Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Eliane Brum

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 12.04.2021
1966 Brasil / Rio Grande do Sul / Ijuí
Eliane Brum (Ijuí, Rio Grande do Sul, 1966). Jornalista, escritora e documentarista. Dedica seu trabalho a contar histórias de pessoas comuns, retratando em suas reportagens, colunas e crônicas a matéria orgânica e ordinária da vida de gente anônima, sujeitos transformados em personagens de relatos tão reais quanto humanos. É uma das jornalistas...

Texto

Abrir módulo

Eliane Brum (Ijuí, Rio Grande do Sul, 1966). Jornalista, escritora e documentarista. Dedica seu trabalho a contar histórias de pessoas comuns, retratando em suas reportagens, colunas e crônicas a matéria orgânica e ordinária da vida de gente anônima, sujeitos transformados em personagens de relatos tão reais quanto humanos. É uma das jornalistas brasileiras mais premiadas nacional e internacionalmente pela precisão investigativa e pela acurada linguagem literária de seus textos.

Gradua-se como jornalista em 1988, pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), e inicia na capital gaúcha sua carreira profissional. Em 1994, publica seu primeiro livro, Coluna Prestes – O Avesso da Lenda, escrito após a jornalista refazer o caminho percorrido, 70 anos antes, pelos combatentes da Coluna Prestes. Em sua investigação, entrevista pessoas comuns que testemunharam a passagem do movimento político e relata o impacto desse momento histórico na vida das comunidades distribuídas pelos 25 mil quilômetros do trajeto.

Após 11 anos como contratada do jornal Zero Hora, de Porto Alegre, muda-se para São Paulo e passa a escrever como repórter especial da revista Época, onde trabalha por dez anos. É nesse período que passa a ser reconhecida nacionalmente, tanto pelo olhar humanizador que lança sobre suas reportagens, como pelo tom de notável crítica com que relata os fatos noticiados. Atenta a escutar vozes de gente de vida comum, lança A Vida Que Ninguém Vê (2006), ganhador do Prêmio Jabuti de melhor de livro de reportagem, em 2007. Na publicação, são narradas dez histórias vividas por pessoas cujas vidas não têm o atrativo especial que o jornalismo tradicional costuma valorizar. É justamente na miudeza das vidas ordinárias que Eliane Brum revela a surpreendente beleza do que ela chama de desacontecimentos.

Provocada pelas desigualdades profundas da sociedade brasileira, e em parceria com a professora Debora Diniz (1970), da Universidade de Brasília, dirige o documentário Uma história Severina (2005). O filme, primeira incursão de Eliane Brum em produções audiovisuais, é o relato da vida de uma mulher brasileira, nordestina, pobre e sem acesso à educação formal. Severina vive no interior de Pernambuco e, grávida de um feto anencéfalo, busca o direito de interromper a gravidez, mas esbarra em um sistema judiciário que invisibiliza a existência de mulheres como ela. O documentário, ao jogar luz sobre a polêmica do aborto de anencéfalos e personificar de maneira sensível o tema, repercute significativamente para o debate público dessa questão no Brasil.

No prefácio de O Olho da Rua – uma Repórter em Busca da Literatura da Vida Real (2008), terceiro livro publicado por Eliane Brum, o jornalista Caco Barcellos (1950) aponta aquela que é uma das características mais presentes na trajetória da jornalista, sua habilidade de escuta: “A reportagem é a arte da escuta. Para Eliane Brum, é muito mais do que ouvir. Por autodefinição mulher esfinge, ela exercita com esmero o seu dom de ouvinte, que abrange por ofício a captação do tom e do ritmo das palavras e do silêncio.”1 A obra, que reúne a compilação de uma dezena de reportagens assinadas por ela, apresenta ao público leitor os conflitos internos e as dificuldades encontradas em sua prática profissional. Fica nítido também seu envolvimento com uma visão menos utilitarista e mais literária do texto jornalístico, aspecto que possibilita que Eliane transite com destreza entre diferentes linguagens artísticas.

Uma Duas (2011) marca sua estreia como autora de literatura. O romance narra a relação profundamente intensa e emocionalmente conflituosa que existe entre uma mãe, Maria Lúcia, e sua filha Laura. A contradição do relacionamento de mãe e filha, cuidadosamente construída por meio da tessitura narrativa, revela a verve literária da escritora ao possibilitar que a história dessas duas mulheres possa ser um caminho de descoberta de si. Em artigo para o jornal O Globo, o escritor, jornalista e crítico literário José Castello (1951) destaca o caráter da ficção visceral de Eliane Brum: “Não é sempre que surge uma escritora como Eliane, para quem a ficção é um ato de superação – uma travessia existencial, e não um exercício virtuoso.”2

Após desfazer o vínculo institucional com a revista Época, em 2010, inicia novos projetos profissionais de atuação como colunista freelancer de jornais internacionais. Passa a escrever quinzenalmente para o jornal El País, da Espanha, e colabora eventualmente com o periódico inglês The Guardian. Além de assinar colunas independentes em meios digitais e impressos no Brasil e no exterior, dedica-se a uma experiência profissional e pessoal de imersão no contexto amazônico e na realidade dos povos tradicionais daquela região.

Com experiência em redações de jornais brasileiros e estrangeiros, o fazer jornalístico e a escrita de Eliane Brum se caracterizam por sua destreza em enxergar, no interlocutor a quem ela se dirige, possibilidades de narrativas que deem conta da trivialidade da vida de personagens reais. A qualidade textual que escapa ao óbvio e perpassa suas obras, sejam elas jornalísticas, literárias ou audiovisuais, é como uma baliza que indica a relevância da trajetória profissional de Eliane para o jornalismo do Brasil e do mundo.

 

Notas

1. BARCELLOS, Caco. Prefácio. In: BRUM, Eliane. O olho da rua: uma repórter em busca da literatura da vida real. 2. ed. revista e ampliada. Porto Alegre: Arquipélago Editorial, 2017. p. 10-11.

2. CASTELLO, José. Eliane no útero. O Globo, Rio de Janeiro, 11 jun. 2011. Prosa&Verso, p. 4.

Encontros 1

Abrir módulo

Oficinas 6

Abrir módulo

Palestras 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • BARCELLOS, Caco. Prefácio. In: BRUM, Eliane. O olho da rua: uma repórter em busca da literatura da vida real. 2. ed. revista e ampliada. Porto Alegre: Arquipélago Editorial, 2017.
  • CASTELLO, José. Eliane no útero. O Globo, Rio de Janeiro, 11 jun. 2011. Prosa&Verso, p. 4. Disponível em http://elianebrum.com/elianebrum/wp-content/uploads/2011/10/O-Globo1.pdf. Acesso em: 17 abr. 2018.
  • ELIANE Brum: Desacontecimentos. Site oficial da jornalista. São Paulo. Disponível em: http://elianebrum.com/. Acesso em: 16 abr. 2020.
  • SILVA, Nathália Coelho da. Estética dos contrários: a busca pela gênese do romance ‘Uma/Duas’ de Eliane Brum. 2017. 150 f., il. Dissertação (Mestrado em Literatura) – Universidade de Brasília, Brasília, 2017.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: