar direito canônico na Universidade de Coimbra. Em Portugal estabelece intenso contato com poetas como Alvarenga Peixoto (1744-1793) e Basílio da Gama (1741-1795), mantendo com este último forte amizade. Inicia suas atividades literárias em 1774, publicando o poema herói-cômico O Desertor das Letras sob o codinome Alcino Palmireno, o qual usaria durante toda sua carreira como poeta. Regressa ao Brasil em 1777, estabelecendo-se no Rio de Janeiro. Funda a Sociedade Literária do Rio de Janeiro, que veicula ideias liberais. Devido ao contorno progressista das ideias veiculadas por sua sociedade científica, é acusado de subversão, e é preso. Permanece no cárcere por quase três anos, quando é solto por intervenção de D.Maria I, a quem já havia louvado no poema Templo de Netuno, quando ainda vivia em Portugal. Livre, continua a dedicar-se à atividade intelectual e literária. Em 1799 publica Glaura: poemas eróticos de um americano, passando a ser considerado um dos principais poetas da Arcádia Mineira. Mais tarde, colabora na revista literária O Patriota, continuando a difusão de ideais liberais, por meio de artigos.

Análise

Expoente importante do Arcadismo brasileiro, Silva Alvarenga destaca-se por elaborar uma poesia que flerta com modos brasileiros de expressão bastante específicos, como a música popular. Nesse sentido, pode-se dizer que a musicalidade popular, característica de seus versos, abre caminho para o trabalho dos românticos brasileiros, que também trabalharão com tais formas de expressão.

Alvarenga leva às últimas consequências o desejo árcade de construir uma poesia repleta de naturalidade, em que a simplicidade e a expressão espontânea fossem cultivadas em detrimento de imagens rebuscadas. Tais características podem ser observadas em Glaura: poemas eróticos de uma americano, livro composto de 59 rondós e 57 madrigais. Os poemas, que têm como tema central o sentimento amoroso são atravessados pela recusa à grandiloquência épica, que se faz sentir desde a epígrafe do volume: "Adeus, ó Heróis, quem enfim/ Nas cordas da doce lira/ se respira terno amor". Trata-se, portanto, da recusa aos grandes temas e formas épicos e da valorização da expressão lírica pessoal, espontânea; da busca pela naturalidade contra os artifícios da linguagem; da elaboração de formas breves, como são os rondós e madrigais.

Apesar de trabalhar os grandes temas e formas árcades em voga no momento, Silva Alvarenga os tinge de cor local, imprimindo a musicalidade popular em seus versos por meio da utilização de "ritmos langorosos,1 e da exaltação da natureza nacional, prenunciando, dessa forma, aspectos que o Romantismo brasileiro assumiria posteriormente.

Nota

1 A expressão é de Antonio Candido.

Obras 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 1

Abrir módulo
  • CANDIDO, Antonio. Formação da Literatura Brasileira: momentos decisivos. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2007.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: