Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Luís Delfino

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 10.12.2017
25.08.1834 Brasil / Santa Catarina / Florianópolis
31.01.1910 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Luís Delfino dos Santos (Desterro, atual Florianópolis, Santa Catarina, 1834 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1910). Poeta, médico. Inicia em sua cidade natal os estudos no colégio de jesuítas, época em que tem "Delfino" acrescentado a seu nome, em homenagem à mãe, Delfina. Transfere-se aos dezesseis anos para o Rio de Janeiro, onde conclui, em...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Luís Delfino dos Santos (Desterro, atual Florianópolis, Santa Catarina, 1834 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1910). Poeta, médico. Inicia em sua cidade natal os estudos no colégio de jesuítas, época em que tem "Delfino" acrescentado a seu nome, em homenagem à mãe, Delfina. Transfere-se aos dezesseis anos para o Rio de Janeiro, onde conclui, em 1857, curso na Academia Imperial de Medicina. Atua como clínico, o que lhe permite alcançar conforto material, e dedica-se paralelamente à literatura - a estreia deu-se 1852, com a publicação do conto "O Órfão do Templo" na revista carioca Beija-Flor. Em 1859 torna-se membro da Academia Filosófica, associação literária que reunia acadêmicos de Medicina e médicos. O poema mais famoso de sua primeira fase poética, A Filha d´África, é publicado em 1862, na Revista Popular. A colaboração para a imprensa será longa e produtiva: escreve para diversos periódicos, como Revista Popular, Diário do Rio de Janeiro, A Estação e Gazetinha entre 1861 e 1881, A Vida Moderna, em 1886, e, entre 1898 e 1904, os simbolistas A Meridional, Revista Contemporânea, Rosa-Cruz e Vera-Cruz - nos festejos comemorativos do primeiro aniversário desta revista, é coroado Príncipe dos Poetas Brasileiros. Eleito senador por Santa Catarina em 1891, integra a Constituinte Republicana: como senador, assina seus trabalhos como Luiz Delfino. Seus livros de poemas foram publicados todos postumamente, em 14 volumes editados por seu filho.

Análise

A poesia de Luís Delfino tem a marca das três escolas literárias que vigoraram no fim do século XX: Romantismo, Parnasianismo e Simbolismo - sem, contudo, filiar-se a nenhuma delas. Os versos, em sua maioria lírico-amorosos, se organizam mais frequentemente em sonetos, embora o poeta tenha se dedicado também a composições longas.

Para Péricles Eugênio da Silva Ramos (1919-1992), o verso parnasiano do autor é "plástico e sonoro, por vezes até com complicações sinestésicas que poderiam dar-lhe laivos simbolistas". É o caso, por exemplo, de "A Valsa" (Algas e musgos), um soneto supostamente descritivo, mas cujo ritmo, simulando a dança, leva o eu lírico a expor sua subjetividade:

"Move-se, treme, anseia, empalidece,
Cai, agoniza; acaba-lhe nos braços [...]
 
Rojar-me ao chão, à terra de repente,
E nas voltas daquela valsa ardente
Morrer em baixo de seus pés calcado!".

Já o Romantismo se revela sobretudo no retrato da mulher amada, intangível e idealizada em sua beleza sublime e na alegria plena que poderia proporcionar um contato íntimo. O poeta pode possuí-la somente a partir da poesia, obsessão que leva inclusive à reescritura poética do Gênesis. Imortalidades III apresenta um Adão pouco preocupado com a expulsão do Éden, já que teria sempre a companhia de Eva, neste caso superior à qualquer divindade.

Outro traço romântico se faz ver na poesia cívica do autor, em que efetua a defesa do abolicionismo, neste aspecto se aproximando a Castro Alves (1847-1871). A respeito da escravidão no Brasil, A Filha d'África verseja: "Podes ser grande... hás de ser grande, ó terra!/ Mas teus braços - um dia - envergonhados,/ Hão de levar do tempo à fronte augusta/ Uma c'roa de séculos manchados!".

O parecer crítico sobre a poesia de Luís Delfino não é consensual. Se Gilberto Amado o considerou "o maior de nossos líricos", Sílvio Romero (1851-1914) afirmou que o autor "não está destinado a representar na história (...) o primeiro papel, a primeira figura de nossa poesia". Para Celso Luft, a divergência nas avaliações "se justifica em parte pelo ecletismo de sua obra".

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: