Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Zuenir Ventura

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 02.06.2021
01.06.1931 Brasil / Minas Gerais / Além Paraíba
Zuenir Carlos Ventura (Além Paraíba, Minas Gerais, 1931). Escritor e jornalista. Em sua produção, retrata com apuração a realidade, a desigualdade, e os movimentos sociais e políticos por meio do jornalismo investigativo, da escrita literária e da crônica. 

Texto

Abrir módulo

Zuenir Carlos Ventura (Além Paraíba, Minas Gerais, 1931). Escritor e jornalista. Em sua produção, retrata com apuração a realidade, a desigualdade, e os movimentos sociais e políticos por meio do jornalismo investigativo, da escrita literária e da crônica. 

Muda-se para o Rio de Janeiro, e, em 1955, ingressa na Faculdade Nacional de Filosofia, atual Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Forma-se em 1958 em letras neolatinas. Nesse período, trabalha como redator de A História em Notícia, obra editada pelo jornalista Amaral Netto (1921-1995), e como arquivista na Tribuna da Imprensa. Por influência de Carlos Lacerda (1914-1977), então diretor do jornal, transfere-se para a redação. Em 1959, ganha bolsa de estudos do governo francês e estuda no Centro de Formação de Jornalistas, em Paris, onde atua como correspondente da Tribuna da Imprensa

De volta ao Brasil, torna-se editor internacional do Correio da Manhã e leciona na Escola Superior de Desenho Industrial da UFRJ, da qual é um dos fundadores. Nos anos seguintes, trabalha nas revistas O Cruzeiro e Visão. Sob a acusação de subversão, é preso em 1968 pelo governo militar, e, após ser libertado, em 1969, escreve para a Editora Abril uma série de reportagens com o título Os Anos 60: A Década que Mudou o Mundo. 

Volta para a revista Visão em 1971, onde atua como chefe de redação até 1977, ano em que passa a trabalhar na revista Veja. Em 1981, é diretor da sucursal da IstoÉ, e é convidado para reformular o Jornal do Brasil em 1985, onde permanece até 1999. 

Em 1988, publica o livro 1968, o Ano que Não Terminou. Sobre a obra, a crítica literária Heloísa Buarque de Holanda (1939) chama a atenção para o que considera a qualidade primeira do autor, a extrema habilidade de escuta: “A entrevista aqui não parece dirigida tão somente para o levantamento preciso de dados e fatos. [...] Descobre, na inflexão inevitavelmente ficcionalizada da memória, nostalgias, ressentimentos, desejos, sonhos, frustrações”1

Trata-se de um procedimento que ultrapassa uma pretensa objetividade jornalística, e dirige o olhar do leitor para aspectos específicos dos acontecimentos. Nesse primeiro livro, se, por um lado, no desenrolar da reportagem o autor sente-se à vontade para explorar, com base na voz de diferentes personagens, a variedade de pontos de vista de um mesmo fato, por outro, não dissipa a agilidade narrativa, que vai se desenvolvendo a partir de pequenas unidades, ora centradas em um acontecimento, ora na caracterização de um personagem relevante. 

Em 1989, sua série de reportagens O Acre de Chico Mendes vence os prêmios Esso de jornalismo e Vladimir Herzog2 de direitos humanos. Em 1994 lança o livro Cidade Partida, que lhe rende o Prêmio Jabuti de Reportagem no mesmo ano. Um retrato das causas da violência no Rio de Janeiro, a obra trata da chacina de Vigário Geral. Ventura, em confluência com experimentações, muda de estilo e de estrutura narrativa, conforme a mudança de foco: na primeira parte, de caráter eminentemente histórico, procura mostrar a presença de tensões e conflitos do Rio de Janeiro na década de 1950; na segunda, o texto assume a feição de uma crônica noir, com um narrador que desvenda os acontecimentos à medida que se processam, em um território pouco conhecido, a favela, “um mundo onde a república não chegou”.

Ventura atua também como colunista no jornal O Globo, de 1999 a 2003, e na revista Época. Reúne uma série de suas histórias, desde o início de sua carreira, passando pelos anos da ditadura civil-militar, e de memórias coletivas no livro Minhas Histórias dos Outros, publicado em 2005 e relançado em 2021. Em 2014, é eleito para a cadeira número 32 da Academia Brasileira de Letras (ABL).

Com escrita apurada, Zuenir Ventura resgata a memória e a história de grandes acontecimentos no Brasil de sua época, registrando-as em seus livros e em sua vasta contribuição nos principais jornais e revistas do país.

Nota

1. HOLANDA, Heloísa Buarque de. Prefácio. In: VENTURA, Zuenir. 1968, o ano que não terminou. 3. ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 2013. p. 20.
2. Prêmio concedido como reconhecimento ao trabalho de jornalistas e repórteres que promovem a defesa da Cidadania, dos Direitos Humanos e Sociais e da Democracia.

Fontes de pesquisa 10

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: