Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Bernardo Guimarães

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
15.08.1825 Brasil / Minas Gerais / Ouro Preto
10.03.1884 Brasil / Minas Gerais / Ouro Preto
Reprodução Fotográfica Horst Merkel

O Índio Afonso, 1873
Bernardo Guimarães
Brasiliana Itaú/Acervo Banco Itaú

Bernardo Joaquim da Silva Guimarães (Ouro Preto MG 1825 - Idem 1884). Romancista, contista e poeta. Aos 4 anos muda-se, com a família, para Uberaba, Minas Gerais, onde inicia os estudos. Conclui o secundário em Ouro Preto. Em 1847 segue para São Paulo para cursar a Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, e torna-se amigo dos poetas Aurel...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Bernardo Joaquim da Silva Guimarães (Ouro Preto MG 1825 - Idem 1884). Romancista, contista e poeta. Aos 4 anos muda-se, com a família, para Uberaba, Minas Gerais, onde inicia os estudos. Conclui o secundário em Ouro Preto. Em 1847 segue para São Paulo para cursar a Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, e torna-se amigo dos poetas Aureliano Lessa (1828 - 1861) e Álvares de Azevedo (1831 - 1852). Juntos, profundamente influenciados pela poesia e pela personalidade do poeta inglês Lorde Byron (1788 - 1824), fundam a Sociedade Epicuréia, que escandaliza na época a pacata cidade. Estréia na poesia com Cantos da solidão, em 1852. No mesmo ano, obtido o bacharelado, assume o cargo de juiz municipal de Catalão, Goiás, que exerce até 1854. Quatro anos depois transfere-se para o Rio de Janeiro, e inicia atividades como jornalista e crítico literário. Reassume o cargo em Catalão em 1861 e três anos depois  volta ao Rio de Janeiro, e cuida da edição de sua obra poética. Em 1866 fixa-se em definitivo em Ouro Preto - com uma rápida passagem por Queluz, atual Conselheiro Lafaiete, Minas Gerais -, como professor no Liceu Mineiro. Com a publicação do romance O Ermitão de Muquém, em 1869, passa a dedicar-se mais à prosa de ficção, que culmina com a edição de A Escrava Isaura, em 1875, sua obra mais conhecida. Enquanto sua poesia se desdobra entre o  lirismo bucólico, a sátira e a bestialogia, sua ficção tematiza questões como a escravidão e o celibato clerical e contribui para a formação do regionalismo.

Obras 2

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: