Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Geraldo Sarno

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 11.11.2022
06.03.1938 Brasil / Bahia / Poções
22.02.2022 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Fidélis Geraldo Sarno (Poções, Bahia, 1938 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2022). Diretor de cinema, roteirista, produtor. Nome atuante de uma geração que desde os anos 1960 busca registrar, compreender e problematizar a complexidade de um Brasil desigual. Nessa configuração, seus documentários e ficções têm viés político e forte componente so...

Texto

Abrir módulo

Fidélis Geraldo Sarno (Poções, Bahia, 1938 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2022). Diretor de cinema, roteirista, produtor. Nome atuante de uma geração que desde os anos 1960 busca registrar, compreender e problematizar a complexidade de um Brasil desigual. Nessa configuração, seus documentários e ficções têm viés político e forte componente social.

Na infância, frequenta a sala de cinema local e coleciona fotogramas. Ingressa, em 1955, no curso de Direito na Universidade Federal da Bahia, em Salvador. Torna-se ativo na política estudantil e participa da criação do Departamento de Cinema do Centro Popular de Cultura (CPC). Em 1962, viaja a Cuba para estudar cinema. Dois anos depois, segue para São Paulo onde integra grupo de curta-metragistas capitaneado por Thomaz Farkas (1924-2011), iniciativa mais tarde denominada Caravana Farkas1.  

Na primeira produção conjunta, Sarno estreia com o média documental em 16mm Viramundo (1965). O filme introduz conceitos de seu cinema, como o domínio da produção já a partir do argumento e a temática nordestina, em especial a migração. Nele, a chegada de trabalhadores do Nordeste a São Paulo e a busca por trabalho é registrada por depoimentos dos migrantes, referências à religião e à atitude solidária. O diretor adota os preceitos do chamado cinema-verdade2, entre eles o uso do som direto e de câmeras portáteis. Viramundo é recebido como um marco, retrato crítico das relações dos migrantes com a capital da indústria e sua riqueza. Em 1968, o filme é ampliado para 35 mm e integra o longa coletivo Brasil Verdade.    

Em 1966, realiza Auto de Vitória, curta que confirma a vocação documental e sociológica de sua carreira. A realização se dá junto ao Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo (IEB/USP). Em duas partes, registra-se o traslado dos restos mortais do padre José de Anchieta (1534-1597) à basílica de Aparecida e a encenação por atores de teatro da peça do religioso que nomeia o filme. Nesse contexto universitário, o diretor faz viagens ao sertão nordestino em 1967 e 1969. Delas resultam oito curtas em 16 mm e 35 mm, com temas como a literatura de cordel, o ofício dos artesãos, a religiosidade e a questão agrária. Viva Cariri (1970), título determinante dessa fase, é rodado em Juazeiro do Norte e articula a figura do Padre Cícero ao cenário de pujança econômica da região. Um narrador contextualiza as situações mostradas e serve como voz crítica ao desenvolvimentismo do governo militar, em expediente comum a todas as produções do projeto.

Dedica-se a uma sequência de curtas e médias-metragens de cunho educativo para televisão e instituições oficiais. Tais experiências o conduzem ao primeiro filme ficcional e em longa-metragem, O Picapau Amarelo (1973). A adaptação do clássico de Monteiro Lobato (1882-1948) se centra em personagens de fábulas infantis que saem dos livros para ganhar vida. Em seu segundo longa ficcional, Coronel Delmiro Gouveia (1977), renova as preocupações sociais em chave política. O drama revisita o conflito do empreendedor e comerciante de origem cearense Delmiro Augusto da Cruz Gouveia (1863-1917) quando, em Alagoas, funda fábrica de linhas de costura e rivaliza com líder internacional do setor. O sucesso da empreitada incomoda a concorrência e os coronéis da região, situação que teria levado ao assassinato de Gouveia. Para analistas, o filme traz discussão fundamental sobre o papel da elite econômica brasileira na história do país e a aproximação necessária entre burguesia e operariado para combater pressões de fora.

O interesse pelas religiões retorna com o média-metragem A Terra Queima (1984) e o longa Deus É um Fogo (1987), inspirados pela tendência católica da Teologia da Libertação3 . Em 2008, o diretor experimenta sobre o próprio ato de filmar no metalinguístico Tudo Isso me Parece um sonho. O longa se vale de um registro da vida do general pernambucano José Inácio de Abreu e Lima (1794-1869) para discutir a busca de imagens e a construção da personagem.

Faz na sequência um híbrido de ficção e documentário, O Último Romance de Balzac (2010), de temática espírita. Mais uma vez investiga o fazer artístico, adicionando a questão mediúnica, a partir do fato revelado por um médium de que o romancista francês Honoré de Balzac (1799-1850) teria lhe ditado do além um livro derradeiro. A crítica vê no filme uma vitalidade ao buscar o espelhamento entre a alegaçãodo espírita, a pesquisa de um estudioso sobre a obra psicografada, um romance similar de Balzac e a encenação deste.

A noção de vitalidade também é lembrada uma década depois para novo longa ficcional. Sertânia (2020) contempla em preto-e-branco universo do sertão com seus mitos, sua cultura popular e suas personagens referenciais como o cangaceiro e o jagunço. Sobretudo, há o retorno à temática do migrante, em ciclo de predileção iniciado com Viramundo. Na trama, o jovem sertanejo Antão, levado ainda criança da Canudos massacrada4 para São Paulo, volta para compreender a morte do pai. O protagonista, alistado nas forças de combate a operários insurgentes na metrópole, é considerado paradigmático dos interesses do realizador no embate entre donos de poder e oprimidos, modernização e conservadorismo, um Brasil dinâmico e arcaico, por fim.

O veterano Sarno desenvolve com coerência um cinema voltado ao entendimento do povo brasileiro, seus conflitos e suas aspirações, quer na linguagem documental, quer na ficcional. Mantém como ética utilizar do conhecimento e das ferramentas criativas definidas na sua formação nordestina, raiz constante dos filmes que dirige.  

Notas

1. Caravana Farkas é o nome informal dado a um conjunto de documentários produzidos por Thomaz Farkas entre 1964 e 1969. Inicialmente, o conceito se refere a vinte produções sobre a cultura popular nordestina realizadas em 1969 e reunidos sob o título A Condição Brasileira. Os episódios são dirigidos por Paulo Gil Soares (1935-2000) e Sérgio Muniz, além de Sarno. Mais tarde, passam a integrar nesta noção coletiva outros quatro curtas-metragens em 1964 sob a produção de Farkas , entre eles Viramundo, de Sarno.

2. Cinema-verdade, ou Kino Pravda, é uma teoria desenvolvida pelo pioneiro documentarista soviético Dziga Vertov (1896-1954) e diz respeito a filmar a realidade de improviso, sem a interferência do realizador e o conhecimento de quem é filmado. Busca-se, assim, a expressão da verdade, do real. Inspirados nas ideias de Vertov, o filósofo Edgar Morin (1921) e o antropólogo cineasta Jean Rouch (1917-2004) desenvolveram o estilo documental chamado Cinéma Vérité, assim batizado por Morin em 1960.

3. Teologia da Libertação é uma corrente teológica cristã suprapartidária surgida na América Latina nos anos de 1960. O lançamento, em 1971, do livro A Teologia da Libertação, de autoria do padre peruano Gustavo Gutiérrez Merino (1928), costuma ser considerado o fato fundador do movimento. Junto à fé,  adota as ciências humanas e sociais como base estrutural e atua em prol de direitos básicos do ser humano, no combate à fome e à pobreza.

4. A pequena comunidade de Canudos, no sertão baiano, se torna palco de um conflito de dimensão nacional quando, em 1893, o líder messiânico Antonio Conselheiro (1830-1897) ali se instala e atrai milhares de seguidores entre camponeses, índios e ex-escravos. A partir de 1896, os governos locais e mais tarde o poder federal passam a enviar expedições para destruir o povoado, o que acontece um ano depois na quarta tentativa. Pelo menos 25 mil pessoas são mortas na chamada guerra ou campanha de Canudos.  

Exposições 5

Abrir módulo

Mostras audiovisuais 33

Abrir módulo

Palestras 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: